Pular para o conteúdo principal

Choose Your Language - by Google

Política - O Prefeito e o Canguru

prefeito-e-o-canguru
Na condição de carioca me senti profundamente envergonhado e mal representado pelo prefeito Eduardo Paes perante o Comitê Olímpico Australiano. Se pudesse iria pessoalmente pedir desculpas aos representantes do Comitê. Coisa que o próprio prefeito deveria ter feito, demonstrando humildade em vez de sua contumaz arrogância.

Como pode o Prefeito da cidade sede das Olimpíadas não ter noção da repercussão daquilo que diz em rede nacional? Será que ele imaginou que os australianos não entenderiam o que ele disse?

"Vou botar um canguru na frente do prédio deles, para ficar pulando e eles se sentirem em casa"

É impressionante que o prefeito de uma das maiores cidades da América do Sul demonstre tamanha falta de intimidade com o significado da palavra "política". Mike Tancred, diretor de comunicação do Comitê Olímpico da Austrália, acabou por minimizar a boçalidade da declaração do prefeito do Rio de Janeiro, mas não deixou de esclarecer que entendeu bem o que foi dito: "Não precisamos de cangurus e sim de encanadores para dar conta dos vários lagos que encontramos nos apartamentos".

Que vergonha!

Nosso prefeito não cansa de demonstrar o quanto é politicamente despreparado pra o cargo que ocupa, especialmente neste momento da história da cidade do Rio de Janeiro. Foi um total desrespeito para com nossos visitantes. Diria que foi uma infelicidade, se não fosse a reincidência desse tipo de comentário besta vindo de Eduardo Paes. Passa-nos a impressão de que se sinta como um adolescente dirigindo um grêmio estudantil e não uma grande cidade como a do Rio de Janeiro.

Um pouco de humildade e reconhecimento da temporariedade de seu cargo lhe fariam bem. Afinal, os prefeitos vão e vem, mas a cidade fica. Assim como ficam as boas e as más impressões passadas pelo estrelismo passageiro de algumas pessoas. Pessoas estas que deveriam nos representar perante os visitantes especialmente, mas também ante os olhos do mundo que nos observa.

Não bastasse passar pelo constrangimento de encontrar instalações inacabadas onde deveria haver já toda uma estrutura montada para o descanso dos atletas antes de uma importante competição mundial, ainda ter de ouvir piadinhas idiotas ditas pelo anfitrião é realmente o fim da picada.

Em outra oportunidade o prefeito atribuiu sua excepcional capacidade em dizer besteiras ao jeito despojado do carioca falar. Acho que ele confunde desprendimento, presença de espírito e informalidade com boçalidade e desrespeito.

Não senhor prefeito! Os cariocas não são assim tão idiotas.

.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Economia - O Conto do Vigário

Ninguém sabe ao certo como começou nem a origem do nome. Mas quase todo mundo sabe como funciona o Conto do Vigário. Alguém aparece com a promessa de lucro mirabolante. E tudo o que se tem de fazer é um pequeno investimento para levar uma grande vantagem. O folclore popular conta a história de um vigarista que, há muito tempo, convenceu uma rica família carioca de que seria procurador dos herdeiros do francês que projetou o Cristo Redentor. E vendeu o para os ricaços, prometendo que eles passariam a ter os direitos sobre a visitação da estátua.

Jornalismo - O "X" do Triplex

"- Fala companheiro, Tudo tranquilo?
- Você falou de um esquema...
- Ah, tá. É o seguinte... Sabe a Cooperativa? Então. Eu vou mandar construir um prédio inteiro só pra gente... Isso... pra diretoria... Em Guarujá. Você vai ficar com a cobertura, claro."
...
"É... Ninguém precisa pagar nada. Vou cobrar cota extra dos bancários. Eu dou os papéis de 'cotas' pra vocês, assino uns recibos e, para todos os efeitos, vocês são cooperados. Mas tem que declarar, senão vai sujar... Vou passar as mais baratas, só para constar. Não tem erro."

Economia - O Brasil e a Construção Naval

Em setembro de 1997 o BNDS expediu um relatório que pretendia expor as razões da derrocada da atividade de Construção Naval no país que fez com que caíssemos da 2ª posição no ranking mundial, e 1ª na América Latina, deixando mesmo de figurar entre os 20 países melhor colocados. O conhecimento de tal relatório é de importância fundamental para os que querem entender em que pé nos encontramos agora que retornamos ao cenário mundial e levantamentos indicam que ocupamos a 6ª posição no ranking. 
Porque, apesar de ter sido elaborado há quase 20 anos, o relatório traz informações aplicáveis a atual conjuntura. Entre outras coisas ressalta-se a certeza de que não aprendemos nada com os erros do passado. Continuamos a apostar no protecionismo  e no comprometimento do Estado em prol da incapacidade administrativa dos donos de Estaleiros e Armadores nacionais. Com resultados bastante previsíveis.