Pular para o conteúdo principal

Choose Your Language - by Google

Economia Movediça

Economia brasileira recuou 0,2% neste trimestre


Economia do Brasil está afundando
Depois da fase daquilo que eu chamo "economia midiática", onde o Ministro da Economia anterior divulgava projeções otimistas para o futuro como se fossem atuais e torcia para que a repercussão das boas notícias divulgadas as tornassem verdadeiras, nos deparamos com um ambiente onde o choque de realidade é desanimador. O atual condutor da economia do país, o Ministro Joaquim Levy, veio a público comunicar a amarga constatação de que "o dinheiro acabou". Nem precisava se dar ao trabalho. Quem acompanha as notícias sobre economia mesmo nos informativos mais populares sabe que o mar não está para peixe. A fonte dos investimentos inconsequentes, que não levava em conta estudos sérios sobre a viabilidade comercial dos negócios fomentados, secou.


Com a estabilização da moeda, o Brasil passou por uma fase onde o empreendedorismo virou palavra de ordem. No entanto grandes ideias foram desperdiçadas por manterem à frente gente incompetente na gestão de negócios. Isso não foi a única, e talvez nem seja a principal razão para a fase que estamos passando, mas merece uma análise um pouco mais aprofundada.

Sob a desculpa de fomento da economia os bancos estatais liberaram grandes somas em dinheiro para ser empregado na abertura, reforma e desenvolvimento tecnológico de empresas. No entanto muitos especuladores do mercado de capitais, órfãos da ciranda financeira e de olho nas facilidades oferecidas pelos bancos, se travestiram de empreendedores sérios e puseram em prática novas perspectivas de ganhar dinheiro rápido. Perceberam que qualquer empresa sob a égide de "petróleo e gás", entre tantas, tinham prioridade na visão tacanha do governo e atacaram estes nichos como abutres.

O resultado foi a profusão de empresas prestadoras de serviços geridas por pessoas sem nenhuma formação nas áreas. Verdadeiras fachadas usadas para arrancar dinheiro do governo. Qualquer um que tivesse a possibilidade mínima de assinar um contrato com a Petrobrás, apenas expressa no nome da empresa, era premiado com créditos pré-aprovados em vistas da única garantia de que trabalhariam com petróleo.

Até cursinhos de formação de pessoal nesta área proliferaram como erva e saíram distribuindo certificados para quem se dispusesse a pagar caro, enchendo o mercado de gente virtualmente despreparada para o exercício de profissões chaves para a estratégia de perfuração e extração de petróleo. Muita gente foi enganada e agora se ressente de ter gasto seu suado dinheirinho nestas armadilhas. Agora que acabou o dinheiro, acabou a farra. Estamos na fase da ressaca.

Leia também:

Acordamos com aquela secura na boca, sem acreditar nas perspectivas que o futuro tem a nos oferecer logo adiante. Mas os especuladores sempre souberam que isso iria acontecer. Só não esperavam que a bolha estourasse tão cedo. Estaleiros navais, peças chave dos arroubos desenvolvimentistas do governo pelo potencial gerador de empregos, fecham seus balanços com prejuízos milionários. Empresas de apoio logístico a plataformas estão demitindo no atacado e muitas já fecharam suas portas para não ter de devolver o dinheiro que tomaram emprestado diretamente nos órgãos governamentais ou em bancos privados, os quais evidentemente tinham um seguro amparado pelos bancos públicos, apenas para o caso das coisas não darem certo, no que serão regiamente ressarcidos por quaisquer prejuízos oriundos das propagandas falsas do governo.

O pior deste cenário é que não existem quaisquer perspectivas de que o dinheiro gasto a título de investimento retorne aos cofres públicos. Devolver o dinheiro nunca foi a intenção dos especuladores que se locupletaram do crédito fácil oferecido pelo governo. Critérios que protegessem os bancos públicos também nunca foram prioridade para os responsáveis pela injeção descontrolada do dinheiro gasto em empreendimentos sem as mínimas garantias. O resultado de toda esta desorganização se faz sentir fortemente agora, quando as taxas de desemprego aumentam vertiginosamente. Como consequência o consumo familiar, que por muito tempo sustentou a incompetência, recrudesce fortemente num efeito dominó, situações que acabam por refletir no balanço trimestral divulgado hoje.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Economia - O Conto do Vigário

Ninguém sabe ao certo como começou nem a origem do nome. Mas quase todo mundo sabe como funciona o Conto do Vigário. Alguém aparece com a promessa de lucro mirabolante. E tudo o que se tem de fazer é um pequeno investimento para levar uma grande vantagem. O folclore popular conta a história de um vigarista que, há muito tempo, convenceu uma rica família carioca de que seria procurador dos herdeiros do francês que projetou o Cristo Redentor. E vendeu o para os ricaços, prometendo que eles passariam a ter os direitos sobre a visitação da estátua.

Jornalismo - O "X" do Triplex

"- Fala companheiro, Tudo tranquilo?
- Você falou de um esquema...
- Ah, tá. É o seguinte... Sabe a Cooperativa? Então. Eu vou mandar construir um prédio inteiro só pra gente... Isso... pra diretoria... Em Guarujá. Você vai ficar com a cobertura, claro."
...
"É... Ninguém precisa pagar nada. Vou cobrar cota extra dos bancários. Eu dou os papéis de 'cotas' pra vocês, assino uns recibos e, para todos os efeitos, vocês são cooperados. Mas tem que declarar, senão vai sujar... Vou passar as mais baratas, só para constar. Não tem erro."

Economia - O Brasil e a Construção Naval

Em setembro de 1997 o BNDS expediu um relatório que pretendia expor as razões da derrocada da atividade de Construção Naval no país que fez com que caíssemos da 2ª posição no ranking mundial, e 1ª na América Latina, deixando mesmo de figurar entre os 20 países melhor colocados. O conhecimento de tal relatório é de importância fundamental para os que querem entender em que pé nos encontramos agora que retornamos ao cenário mundial e levantamentos indicam que ocupamos a 6ª posição no ranking. 
Porque, apesar de ter sido elaborado há quase 20 anos, o relatório traz informações aplicáveis a atual conjuntura. Entre outras coisas ressalta-se a certeza de que não aprendemos nada com os erros do passado. Continuamos a apostar no protecionismo  e no comprometimento do Estado em prol da incapacidade administrativa dos donos de Estaleiros e Armadores nacionais. Com resultados bastante previsíveis.