Pular para o conteúdo principal

Choose Your Language - by Google

Economia - FHC e o Plano Real

Fernando-Henrique-Cardoso
Quem me acompanha há algum tempo sabe que eu falo de Fernando Henrique e do Plano Real com certa satisfação e um sentido íntimo de gratidão.  
Fui vítima direta de dois dos planos anteriores. Fiquei muito tempo desempregado no primeiro e uma pequena empresa que eu tocava com meus parentes faliu junto com o plano na segunda vez.
O fato é que, eu recebi o Plano Real com muita desconfiança. Passei a prestar uma maior atenção ao mecanismo do plano, para tentar ver como ele funcionava e principalmente para evitar cair junto quando ele fracassasse, como me acontecera antes. Aí eu pude entender a genialidade por trás do Plano. Desde a dolarização disfarçada até a insatisfação de quem não estava contente por perder dinheiro com o câmbio. Eu assisti a tudo.
Os críticos tem razão quando dizem que o Plano não foi bolado pelo Fernando Henrique.
Ele soube se cercar de uma equipe competente, como deve fazer um bom Ministro da Fazenda, coisa que os atuais Ministros não entendem. Parecem morrer de medo de levar uma rasteira, como a que o atual Ministro Fazenda tentou dar no Mantega há alguns anos. O Fernando Henrique não tinha este problema. Não precisava competir com os economistas. Ele era só um bom político. Coisa que também faz falta ao atual governo.
Fernando Henrique foi quem bancou politicamente o Plano junto ao Congresso. O Itamar não tinha esta expressividade nem o trânsito do FHC junto aos seus pares. O cacife político de FHC foi definitivo para que ele tivesse algo fundamental para que qualquer plano econômico funcione: CREDIBILIDADE. Esta mesma credibilidade que faltou ao Levy agora. Não adianta ser um grande economista se não for político. E isso o FHC é.
Politicamente ele só não convenceu ao PT.
Mas ao PT ninguém nunca convenceu de nada politicamente.

Leia Também:

Aos poucos, na medida em que a URV funcionava e o plano avançava fui me convencendo, eu e a maioria dos brasileiros, que este plano era diferente. Isso aumentou ainda mais a credibilidade e FHC se sentiu confortável para avançar. Eu disse a maioria dos brasileiros. Mas não todos. Haviam os empresários.
Muitos empresários tinham deixado de ganhar dinheiro fácil. Agora, para ganhar dinheiro teriam de produzir, e muitos não estavam preparados para isso. Foi precisamente a esse grupo de insatisfeitos que o PT se juntou e está junto até hoje. Juntou-se para traçar estratégias que enfraquecessem o Plano. Procuraram seus pontos fracos. Nenhum plano é infalível. Não que tivessem uma opinião abalizada que desabonasse o plano econômico. O motivo era outro.

Fernando Henrique não herdou de seus antecessores reservas cambiais suficientes que pudesse usar contra ataques especulativos. Pelo contrário. Tudo o que ele tinha era praticamente o controle das taxas de juros. Aí os ataques vieram, com força. Para construir reservas ele teve de abrir o Brasil para o capital estrangeiro, antes do previsto, intempestivamente, mas foi obrigado. O Plano estava sob ataque. O PT tentava barrar no Congresso tudo o que o Presidente propunha. O PT só pensava nas eleições. Dane-se o Brasil.

A abertura do mercado enfureceu ainda mais os que ganhavam dinheiro nas apostas da ciranda financeira. Se agora eles tinham de trabalhar para ganhar dinheiro, teriam de trabalhar dobrado, para competir com os estrangeiros, melhor capacitados e mais acostumados a investir seriamente com vistas no futuro.
As privatizações, que hoje são usadas como se fossem o ponto fraco do governo FHC se precipitaram, devo admitir. Foram medidas desesperadas de quem precisava fazer caixa. Os empresários não queriam trabalhar. Sentiam falta dos subsídios. Os lobistas estavam loucos.
Os solavancos a que o Plano Real esteve exposto, foram muitos e foram fortes, se devem a esta conjunção de fatores. Havia um Partido anti-governista que faria qualquer coisa pelo poder, aliado ao que há de pior no empresariado brasileiro e mais a falta de um esteio em reservas que defendesse o Plano de seus ataques.
Fernando Henrique se saiu bem, apesar dos pesares. Até quando Lula inconsequentemente ameaçou dar um calote no mundo quando ganhasse as eleições, fazendo os investidores fugir levando os dólares consigo, o Fernando Henrique soube segurar as pontas. Pediu dinheiro emprestado, se sujeitou às regras do FMI, fez o que podia.
Lula recebeu sim, o Plano bem encaminhado, dentro da medida do possível, em face a conjuntura. Bastaria ele vir a público negar as bravatas eleitoreiras e o resto se encaixaria. O capital estrangeiro voltaria e a economia se estabilizaria, como se estabilizou.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Economia - O Conto do Vigário

Ninguém sabe ao certo como começou nem a origem do nome. Mas quase todo mundo sabe como funciona o Conto do Vigário. Alguém aparece com a promessa de lucro mirabolante. E tudo o que se tem de fazer é um pequeno investimento para levar uma grande vantagem. O folclore popular conta a história de um vigarista que, há muito tempo, convenceu uma rica família carioca de que seria procurador dos herdeiros do francês que projetou o Cristo Redentor. E vendeu o para os ricaços, prometendo que eles passariam a ter os direitos sobre a visitação da estátua.

Jornalismo - O "X" do Triplex

"- Fala companheiro, Tudo tranquilo?
- Você falou de um esquema...
- Ah, tá. É o seguinte... Sabe a Cooperativa? Então. Eu vou mandar construir um prédio inteiro só pra gente... Isso... pra diretoria... Em Guarujá. Você vai ficar com a cobertura, claro."
...
"É... Ninguém precisa pagar nada. Vou cobrar cota extra dos bancários. Eu dou os papéis de 'cotas' pra vocês, assino uns recibos e, para todos os efeitos, vocês são cooperados. Mas tem que declarar, senão vai sujar... Vou passar as mais baratas, só para constar. Não tem erro."

Economia - O Brasil e a Construção Naval

Em setembro de 1997 o BNDS expediu um relatório que pretendia expor as razões da derrocada da atividade de Construção Naval no país que fez com que caíssemos da 2ª posição no ranking mundial, e 1ª na América Latina, deixando mesmo de figurar entre os 20 países melhor colocados. O conhecimento de tal relatório é de importância fundamental para os que querem entender em que pé nos encontramos agora que retornamos ao cenário mundial e levantamentos indicam que ocupamos a 6ª posição no ranking. 
Porque, apesar de ter sido elaborado há quase 20 anos, o relatório traz informações aplicáveis a atual conjuntura. Entre outras coisas ressalta-se a certeza de que não aprendemos nada com os erros do passado. Continuamos a apostar no protecionismo  e no comprometimento do Estado em prol da incapacidade administrativa dos donos de Estaleiros e Armadores nacionais. Com resultados bastante previsíveis.