Pular para o conteúdo principal

Choose Your Language - by Google

Artes - Cultura Nua

cultura-nua
Se procurarem nas redes sociais encontrarão performances nudistas desde muito tempo. Na maioria dos casos, a reação dos que vêem as fotos é jocosa. Os nudistas performáticos em geral são motivo de risos e  de piadas para os usuários das redes sociais e, a rigor, não chocam a quase ninguém. Então porque insistem que a recente crítica ao evento do Museu de Arte Moderna se deve apenas a um preconceito?

O Estado é um paquiderme que leva uma eternidade para dar a volta sobre o próprio eixo. Manifestações contra os critérios que norteiam promoções de cunho social, como é o caso dos programas de incentivo a cultura, podem levar décadas para ser sentidas pelo gigante, garantindo a sobrevida e o lucro dos que se locupletam do sistema sem produzir nada útil.

De modo que, se dependesse apenas da reação estatal frente as manifestações, eles nada teriam com o que se preocupar. Mas a resposta imediata aos boicotes pelos empresários é uma novidade que provoca nos auto-intitulados artistas o temor que o cancelamento das generosas contribuições se generalizem, tirando deles o que tem sido desviado dos que ficam à mingua na busca legítima por um patrocínio.

Manter o status de arte às suas aberrações tornou-se fundamental. É patente o desespero dos embusteiros que vêem pairar uma séria ameaça sobre a mina de ouro que é chamar qualquer porcaria de arte. Por isso gritam e esperneiam: É arte! É arte! Porque, sem a forçada definição de arte, não haveria nada em suas performances que valesse o dinheiro gasto.

Desesperados, se voltam violentamente contra o público a quem deveriam atender como artistas que dizem ser. Querem convencer a força que há na nudez uma roupagem que só os sábios e os entendidos podem enxergar. Ofendem a inteligência dos consumidores, chamando-os de ignorantes por denunciarem seu único objetivo, que é arrancar dinheiro de um programa de incentivo sem critérios definidos.

Tal qual o menino da obra de Hans Christian Andersen, o público aponta o dedo com muita razão, denunciando que eles estão apenas nus. Tão só e desgraçadamente nus. Que não há nenhuma concepção artística em tirar a roupa, onde quer que seja.

Sem o patrocínio morrerão de fome porque, até provem o contrário, não sabem fazer outra coisa além de ficar nus. E excetuando lá uma ou outra senhora que gasta sua pensão nos clubes de mulheres, não há ninguém que queira pagar para ver um homem nu.

A não ser o Estado. Se eles continuarem gritando que é arte, até que alguém lá em cima acreditar.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Economia - O Conto do Vigário

Ninguém sabe ao certo como começou nem a origem do nome. Mas quase todo mundo sabe como funciona o Conto do Vigário. Alguém aparece com a promessa de lucro mirabolante. E tudo o que se tem de fazer é um pequeno investimento para levar uma grande vantagem. O folclore popular conta a história de um vigarista que, há muito tempo, convenceu uma rica família carioca de que seria procurador dos herdeiros do francês que projetou o Cristo Redentor. E vendeu o para os ricaços, prometendo que eles passariam a ter os direitos sobre a visitação da estátua.

Economia - O Fundo do Poço

No final de 2015, até meados de 2016, muitos torciam para chegarmos logo ao fundo do poço, na esperança de que, não tendo mais para onde descer, começássemos a subir. Os mais pessimistas avisavam que seria bom não encontrarmos um lamaçal que nos prendesse no fundo por muito tempo.

Opinião - Cleptomania Não É Crime

Comecemos pelo óbvio. Embora a cleptomania não seja um crime, pode levar as pessoas a cometer um crime tipificado no código penal. Dependerá de um juiz aceitar ou não a alegação do distúrbio como atenuante, mas o fato é que, uma vez que a pessoa roube, ela cometeu um crime. Então vamos repetir para não perder o fio da meada: cleptomania não é crime, mas o ato de roubar mesmo quando provocado pela compulsão é.