Pular para o conteúdo principal

Choose Your Language - by Google

Justiça - Delações e Ilações

Delcídio
A enxurrada de notícias que nos são submetidas a cada dia, sem que tenhamos tempo para analisar friamente suas implicações, causam que não percebemos a tênue intersecção dos fatos.

Há exatamente 1 ano, precisamente no dia 6 de março de 2015, opositores ao petismo e simpatizantes ao PSDB festejavam decisão do Supremo Tribunal Federal que, a pedido da Procuradoria Geral da República, arquivava o processo de investigação contra Aécio Neves aberto a partir de delações na Lava-Jato.

Agora estes mesmo opositores ao petismo festejam a delação feita pelo Delcídio do Amaral à Lava-Jato e já se antecipam aos acontecimentos prevendo grandes complicações jurídicas para o governo, especialmente na questão do impeachment da Presidente Dilma Rousseff.

Aparentemente não percebem a contradição de suas reações.

Embora o arquivamento do processo seja usado para dizer que o STF inocentou ao Senador Aécio, é bom se compreenda que, segundo o princípio da presunção de inocência previsto na Constituição Federal, ele nunca foi culpado de nada porque nunca foi provado nada contra ele. O que havia eram delações onde o nome dele foi citado. O STF apenas ratificou um princípio constitucional. Todos nós somos inocentes, até que se provem as acusações, quaisquer que sejam. E delações não servem como prova de nada.

E, se delações não servem para nada, não há o que se festejar pela delação do Senador Delcídio. Não adianta ele falar, se não puderem provar o que ele disse. Assim como não adiantou quando alguém citou o Aécio numa delação.

A instauração de um processo tem por definição a finalidade de apurar a verdade a fim de se confirmar a inocência dos indiciados ou até de coletar provas que lhes atribua a culpa. E se o Ministério Público e a Justiça podem simplesmente resolver não instaurar um processo, isso equivale a dizer que a verdade não será apurada. Prevalece assim a presunção primeira que é a de inocência.

Presumir que o conteúdo das delações é verdadeiro, significa antecipar-se ao inquérito e a apuração do processo que, agora sabemos, pode ser ou não instaurado, dependendo da vontade das autoridades competentes. E isso vale tanto para o Senador Aécio Neves quanto para qualquer um que tenha sido citado na delação do Senador Delcídio do Amaral.

Pau que inocenta Chico, também pode inocentar Francisco.

Leia Também:

Os arquivamentos dos processos contra Aécio Neves e outros acusados em março do ano passado, entre os quais o próprio Delcídio do Amaral (Sim, havia um processo contra o Delcídio baseado nas delações e sim, ele também foi arquivado por ordem do Ministro Zavascki, no mesmo dia) abre um precedente no mínimo inusitado na justiça brasileira ao tempo que consolida uma certeza absoluta.

O de que a justiça pode simplesmente decidir que não há bases para se instaurar um processo de investigação mediante denúncias e que a delação não serve para nada, se não houver uma investigação. A delação não serve nem mesmo para a instauração de um processo.

O arquivamento de processos sem que sejam devidamente levados às últimas consequências, com a apuração de todas as implicações de cada caso, pode significar que todo o arcabouço em que está fundamentada a operação Lava-Jato está ameaçado.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Economia - O Fundo do Poço

No final de 2015, até meados de 2016, muitos torciam para chegarmos logo ao fundo do poço, na esperança de que, não tendo mais para onde descer, começássemos a subir. Os mais pessimistas avisavam que seria bom não encontrarmos um lamaçal que nos prendesse no fundo por muito tempo.

Justiça - Ineditismos

Mais uma vez o Judiciário se vê envolvido em polêmicas, sendo acusado de interferir no funcionamento do poder Legislativo. Uma acusação grave, que coloca em questão o princípio básico da autonomia dos poderes constituídos.

Opinião - Cleptomania Não É Crime

Comecemos pelo óbvio. Embora a cleptomania não seja um crime, pode levar as pessoas a cometer um crime tipificado no código penal. Dependerá de um juiz aceitar ou não a alegação do distúrbio como atenuante, mas o fato é que, uma vez que a pessoa roube, ela cometeu um crime. Então vamos repetir para não perder o fio da meada: cleptomania não é crime, mas o ato de roubar mesmo quando provocado pela compulsão é.