Pular para o conteúdo principal

Choose Your Language - by Google

Educação - Eu, Professora

Por Valéria Moura

Eu, Professora

No Colégio Estadual Júlia Kubtschek
Tudo começou em 1980.
Eu era adolescente, e logo conheci prós e contras que a carreira apresenta...
Fazia estágio do curso Normal em uma carente e problemática escola estadual...
Fui me apaixonando e me desesperando.
A alegria de ajudar na alfabetização, ia se contrapondo com as inúmeras dificuldades que necessitavam mais do que eu poderia dar de verdade...
Faltava minha competência técnica e dos governantes,o compromisso político.
Eu não resolveria o problema apenas com meu pouco conhecimento e coração amigo...

Assim, logo senti a necessidade de aperfeiçoamento e ingressei direto na faculdade.
Pedagogia foi meu curso escolhido e lá fiquei sabendo que o mesmo tinha fama de " pega marido".
Já era um prenúncio de como os governantes encaravam a profissão.
Mas fui em frente e não desisti não.
Entrei para o magistério estadual e municipal lá da Baixada e foi aí que quase fiquei desesperada.
Chovia dentro da sala de aula...
Crianças famintas, querendo mais que a tabuada.
Eu ainda tinha que conciliar trabalho com faculdade e precisei morar longe da família e morria de saudade. Não havia telefone,nem internet.
Ficava sem notícias e eram constantes minhas preces.

Aprendi a conciliar os conhecimentos com a realidade que eu ia vivendo.
E fui batalhando e me envolvendo e chorei emocionada ao ver os alunos lendo.
E fui compreendendo o tal descaso governamental ...
Professor é gente, é bacana e batalha por um mundo mais igual.
Mas não paga as contas o tal nobre sentimento e até hoje não considero justo o meu pagamento.
E nesta estrada tão longa percorrida ainda vi gente sofrida.
Vi criança que sofreu maus tratos, sem concentração pra nenhum aprendizado.
Vi criança sonhando com lápis de cor e muitas mesmo sofrendo com a falta de amor...

Resolvi me aperfeiçoar no mundo das letras, era tenra ainda na idade e com muita coragem concluí a segunda faculdade.
E mudei de segmento,acreditando em uma nova experiência enriquecedora.
Orgulho-me sempre de ser chamada de PROFESSORA!
As dificuldades sempre foram desafiadoras e nunca entreguei os pontos ,encarava-as como enriquecedoras.
Até atuei em escola especial e pude conviver e refletir sobre o que realmente é ser ""normal"...
Uma grande emoção foi trabalhar com formação de professores!
Aquela convivência trouxe à tona sentimentos muito inspiradores.
E lá trabalhei em projeto de âmbito nacional, capacitando auxiliares de creche, fortalecendo o empenho profissional.
Eu os vi, resgatando a autoestima. FOI SENSACIONAL!!!
Muitos alunos me viram como inspiração e fico feliz ao constatar que seguem confiantes na profissão.

Mas minha grande tristeza não posso deixar de aqui registrar.
Foi quando vi os rostos de alunos estampados em jornal popular...
Foram assassinados brutalmente ...
Sei que não eram inocentes...
Dói aqui no peito só de lembrar que a escola não conseguiu resgatá-los e isso me faz até hoje chorar...
Trabalhei em escola bem próxima à comunidade carente e violenta.
Já me escondi embaixo da mesa,com medo da bala que se desorienta.

Tive que me adaptar á tecnologia pois sou do tempo em que nem telefone a escola tinha.
E fui ensinando e aprendendo, dando força e também recebendo.
Em momentos muito tristes de minha vida foram os alunos, às vezes sem perceber, que me orientaram na saída.

Hoje estou aposentada e com a consciência tranquila de uma profissional realizada.
Trabalhei com gente e ajudei a construir uma melhor sociedade.
Nos olhinhos brilhantes dos alunos, EU VI A ETERNIDADE!!!
Que os amigos da ativa, possam ter muita força para os desafios vindouros.
Todas as profissões nascem da nossa, por isso VALEMOS OURO!!!!!!!!!!

Professora Valéria Moura

------------------------------------------------------------------------------------------------------
Este texto é uma contribuição da Professora Valéria Moura e está desde já sob Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada.
Originalmente publicado na linha do tempo de seu perfil no Facebook em 15 de outubro de 2015, Dia dos Professores, sendo reproduzido integralmente aqui com a devida autorização da autora. 

Fica aqui o registro de nosso agradecimento pela generosa contribuição.

Comentários

Postar um comentário

Seja bem vindo! Deixe um comentário e nós responderemos assim que possível.

Postagens mais visitadas deste blog

Economia - O Conto do Vigário

Ninguém sabe ao certo como começou nem a origem do nome. Mas quase todo mundo sabe como funciona o Conto do Vigário. Alguém aparece com a promessa de lucro mirabolante. E tudo o que se tem de fazer é um pequeno investimento para levar uma grande vantagem. O folclore popular conta a história de um vigarista que, há muito tempo, convenceu uma rica família carioca de que seria procurador dos herdeiros do francês que projetou o Cristo Redentor. E vendeu o para os ricaços, prometendo que eles passariam a ter os direitos sobre a visitação da estátua.

Jornalismo - O "X" do Triplex

"- Fala companheiro, Tudo tranquilo?
- Você falou de um esquema...
- Ah, tá. É o seguinte... Sabe a Cooperativa? Então. Eu vou mandar construir um prédio inteiro só pra gente... Isso... pra diretoria... Em Guarujá. Você vai ficar com a cobertura, claro."
...
"É... Ninguém precisa pagar nada. Vou cobrar cota extra dos bancários. Eu dou os papéis de 'cotas' pra vocês, assino uns recibos e, para todos os efeitos, vocês são cooperados. Mas tem que declarar, senão vai sujar... Vou passar as mais baratas, só para constar. Não tem erro."

Economia - O Brasil e a Construção Naval

Em setembro de 1997 o BNDS expediu um relatório que pretendia expor as razões da derrocada da atividade de Construção Naval no país que fez com que caíssemos da 2ª posição no ranking mundial, e 1ª na América Latina, deixando mesmo de figurar entre os 20 países melhor colocados. O conhecimento de tal relatório é de importância fundamental para os que querem entender em que pé nos encontramos agora que retornamos ao cenário mundial e levantamentos indicam que ocupamos a 6ª posição no ranking. 
Porque, apesar de ter sido elaborado há quase 20 anos, o relatório traz informações aplicáveis a atual conjuntura. Entre outras coisas ressalta-se a certeza de que não aprendemos nada com os erros do passado. Continuamos a apostar no protecionismo  e no comprometimento do Estado em prol da incapacidade administrativa dos donos de Estaleiros e Armadores nacionais. Com resultados bastante previsíveis.