Pular para o conteúdo principal

Choose Your Language - by Google

Wagner Moura e o Direito a Opinião

NOTA DE REPÚDIO

Wagner Moura é um grande ator ao qual reputo o reconhecimento público entre os melhores de sua geração. Particularmente (sim é a minha opinião) o considero sempre brilhante na composição das personagens que interpreta.

wagner_mouraRepudio veementemente as tentativas de desconstrução moral deste jovem cidadão brasileiro, ora em andamento a partir de dentro de alguns nichos da imensa rede social (por uma questão de justiça é preciso que se diga que a rede social é maior e mais variada do que a meia dúzia que tenta monopolizar o protagonismo entre os formadores de opinião).


Nichos sociais estes onde tentam atingir sua honra, por em dúvida sua inteligência e desconstruir seu inegável talento profissional. Restritos, porque demonstram a disposição de só reconhecer como válido e digno de consideração o pensamento que concorda com o de seu núcleo duro, mesmo quando recheados de crassos erros lógicos no enunciado da argumentação.

Não concordo com nada do que Wagner Moura escreveu no artigo publicado na Folha de São Paulo hoje (30 de abril). Mas alguém precisa, pelo bem da democracia a que tantos juram seguir, se levantar e defender-lhe o direito de dizer o que pensa, sem se que se torne vítima das mesmas artimanhas rasteiras as quais tenho denunciado desde que escolhi me opor ao discurso populista do atual partido no governo.

Tenho já há algum tempo demonstrado minha insatisfação com os rumos que o debate político tem tomado. Sobretudo a partir da crescente rejeição às políticas públicas da atual Presidente. Muitos dos que defenderam ferozmente estas mesmas políticas (sim, ferozmente) num passado recente, agora se mostram descontentes com os rumos do governo e vem à público manifestar sua decepção.

No entanto demonstram ter trazido consigo o que de pior aprenderam no tempo em que defenderam o populismo insano deste governo. Usam e abusam das estratégias reprováveis pelas quais eu e vários de meus amigos fomos vitimados por estes mesmos que agora gritam contra o governo nas alamedas da cidade. Mudaram o alvo de seus impropérios, mas na essência demonstram que nada mudou nas mentes apequenadas pela doutrinação do ódio a que foram submetidos ao longo dos anos em que defenderam o partido político do governo. Parecem acreditar que a única maneira de se opor a uma ideia diferente daquela da qual estão convencidos no momento seja destruir o autor do pensamento, atacando-lhe a moral e a honra.

Receio ter de admitir num futuro próximo que, mesmo quando o lulopetismo não passar de uma mácula vergonhosa nas páginas de nossa história, a ideologia malsã da qual eles fizeram uso terá vencido e se consolidado no comportamento reprovável de todos os que outrora tenham bebido de suas fontes.

Não basta mudar de opinião. É preciso despir-se da desonestidade que tem caracterizado a propaganda pela qual as massas se deixaram manipular, reconhecendo os erros cometidos num passado nem tão distante. Sob pena de estarmos trocando um radicalismo equivocado por outro de desonestidade igual, mas com um resultado tão ou mais pernicioso que o anterior.

Escutem o que Wagner Moura outros tantos milhares de jovens como ele tem a dizer. Respeitem o direito que ele tem de manifestar livremente sem que tenham eles de se expor ao regime policialesco das opiniões que vigorou nos piores momentos de nossa história e contra o qual muitos de nós tem se manifestado veementemente desde há muito.

Se puderem manifestem-se também, exponham o contraditório com propriedade quando houver, mas atentem ao decoro e a salutar prevalência da diversidade e principalmente pelo respeito às pessoas dos cidadãos. E a democracia que almejamos ainda há de lhes agradecer penhoradamente mais à frente, quando uma sociedade amadurecida emergir do caos em que mergulhamos quando acreditávamos em mentiras.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Economia - Estaleiro Mauá, Ainda Não é o Fim

Crise do setor naval é mais caótica do que possa parecer
Como você se sentiria se pudesse abrir uma empresa onde não fosse obrigado a investir em novas tecnologias? Onde não fosse preciso buscar a diversificação ou novas metodologias de trabalho, nem buscar o aperfeiçoamento da gestão empresarial, nem nada disso de que depende a sobrevivência das grandes empresas? Se você pudesse continuar a cometer os mesmos equívocos que no passado levaram empresas no mesmo ramo a fechar as portas e mesmo assim continuasse contar com crédito ilimitado no mercado, não importando o quão primários fossem os erros empresarias cometidos? E mesmo assim continuasse a ter prioridade em contratos milionários com a maior empresa estatal brasileira, sem o risco de ser incomodado pela concorrência de empresas estrangeiras? Provavelmente você julgaria ter alcançado o paraíso comercial.
Pois é exatamente assim que se sentem os donos de estaleiros navais. Não importa o que eles façam de suas empresas ou quantos erro…

Opinião - Cleptomania Não É Crime

Comecemos pelo óbvio. Embora a cleptomania não seja um crime, pode levar as pessoas a cometer um crime tipificado no código penal. Dependerá de um juiz aceitar ou não a alegação do distúrbio como atenuante, mas o fato é que, uma vez que a pessoa roube, ela cometeu um crime. Então vamos repetir para não perder o fio da meada: cleptomania não é crime, mas o ato de roubar mesmo quando provocado pela compulsão é.

Jornalismo - O "X" do Triplex

"- Fala companheiro, Tudo tranquilo?
- Você falou de um esquema...
- Ah, tá. É o seguinte... Sabe a Cooperativa? Então. Eu vou mandar construir um prédio inteiro só pra gente... Isso... pra diretoria... Em Guarujá. Você vai ficar com a cobertura, claro."
...
"É... Ninguém precisa pagar nada. Vou cobrar cota extra dos bancários. Eu dou os papéis de 'cotas' pra vocês, assino uns recibos e, para todos os efeitos, vocês são cooperados. Mas tem que declarar, senão vai sujar... Vou passar as mais baratas, só para constar. Não tem erro."