Pular para o conteúdo principal

Choose Your Language - by Google

Justiça - Quatro Derrotas e Uma Vitória

jose_eduardo_cardozo
José Eduardo Cardozo tem sofrido vários revezes desde que deixou o Ministério da Justiça para assumir a chefia da Advocacia Geral da União. É difícil atribuir-lhe culpa exclusiva pelas derrotas nos embates o Supremo Tribunal Federal. A verdade é que o governo tem agido um tanto atabalhoadamente, tomando decisões precipitadas antes que os advogados da União possam elaborar um parecer jurídico, causando que a AGU acabe por agir como bombeiros depois que o incêndio já se alastrou. Foi assim no primeiro constrangimento de Cardozo, que envolveu a nomeação de seu substituto na pasta da Justiça. O alto escalão do governo formado pela Presidente Dilma Rousseff e pelo Chefe da Casa Civil Jaques Wagner, aconselhados pelo ex-Presidente Lula, decidiram que precisavam de alguém com trânsito na Polícia Federal e aludiram que alguém da Procuradoria Geral da República poderia se encaixar neste perfil.


Jaques Wagner sugeriu o nome de Wellington César Lima, Procurador-Geral da Bahia, onde o chefe da Casa Civil foi Governador. O ex-Ministro da Justiça Eduardo Cardozo não foi consultado. Aceita a sugestão de Jaques, a Presidente tratou imediatamente de empossá-lo, sem procurar saber das implicações legais da nomeação. Acontece que constitucionalmente um Procurador da República não pode assumir cargos fora de suas atribuições na Procuradoria. E lá se foi o recém nomeado chefe da Advocacia da União tentar defender o indefensável perante o STF, sabendo que as chances de vitória eram mínimas. Perdeu.

A Presidência com a ideia fixa de que precisava de alguém da Procuradoria para a pasta da Justiça teve de sair às pressas em busca de alguém que se encaixasse no perfil exclusivo, mas que exercesse o cargo de Procurador desde antes da Constituição de 1988. Encontraram Eugênio Aragão e tudo ficou bem para a pasta da Justiça. Esta derrota poderia ter sido evitada, se não fosse pelo atropelo da Presidente e das cabeças coroadas do Partido dos Trabalhadores.

Mas o pior para o Advogado Geral ainda estaria por vir. Na medida em que as investigações se acercaram da figura do ex-Presidente Lula, tendo ele inclusive sido conduzido coercitivamente para depor na Polícia Federal, amadureceu entre as lideranças do Partido a ideia de que a melhor forma de se evitar uma possível prisão de Lula seria nomeá-lo Ministro. No cargo, Lula passaria a gozar de imunidades nas investigações, sobretudo na questão do foro apropriado para investigá-lo, que deixaria o juizado de primeira instância em Curitiba e passaria ao Supremo Tribunal.

Quando informações não oficiais davam conta de que a Polícia Federal já estaria se movimentando no sentido de prendê-lo, faltando apenas acertar-se a forma de fazê-lo sem causar comoção junto a sociedade, o Governo mais uma vez precipitou-se e investiu o ex-Presidente no cargo de Ministro Chefe da Casa Civil, realocando Jaques Wagner para o recém inventado Gabinete da Presidência, mantendo assim o status de Ministro. Novamente seguiu-se uma sucessão de ações atabalhoadas que culminaram na impressão de uma Edição Extraordinária do Diário Oficial publicando às pressas a posse de Lula.

A partir deste momento o ex-Presidente Lula passou a ter foro especial, o que obrigou ao Juiz Sérgio Moro que determinasse o encerramento das investigações na primeira instância, inclusive que suspendessem o monitoramento das ligações telefônicas de Lula. Assim foi feito. As investigações sobre Lula corriam em segredo de justiça a fim de preservar as provas colhidas e evitar que o investigado usasse as informações em seu benefício. Com a suspensão das investigações o Juiz Sérgio Moro entendeu que o segredo perdeu sua finalidade e levantou o sigilo das apurações em prol da ampla publicidade de fatos relevantes ao interesse público.

