Pular para o conteúdo principal

Choose Your Language - by Google

Economia - Estaleiro Mauá, o Fim

“En las Crisis es donde están las grandes oportunidades” Germán Efromovich

Logotipo Estaleiro Maua
Errei meu último prognóstico. Acreditava que o Estaleiro Mauá ainda pudesse ter uma chance de continuar. Que a chantagem sobre o governo quanto ao número crescente de desempregados no estado do Rio de Janeiro e no país ainda fosse prevalecer. Mas a avalanche provocada pela ação coletiva levada adiante pelo Ministério Público do Trabalho, com o apoio do Sindicato dos Metalúrgicos de Niterói (outra surpresa para mim), tornou insustentável a manutenção do estaleiro. Ao fim, aconteceu o que o dono queria.
Indústria naval no Brasil só é um bom negócio quando a Petrobrás está bem e não tem ninguém inspecionando seus gastos. Fora isso, é um péssimo negócio. É ruim construir navios sabendo que, nem de longe, os navios construídos podem competir com aqueles feitos em países que levaram a sério o mercado da construção naval.

Eu sei o que estou falando. Trabalhei no controle de qualidade do mais tradicional dos estaleiros navais do Brasil.

O Estaleiro Mauá funcionava precariamente. Ferramentas velhas, em péssimo estado de conservação, engatilhadas pelos profissionais para que pudessem cumprir as metas irreais impostas pela administração. Esses sim, os profissionais das ferramentas, o povo do chão de fábrica, merecem todo o respeito pelo que foram capazes de realizar ao longo destes anos apesar de todas as adversidades e dos riscos que corriam em virtude das más condições apresentadas, que concorriam para aumentar em muito a insalubridade e a periculosidade inerentes da profissão. Após inspeção do Ministério do Trabalho há dois anos, o estaleiro foi liberado para funcionar mas a capacidade dos principais guindastes foi rebaixada por questões de segurança, alguns chegando á margem máxima de 30% da capacidade nominal. Mas em vez de comprar cabos de aço, o estaleiro optou por medidas cosméticas, como a pintura das estruturas enferrujadas.

Leia também:

O plano de reestruturação do estaleiro apresentado ao governo durante as licitações, que incluía a edificação de um moderno prédio para a administração no pátio inferior onde os diretores estacionavam seus carros, a modernização da cozinha e dos refeitórios, bem como a construção de vestiários mais confortáveis para os colaboradores nunca saiu do papel. Ou melhor, nunca saiu da lentidão dos computadores obsoletos com os quais o corpo técnico tinha de lidar diariamente. Muitas vezes imprimir um simples desenho estrutural ou consultar o manual de um equipamento eram tarefas encaradas como tortura por quem queria agilizar os trabalhos.

O fracasso administrativo do Mauá é bem explicado em uma entrevista onde o maior acionista do grupo, Germán Efromovich, dizia que alguém especializado em um determinado negócio, se for bom de fato, é um potencial concorrente (leia aqui). Então entendemos porque os últimos presidentes do estaleiro eram oriundos de áreas totalmente alheias a construção naval. Por melhor que seja o dirigente de uma fábrica de bicicletas ou de pneus, fazer navios exige um conhecimento específico que não se aprende nas faculdades de administração. Existem questões organizacionais complexas que estão além do alcance dos administradores comuns. É preciso ter crescido profissionalmente no ambiente naval para compreendê-las. Foi uma temeridade colocar na presidência alguém que não sabe diferenciar bombordo e boreste ou a proa da popa. Um gerente operacional que chama a quilha de "barriga do navio", no rádio, desestimula o técnico que sabe o que está fazendo dentro do estaleiro. Isso acirra os ânimos na medida em que, aquele que não conhece mas tem o poder de mando, vê no profissional qualificado uma ameaça, em vez de um aliado.

Somados todos estes problemas chegamos ao ponto que todos temiam, menos os especuladores travestidos de empresários que se apossaram da construção naval. Esses já sabiam do desfecho final desta história há muito tempo e, se insistiam ainda em manter aberto o estaleiro, era por pensar que sempre se pode sangrar aos cofres públicos mais um pouco.

Na última sexta-feira, dia 14 de agosto, foi acatada pelo Excelentíssimo Juiz, Doutor Paulo de Tarso Machado Brandão, Titular da 3ª Vara do Trabalho de Niterói, a solicitação do estaleiro para que fosse autorizada a demissão dos cerca de 2.000 trabalhadores remanescentes. Assim de maneira melancólica e trágica para as famílias que dependiam deste empreendimento, encerra-se definitivamente a recente história do Estaleiro Mauá tendo o Grupo Sinergy, de Germán Efromovich, à frente dos negócios.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Economia - O Conto do Vigário

Ninguém sabe ao certo como começou nem a origem do nome. Mas quase todo mundo sabe como funciona o Conto do Vigário. Alguém aparece com a promessa de lucro mirabolante. E tudo o que se tem de fazer é um pequeno investimento para levar uma grande vantagem. O folclore popular conta a história de um vigarista que, há muito tempo, convenceu uma rica família carioca de que seria procurador dos herdeiros do francês que projetou o Cristo Redentor. E vendeu o para os ricaços, prometendo que eles passariam a ter os direitos sobre a visitação da estátua.

Economia - O Fundo do Poço

No final de 2015, até meados de 2016, muitos torciam para chegarmos logo ao fundo do poço, na esperança de que, não tendo mais para onde descer, começássemos a subir. Os mais pessimistas avisavam que seria bom não encontrarmos um lamaçal que nos prendesse no fundo por muito tempo.

Opinião - Cleptomania Não É Crime

Comecemos pelo óbvio. Embora a cleptomania não seja um crime, pode levar as pessoas a cometer um crime tipificado no código penal. Dependerá de um juiz aceitar ou não a alegação do distúrbio como atenuante, mas o fato é que, uma vez que a pessoa roube, ela cometeu um crime. Então vamos repetir para não perder o fio da meada: cleptomania não é crime, mas o ato de roubar mesmo quando provocado pela compulsão é.