Pular para o conteúdo principal

Choose Your Language - by Google

Justiça - Delações e Ilações

Delcídio
A enxurrada de notícias que nos são submetidas a cada dia, sem que tenhamos tempo para analisar friamente suas implicações, causam que não percebemos a tênue intersecção dos fatos.

Há exatamente 1 ano, precisamente no dia 6 de março de 2015, opositores ao petismo e simpatizantes ao PSDB festejavam decisão do Supremo Tribunal Federal que, a pedido da Procuradoria Geral da República, arquivava o processo de investigação contra Aécio Neves aberto a partir de delações na Lava-Jato.

Agora estes mesmo opositores ao petismo festejam a delação feita pelo Delcídio do Amaral à Lava-Jato e já se antecipam aos acontecimentos prevendo grandes complicações jurídicas para o governo, especialmente na questão do impeachment da Presidente Dilma Rousseff.

Aparentemente não percebem a contradição de suas reações.

Embora o arquivamento do processo seja usado para dizer que o STF inocentou ao Senador Aécio, é bom se compreenda que, segundo o princípio da presunção de inocência previsto na Constituição Federal, ele nunca foi culpado de nada porque nunca foi provado nada contra ele. O que havia eram delações onde o nome dele foi citado. O STF apenas ratificou um princípio constitucional. Todos nós somos inocentes, até que se provem as acusações, quaisquer que sejam. E delações não servem como prova de nada.

E, se delações não servem para nada, não há o que se festejar pela delação do Senador Delcídio. Não adianta ele falar, se não puderem provar o que ele disse. Assim como não adiantou quando alguém citou o Aécio numa delação.

A instauração de um processo tem por definição a finalidade de apurar a verdade a fim de se confirmar a inocência dos indiciados ou até de coletar provas que lhes atribua a culpa. E se o Ministério Público e a Justiça podem simplesmente resolver não instaurar um processo, isso equivale a dizer que a verdade não será apurada. Prevalece assim a presunção primeira que é a de inocência.

Presumir que o conteúdo das delações é verdadeiro, significa antecipar-se ao inquérito e a apuração do processo que, agora sabemos, pode ser ou não instaurado, dependendo da vontade das autoridades competentes. E isso vale tanto para o Senador Aécio Neves quanto para qualquer um que tenha sido citado na delação do Senador Delcídio do Amaral.

Pau que inocenta Chico, também pode inocentar Francisco.

Leia Também:

Os arquivamentos dos processos contra Aécio Neves e outros acusados em março do ano passado, entre os quais o próprio Delcídio do Amaral (Sim, havia um processo contra o Delcídio baseado nas delações e sim, ele também foi arquivado por ordem do Ministro Zavascki, no mesmo dia) abre um precedente no mínimo inusitado na justiça brasileira ao tempo que consolida uma certeza absoluta.

O de que a justiça pode simplesmente decidir que não há bases para se instaurar um processo de investigação mediante denúncias e que a delação não serve para nada, se não houver uma investigação. A delação não serve nem mesmo para a instauração de um processo.

O arquivamento de processos sem que sejam devidamente levados às últimas consequências, com a apuração de todas as implicações de cada caso, pode significar que todo o arcabouço em que está fundamentada a operação Lava-Jato está ameaçado.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Economia - O Conto do Vigário

Ninguém sabe ao certo como começou nem a origem do nome. Mas quase todo mundo sabe como funciona o Conto do Vigário. Alguém aparece com a promessa de lucro mirabolante. E tudo o que se tem de fazer é um pequeno investimento para levar uma grande vantagem. O folclore popular conta a história de um vigarista que, há muito tempo, convenceu uma rica família carioca de que seria procurador dos herdeiros do francês que projetou o Cristo Redentor. E vendeu o para os ricaços, prometendo que eles passariam a ter os direitos sobre a visitação da estátua.

Jornalismo - O "X" do Triplex

"- Fala companheiro, Tudo tranquilo?
- Você falou de um esquema...
- Ah, tá. É o seguinte... Sabe a Cooperativa? Então. Eu vou mandar construir um prédio inteiro só pra gente... Isso... pra diretoria... Em Guarujá. Você vai ficar com a cobertura, claro."
...
"É... Ninguém precisa pagar nada. Vou cobrar cota extra dos bancários. Eu dou os papéis de 'cotas' pra vocês, assino uns recibos e, para todos os efeitos, vocês são cooperados. Mas tem que declarar, senão vai sujar... Vou passar as mais baratas, só para constar. Não tem erro."

Economia - O Brasil e a Construção Naval

Em setembro de 1997 o BNDS expediu um relatório que pretendia expor as razões da derrocada da atividade de Construção Naval no país que fez com que caíssemos da 2ª posição no ranking mundial, e 1ª na América Latina, deixando mesmo de figurar entre os 20 países melhor colocados. O conhecimento de tal relatório é de importância fundamental para os que querem entender em que pé nos encontramos agora que retornamos ao cenário mundial e levantamentos indicam que ocupamos a 6ª posição no ranking. 
Porque, apesar de ter sido elaborado há quase 20 anos, o relatório traz informações aplicáveis a atual conjuntura. Entre outras coisas ressalta-se a certeza de que não aprendemos nada com os erros do passado. Continuamos a apostar no protecionismo  e no comprometimento do Estado em prol da incapacidade administrativa dos donos de Estaleiros e Armadores nacionais. Com resultados bastante previsíveis.