Pular para o conteúdo principal

Choose Your Language - by Google

Impeachment - Não Há Perdedores

manifestacoes
Quando 367 Deputados Federais e 55 Senadores da República acatam a instauração de um processo pelo qual se exige o afastamento da Presidente da República, a pedido de 3 cidadãos comuns respaldados no amplo apoio da população como ficou claro nas manifestações das ruas, especialmente por sabermos que a maioria dos Congressistas que votaram a favor do impeachment tem lá seus problemas a resolver com a justiça, forçoso é se reconhecer que a democracia venceu.


Democracia é o poder emanado do povo, não o que os políticos resolvem nos convescotes de reuniões a portas fechadas em seus gabinetes ou trancados em quartos de hotéis de luxo. Eles não resistiram a pressão que veio de fora. Prevaleceu acima da vontade dos políticos os desejos da maioria do povo. E quando a democracia vence, não há perdedores.

Mesmo os que agora se sentem derrotados, amanhã entenderão o que se passou nos últimos meses e se darão conta da poderosa arma que dispomos quando os políticos resolvem por conta própria abusar da fé pública para fazer o que lhes convém, abandonando o compromisso sagrado de cuidar das necessidades da nação. E se os administradores que agora assumiram tentarem ludibriar de novo a população, saibam que, aqueles que hoje apoiam a destituição da Presidente, se levantarão mais uma vez para cobrar explicações e os destituirão também se não forem convincentes.

Mais tarde os que hoje nos veem como adversários podem estar ombreados conosco exigindo o afastamento de qualquer outro político que coloque sua ambição acima dos interesses do país, dos Estados da Federação ou de qualquer Município. Porque nós podemos. E porque foi isso que aprendemos nos últimos dias. Votar não significa assinar uma procuração em branco para que os eleitos façam o que bem quiserem de seus mandatos. Eles também aprenderam, senão, aprenderão cedo ou tarde. Quando precisarmos exigir novamente nossos direitos como eleitores, eles hão de se ver e reconhecer que nós somos os reais signatários dos poderes emanados do mandato que lhes conferimos. Para fazer a nossa vontade, não a deles.

Diríamos que até o Partido dos Trabalhadores sai como vitorioso deste momento histórico. Ninguém que acompanha as idas e vindas da política poderia prever a permanência por tanto tempo de um partido que ascendeu ao poder sem trazer consigo um único programa de governo sequer.

Enquanto se manteve próximo das metas traçadas pelo governo que o antecedeu, o Partido dos Trabalhadores apresentou um dos melhores desempenhos da história. No entanto, aproveitando-se de seu relativo sucesso e da aprovação em massa da população aos resultados obtidos, mas sabedor que suas limitações administrativas mais à frente lhes cobraria a substituição por um governante mais capacitado, o Partido dos Trabalhadores usou das credenciais concedidas pelo povo para traçar um plano que os efetivaria no poder. Um plano envolvendo a compra de votos de Parlamentares e o desvio de verbas para sustentar negociatas escusas. Permanecer no poder por 13 ano,s apesar de suas claras limitações, pode ser contado como uma vitória a favor do Partido dos Trabalhadores. Mas não é a única.

O PT agora sabe que não se deve brincar com a confiança de um povo e que o voto de confiança dado não acompanha salvo conduto para fazer o que se quiser dele. Quando mais tarde o PT pensar em se apresentar novamente aos eleitores como uma alternativa viável a qualquer governo, deverá vir seguido de um programa de governo coerente, confiável e passível de ser posto em prática.

Todo aprendizado é uma vitória. O Partido dos Trabalhadores precisou aprender da maneira mais difícil. E, se não aprendeu, só temos que lamentar. A democracia não contempla derrotados.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Economia - O Conto do Vigário

Ninguém sabe ao certo como começou nem a origem do nome. Mas quase todo mundo sabe como funciona o Conto do Vigário. Alguém aparece com a promessa de lucro mirabolante. E tudo o que se tem de fazer é um pequeno investimento para levar uma grande vantagem. O folclore popular conta a história de um vigarista que, há muito tempo, convenceu uma rica família carioca de que seria procurador dos herdeiros do francês que projetou o Cristo Redentor. E vendeu o para os ricaços, prometendo que eles passariam a ter os direitos sobre a visitação da estátua.

Jornalismo - O "X" do Triplex

"- Fala companheiro, Tudo tranquilo?
- Você falou de um esquema...
- Ah, tá. É o seguinte... Sabe a Cooperativa? Então. Eu vou mandar construir um prédio inteiro só pra gente... Isso... pra diretoria... Em Guarujá. Você vai ficar com a cobertura, claro."
...
"É... Ninguém precisa pagar nada. Vou cobrar cota extra dos bancários. Eu dou os papéis de 'cotas' pra vocês, assino uns recibos e, para todos os efeitos, vocês são cooperados. Mas tem que declarar, senão vai sujar... Vou passar as mais baratas, só para constar. Não tem erro."

Economia - O Brasil e a Construção Naval

Em setembro de 1997 o BNDS expediu um relatório que pretendia expor as razões da derrocada da atividade de Construção Naval no país que fez com que caíssemos da 2ª posição no ranking mundial, e 1ª na América Latina, deixando mesmo de figurar entre os 20 países melhor colocados. O conhecimento de tal relatório é de importância fundamental para os que querem entender em que pé nos encontramos agora que retornamos ao cenário mundial e levantamentos indicam que ocupamos a 6ª posição no ranking. 
Porque, apesar de ter sido elaborado há quase 20 anos, o relatório traz informações aplicáveis a atual conjuntura. Entre outras coisas ressalta-se a certeza de que não aprendemos nada com os erros do passado. Continuamos a apostar no protecionismo  e no comprometimento do Estado em prol da incapacidade administrativa dos donos de Estaleiros e Armadores nacionais. Com resultados bastante previsíveis.