Pular para o conteúdo principal

Choose Your Language - by Google

Jornalismo - É a Crise "né?"

capa_da_veja_thumb
A crise econômica parece ter atingido até mesmo a grande Globo News. Em virtude disso o canal resolveu reduzir despesas da única maneira que os modernos empresários sabem. Demitindo empregados. O problema deste tipo de programa de contenção de despesas é que o principal critério de escolha aponta diretamente para os profissionais mais caros às empresas. E em geral os mais bem remunerados são os melhores profissionais, os mais preparados, os que investiram na formação pessoal e que levam a sério os detalhes de uma boa apresentação.

Mas o pior que pode acontecer aos telespectadores ainda não é ter de aturar um âncora que não consegue dizer uma frase completa sem pontuá-la com um "né" a cada dez segundos, no principal informativo diário do canal por assinatura.

Ganhou repercussão a recente troca na direção de uma revista semanal brasileira, reconhecida por manter a linha editorial de críticas ao governo. No lugar do antigo editor foi colocado outro mais alinhado com o perfil ideológico supostamente defendido pelo partido político no poder. Muitos comentaristas atribuíram esta troca de comando intempestiva ao fato da revista depender dos anúncios feito por empresas estatais. A revista teria supostamente sucumbido a imposição da pauta jornalística pela única entidade que tem dinheiro e boas motivações para investir na propaganda institucional das empresas em tempos de crise econômica. A capa de uma das edições da revista dedicada aos interesses adolescentes num dos momentos mais conturbados da política e da economia nacionais seria usada como justificativa para esta análise negativa.

Leia Também:

Existe o temor de que a maioria das empresas seja refém da política agressiva perpetrada ao longo dos últimos treze anos pelo governo, que consiste basicamente em concentrar a riqueza do país para decidir onde deve ser investida, elegendo campeões econômicos nem sempre orientados aos interesses da nação. Esta política tem se mostrado danosa ao empreendedorismo característico dos brasileiros pelas apostas erradas que foram invariavelmente voltadas a uma ideologia obtusa. Este cenário é particularmente preocupante quando há indícios de ter atingido em cheio a imprensa.

Empresários do ramo jornalístico poderiam estar dispostos a defender a sobrevivência financeiras de suas empresas acima de tudo, cedendo aos interesses do governo em troca da distribuição do orçamento bilionário destinado á propaganda institucional que caracteriza os governos populistas, com o consequente comprometimento na imparcialidade que deveria pontuar o jornalismo independente, contaminando o conteúdo da informação passada ao público consumidor.

Um telespectador incomodado com os irritantes vícios de linguagem de um apresentador de telejornal pode mudar de canal. Pode ainda cancelar a assinatura de uma revista na medida em que nota a mudança da linha editorial para a publicação de receitas banais voltadas ao comportamento dos adolescentes que não interessam ao público consumidor de notícias políticas e econômicas.

O problema será constatar não haver diferenças entre os apresentadores remanescentes nos telejornais nem nas notícias massificadas pelo controle econômico, quando o governo tem virtualmente o poder de impor sua pauta de interesses à imprensa nacional. E não se poderá mais mudar quando tudo estiver igual.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Economia - O Conto do Vigário

Ninguém sabe ao certo como começou nem a origem do nome. Mas quase todo mundo sabe como funciona o Conto do Vigário. Alguém aparece com a promessa de lucro mirabolante. E tudo o que se tem de fazer é um pequeno investimento para levar uma grande vantagem. O folclore popular conta a história de um vigarista que, há muito tempo, convenceu uma rica família carioca de que seria procurador dos herdeiros do francês que projetou o Cristo Redentor. E vendeu o para os ricaços, prometendo que eles passariam a ter os direitos sobre a visitação da estátua.

Jornalismo - O "X" do Triplex

"- Fala companheiro, Tudo tranquilo?
- Você falou de um esquema...
- Ah, tá. É o seguinte... Sabe a Cooperativa? Então. Eu vou mandar construir um prédio inteiro só pra gente... Isso... pra diretoria... Em Guarujá. Você vai ficar com a cobertura, claro."
...
"É... Ninguém precisa pagar nada. Vou cobrar cota extra dos bancários. Eu dou os papéis de 'cotas' pra vocês, assino uns recibos e, para todos os efeitos, vocês são cooperados. Mas tem que declarar, senão vai sujar... Vou passar as mais baratas, só para constar. Não tem erro."

Economia - O Brasil e a Construção Naval

Em setembro de 1997 o BNDS expediu um relatório que pretendia expor as razões da derrocada da atividade de Construção Naval no país que fez com que caíssemos da 2ª posição no ranking mundial, e 1ª na América Latina, deixando mesmo de figurar entre os 20 países melhor colocados. O conhecimento de tal relatório é de importância fundamental para os que querem entender em que pé nos encontramos agora que retornamos ao cenário mundial e levantamentos indicam que ocupamos a 6ª posição no ranking. 
Porque, apesar de ter sido elaborado há quase 20 anos, o relatório traz informações aplicáveis a atual conjuntura. Entre outras coisas ressalta-se a certeza de que não aprendemos nada com os erros do passado. Continuamos a apostar no protecionismo  e no comprometimento do Estado em prol da incapacidade administrativa dos donos de Estaleiros e Armadores nacionais. Com resultados bastante previsíveis.