Pular para o conteúdo principal

Choose Your Language - by Google

Política - Não Caiu

fantasma_do_planalto
Hoje de manhã, quando fui comprar pão, um vizinho me parou para saber minha opinião sobre os rumos políticos do Brasil, a partir dos acontecimentos do último dia 17 de abril.

- Agora que a Dilma caiu, o quê vai acontecer?
- Mas a Dilma não caiu. Ela continua governando o país. Ainda é a Presidente do Brasil.
- Hã!?! Como assim?? E o que foi aquilo ontem?



Entendo a confusão em que a maioria dos meus amigos se encontra, especialmente aqueles que estavam, como eu, acompanhando o Impeachment do Collor nos idos de 1992.

Naquele ano, o processo foi instaurado no Senado no dia seguinte, logo após a votação da admissibilidade na Câmara dos Deputados, Fernando Collor foi afastado do cargo e não voltou mais a ocupar a cadeira da Presidência.

Para este ano o Supremo Tribunal Federal criou uma nova regra, que não existia em 1992. A admissibilidade na Câmara dos Deputados não vale mais de nada. No máximo ela pode ser encarada como uma sugestão ao Senado, solicitando que os Senadores olhem com carinho para o pedido de Impeachment. No fundo não importa a análise que os Deputados tenham feito do teor do documento. O que vai valer mesmo é a nova votação de admissibilidade a ser feita pelos Senadores que foi inventada agora pelo STF.

Tomara que nunca mais precisemos passar pela experiência traumática de um impeachment, mas se acontecer vamos depender do humor e da proximidade dos Magistrados do Supremo com o Executivo, e talvez aconteça deles inventarem um rito novo para cada Presidente que for ameaçado de impedimento por crimes de responsabilidade.

A consequência imediata desta manobra jurídica é óbvia. A Câmara foi tolhida nas prerrogativas constitucionais que tinha em 1992 e agora não pode mais determinar a instauração de um processo de Impeachment contra Presidentes da República. Agora o Senado se tornou absoluto na questão, exercendo ao mesmo tempo o papel analisar se o pedido atende as prescrições legais para ser aceito, decidindo se vai instaurar ou não o processo e, se decidir instaurar o processo, ainda de julgar o Presidente pelos méritos contidos no pedido.

Com isso o Presidente ganha mais tempo no cargo, além de aumentar-lhe as instâncias às quais pode recorrer para evitar o processo. Primeiro ele tenta convencer aos Deputados Federais a não dizer ao Senado que vê condições para que o pedido seja aceito, como vimos no empenho do ex-Presidente Lula a partir de um hotel em Brasília. Nesse caso o pedido não chega ao Senado.

Falhando esta tentativa de influenciar na avaliação dos Deputados, a Presidência ainda tem a chance de tentar convencer aos Senadores individualmente a não aceitarem a sugestão dos Deputados Federais durante o tempo que o Presidente do Senado tem para formar uma comissão de análise do pedido e convocar uma votação de admissibilidade. Se conseguir convencer a metade dos Senadores nesse meio tempo, o processo não será instaurado e o pedido de Impeachment morre ali, como se a votação dos Deputados no dia 17 nunca tivesse existido.

Assistindo ao espetáculo deprimente na atuação dos Deputados Federais durante a votação, ouso inferir que a jurisprudência criada pelo STF transformou o processo de impeachment numa espécie de circo itinerante que agora vai desfazer o acampamento para se instalar nas dependências do Senado, desta vez para sua última apresentação.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Economia - O Conto do Vigário

Ninguém sabe ao certo como começou nem a origem do nome. Mas quase todo mundo sabe como funciona o Conto do Vigário. Alguém aparece com a promessa de lucro mirabolante. E tudo o que se tem de fazer é um pequeno investimento para levar uma grande vantagem. O folclore popular conta a história de um vigarista que, há muito tempo, convenceu uma rica família carioca de que seria procurador dos herdeiros do francês que projetou o Cristo Redentor. E vendeu o para os ricaços, prometendo que eles passariam a ter os direitos sobre a visitação da estátua.

Jornalismo - O "X" do Triplex

"- Fala companheiro, Tudo tranquilo?
- Você falou de um esquema...
- Ah, tá. É o seguinte... Sabe a Cooperativa? Então. Eu vou mandar construir um prédio inteiro só pra gente... Isso... pra diretoria... Em Guarujá. Você vai ficar com a cobertura, claro."
...
"É... Ninguém precisa pagar nada. Vou cobrar cota extra dos bancários. Eu dou os papéis de 'cotas' pra vocês, assino uns recibos e, para todos os efeitos, vocês são cooperados. Mas tem que declarar, senão vai sujar... Vou passar as mais baratas, só para constar. Não tem erro."

Economia - O Brasil e a Construção Naval

Em setembro de 1997 o BNDS expediu um relatório que pretendia expor as razões da derrocada da atividade de Construção Naval no país que fez com que caíssemos da 2ª posição no ranking mundial, e 1ª na América Latina, deixando mesmo de figurar entre os 20 países melhor colocados. O conhecimento de tal relatório é de importância fundamental para os que querem entender em que pé nos encontramos agora que retornamos ao cenário mundial e levantamentos indicam que ocupamos a 6ª posição no ranking. 
Porque, apesar de ter sido elaborado há quase 20 anos, o relatório traz informações aplicáveis a atual conjuntura. Entre outras coisas ressalta-se a certeza de que não aprendemos nada com os erros do passado. Continuamos a apostar no protecionismo  e no comprometimento do Estado em prol da incapacidade administrativa dos donos de Estaleiros e Armadores nacionais. Com resultados bastante previsíveis.