Pular para o conteúdo principal

Choose Your Language - by Google

Política - Resgate Democrático

resgate-da-democracia
O mau uso da palavra democracia ao longo dos últimos anos parece ter nublado a percepção demonstrada pela maioria dos brasileiros, principalmente aqueles entre os vinte e os trinta anos de idade. Eram ainda adolescentes quando esta deturpação começou, de modo que hoje se mostram meio perdidos em seus julgamentos.

Resta claro, à vista das recentes notícias estampadas nas páginas políticas e policiais, que democracia não foi exatamente o que eles viveram durante os anos de sua formação para a vida adulta.

Não é democracia quando a maioria do Congresso Nacional é remunerada para atender as demandas do Poder Executivo sem o devido debate em busca de alternativas melhores. Também não podemos chamar de democracia a prática onde o Poder Judiciário é insistentemente provocado a se manifestar para dirimir questões nas quais o diálogo político falha.

Estas deturpações do processo político do Brasil ao longo de quase uma década e meia se reflete nas recentes pesquisas em que os cidadãos são provocados a opinar sobre o que pensam da política e seus representantes. Também na crescente onda de manifestações em favor de alternativas autoritárias como solução definitiva para os problemas do país. Há na imensa maioria de jovens a sensação de que a democracia brasileira falhou, quando na verdade ela sequer foi plenamente exercida.

O problema se agrava ante a nítida impressão de que a classe política brasileira também se encontra enredada de tal forma no jeito errado de fazer política, ao ponto de esforçar-se pela sua manutenção.

 Isso que os mais novos atribuem a velha política brasileira é na verdade resultado da exploração das excrecências do que há de pior no ser humano, que foi conscienciosamente explorado por quem conhece bem a fraqueza de caráter dos homens ante o poder e a riqueza, por compartilhar de tal fraqueza, e não deve de maneira nenhuma ser confundido com o verdadeiro processo democrático.

Se faz urgente no Brasil um trabalho de reeducação do povo e da classe política, onde se imponha a releitura dos clássicos que ao longo dos séculos serviram para consolidar no mundo civilizado a democracia como o melhor sistema para a solução dos crassos problemas de relacionamento entre os povos.

Antes ainda que se proponham quaisquer outras reformas, é preciso que se busque o resgate da democracia perdida em algum ponto do processo nestes últimos treze anos, sob pena de continuarmos a repetir os mesmos erros, vez após vez, até o ponto da total falência do atual sistema de governo com graves consequências para a necessária coesão da sociedade brasileira.

A fragmentação da sociedade que tem sido meticulosamente orquestrada recentemente, enquanto alimentada pelo fomento da ignorância, sob a falsa égide da democracia, só atende a agenda dos que se locupletam do enfraquecimento das instituições. Estes que estão infiltrados nas instâncias dos três poderes, arregimentando os descompromissados, aliciando os inconstantes e disseminando a discórdia.

Cabe a sociedade, unida em prol do bem comum, identificá-los e expurgá-los definitivamente da vida pública pelo exercício  do mais básico dos deveres impostos a nós pela democracia, como primeiro passo rumo a redenção de um sistema que, senão perfeito, ainda é comprovadamente o melhor que a humanidade pode conceber.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Política - E Agora?

Com 61 votos a favor e 20 contra foi aprovado o afastamento definitivo da Sra. Dilma Rousseff na tarde de quarta-feira, dia 31 de agosto. Os que eram contrários ao processo contra a Ex-Presidente acordaram hoje, dia 1º de setembro, perguntando o que foi que mudou com o impeachment. Argumentam que ainda estamos na mesma situação de ontem, como se uma noite fosse suficiente para desfazer todos os equívocos perpetrados ao longo de 13 anos.

Mas o que realmente mudou a partir da efetivação definitiva de Michel Temer na cadeira da Presidência?

Economia - O Conto do Vigário

Ninguém sabe ao certo como começou nem a origem do nome. Mas quase todo mundo sabe como funciona o Conto do Vigário. Alguém aparece com a promessa de lucro mirabolante. E tudo o que se tem de fazer é um pequeno investimento para levar uma grande vantagem. O folclore popular conta a história de um vigarista que, há muito tempo, convenceu uma rica família carioca de que seria procurador dos herdeiros do francês que projetou o Cristo Redentor. E vendeu o para os ricaços, prometendo que eles passariam a ter os direitos sobre a visitação da estátua.

Opinião - Cleptomania Não É Crime

Comecemos pelo óbvio. Embora a cleptomania não seja um crime, pode levar as pessoas a cometer um crime tipificado no código penal. Dependerá de um juiz aceitar ou não a alegação do distúrbio como atenuante, mas o fato é que, uma vez que a pessoa roube, ela cometeu um crime. Então vamos repetir para não perder o fio da meada: cleptomania não é crime, mas o ato de roubar mesmo quando provocado pela compulsão é.