As gravações das conversas do ex-Presidente envolvendo o alto escalão do governo, inclusive a Presidente e o Ministro Jaques Wagner foram amplamente divulgadas nos meios noticiosos. Algumas destas conversas deixavam clara a intenção do governo de nomeá-lo Ministro apenas pela intenção de livrá-lo das investigações e da provável decretação de sua prisão.

Várias ações no sentido de impugnar a posse do ex-Presidente deram entrada no STF, tendo como justificativa principal que a nomeação tinha como único objetivo blindar o ex-Presidente das investigações e protegê-lo da prisão. O Ministro do Supremo Gilmar Mendes deu deferimento a ação apresentada por representantes de Partidos da oposição anulando a posse do Ministro. E novamente entrou em cena a Advocacia Geral da República, quando o estrago já estava em andamento, tendo pouco tempo para fazer os reparos necessários.

Tentaram dois Habeas Corpus, aparentemente sem atentar para o fato de que não cabe tal recurso contra a decisão monocrática de um Juiz Federal. Evidentemente perderam nos dois casos. Tentaram depois um mandado de segurança, que também foi negado. Numa tentativa desesperada apelaram ao Relator da Operação Lava-Jato no STF, o Ministro Teori Zavascki, usando o fato de pessoas com foro privilegiado, entre as quais a Presidente da República, terem conversas particulares divulgadas de maneira ilegal, segundo a AGU.

Finalmente a Advocacia da União teve relativo sucesso. Não conseguiram reverter a anulação da posse do ex-Presidente mas, pelo menos, conseguiram fazer que se determinasse o envio imediato das investigações ao STF para apreciação do teor e do mérito pelo Supremo, paralisando assim temporariamente as investigações em torno de Lula na primeira instância.

Enquanto a cúpula do governo comemora esta vitória, a AGU vê com certa reserva seu alcance, considerando se a emenda não poderia ser pior do que o soneto. Acontece que o Juiz Sérgio Moro, tolhido em sua competência pela primeira instância, declarou publicamente que nunca houve intenção de investigar nada do que tenha sido dito pelas pessoas com foro especial. Mas a ação da Advocacia acabou por levar as investigações para o foro que tem prerrogativa para investigar as pessoas envolvidas se quiser. Autoridades que a princípio não seriam alvo da investigação.

O governo festeja efusivamente este feito. Ou eles não tem a mínima noção da enrascada que podem ter se metido, ou eles tem total confiança no julgamento do Ministro Teori Zavascki, e a certeza de que ele não levará adiante nenhuma investigação sobre as conversas telefônicas que as autoridades mantiveram com o ex-Presidente.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Economia - O Conto do Vigário

Ninguém sabe ao certo como começou nem a origem do nome. Mas quase todo mundo sabe como funciona o Conto do Vigário. Alguém aparece com a promessa de lucro mirabolante. E tudo o que se tem de fazer é um pequeno investimento para levar uma grande vantagem. O folclore popular conta a história de um vigarista que, há muito tempo, convenceu uma rica família carioca de que seria procurador dos herdeiros do francês que projetou o Cristo Redentor. E vendeu o para os ricaços, prometendo que eles passariam a ter os direitos sobre a visitação da estátua.

Economia - O Fundo do Poço

No final de 2015, até meados de 2016, muitos torciam para chegarmos logo ao fundo do poço, na esperança de que, não tendo mais para onde descer, começássemos a subir. Os mais pessimistas avisavam que seria bom não encontrarmos um lamaçal que nos prendesse no fundo por muito tempo.

Opinião - Cleptomania Não É Crime

Comecemos pelo óbvio. Embora a cleptomania não seja um crime, pode levar as pessoas a cometer um crime tipificado no código penal. Dependerá de um juiz aceitar ou não a alegação do distúrbio como atenuante, mas o fato é que, uma vez que a pessoa roube, ela cometeu um crime. Então vamos repetir para não perder o fio da meada: cleptomania não é crime, mas o ato de roubar mesmo quando provocado pela compulsão é.