Pular para o conteúdo principal

Choose Your Language - by Google

Política - O Prefeito e o Canguru

prefeito-e-o-canguru
Na condição de carioca me senti profundamente envergonhado e mal representado pelo prefeito Eduardo Paes perante o Comitê Olímpico Australiano. Se pudesse iria pessoalmente pedir desculpas aos representantes do Comitê. Coisa que o próprio prefeito deveria ter feito, demonstrando humildade em vez de sua contumaz arrogância.

Como pode o Prefeito da cidade sede das Olimpíadas não ter noção da repercussão daquilo que diz em rede nacional? Será que ele imaginou que os australianos não entenderiam o que ele disse?

"Vou botar um canguru na frente do prédio deles, para ficar pulando e eles se sentirem em casa"

É impressionante que o prefeito de uma das maiores cidades da América do Sul demonstre tamanha falta de intimidade com o significado da palavra "política". Mike Tancred, diretor de comunicação do Comitê Olímpico da Austrália, acabou por minimizar a boçalidade da declaração do prefeito do Rio de Janeiro, mas não deixou de esclarecer que entendeu bem o que foi dito: "Não precisamos de cangurus e sim de encanadores para dar conta dos vários lagos que encontramos nos apartamentos".

Que vergonha!

Nosso prefeito não cansa de demonstrar o quanto é politicamente despreparado pra o cargo que ocupa, especialmente neste momento da história da cidade do Rio de Janeiro. Foi um total desrespeito para com nossos visitantes. Diria que foi uma infelicidade, se não fosse a reincidência desse tipo de comentário besta vindo de Eduardo Paes. Passa-nos a impressão de que se sinta como um adolescente dirigindo um grêmio estudantil e não uma grande cidade como a do Rio de Janeiro.

Um pouco de humildade e reconhecimento da temporariedade de seu cargo lhe fariam bem. Afinal, os prefeitos vão e vem, mas a cidade fica. Assim como ficam as boas e as más impressões passadas pelo estrelismo passageiro de algumas pessoas. Pessoas estas que deveriam nos representar perante os visitantes especialmente, mas também ante os olhos do mundo que nos observa.

Não bastasse passar pelo constrangimento de encontrar instalações inacabadas onde deveria haver já toda uma estrutura montada para o descanso dos atletas antes de uma importante competição mundial, ainda ter de ouvir piadinhas idiotas ditas pelo anfitrião é realmente o fim da picada.

Em outra oportunidade o prefeito atribuiu sua excepcional capacidade em dizer besteiras ao jeito despojado do carioca falar. Acho que ele confunde desprendimento, presença de espírito e informalidade com boçalidade e desrespeito.

Não senhor prefeito! Os cariocas não são assim tão idiotas.

.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Economia - O Fundo do Poço

No final de 2015, até meados de 2016, muitos torciam para chegarmos logo ao fundo do poço, na esperança de que, não tendo mais para onde descer, começássemos a subir. Os mais pessimistas avisavam que seria bom não encontrarmos um lamaçal que nos prendesse no fundo por muito tempo.

Justiça - Ineditismos

Mais uma vez o Judiciário se vê envolvido em polêmicas, sendo acusado de interferir no funcionamento do poder Legislativo. Uma acusação grave, que coloca em questão o princípio básico da autonomia dos poderes constituídos.

Opinião - Cleptomania Não É Crime

Comecemos pelo óbvio. Embora a cleptomania não seja um crime, pode levar as pessoas a cometer um crime tipificado no código penal. Dependerá de um juiz aceitar ou não a alegação do distúrbio como atenuante, mas o fato é que, uma vez que a pessoa roube, ela cometeu um crime. Então vamos repetir para não perder o fio da meada: cleptomania não é crime, mas o ato de roubar mesmo quando provocado pela compulsão é.