Pular para o conteúdo principal

Choose Your Language - by Google

Economia - Estaleiro Mauá, Ainda Não é o Fim

Crise do setor naval é mais caótica do que possa parecer


logotipo Mauá fechado
Como você se sentiria se pudesse abrir uma empresa onde não fosse obrigado a investir em novas tecnologias? Onde não fosse preciso buscar a diversificação ou novas metodologias de trabalho, nem buscar o aperfeiçoamento da gestão empresarial, nem nada disso de que depende a sobrevivência das grandes empresas? Se você pudesse continuar a cometer os mesmos equívocos que no passado levaram empresas no mesmo ramo a fechar as portas e mesmo assim continuasse contar com crédito ilimitado no mercado, não importando o quão primários fossem os erros empresarias cometidos? E mesmo assim continuasse a ter prioridade em contratos milionários com a maior empresa estatal brasileira, sem o risco de ser incomodado pela concorrência de empresas estrangeiras? Provavelmente você julgaria ter alcançado o paraíso comercial.

Pois é exatamente assim que se sentem os donos de estaleiros navais. Não importa o que eles façam de suas empresas ou quantos erros administrativos eles cometam, o governo sempre estará disposto a garantir-lhes a sobrevivência em nome da manutenção dos empregos gerados pela indústria naval. Em última instância, é como se os empregados na construção naval fossem reféns de uma situação política, mera moeda de barganha nas mãos de especuladores, onde as concessões pode chegar a bilhões de reais.

Bilhões de reais! Eis aí uma boa razão para alguém abrir um negócio que sabe estar fadado à falência desde o começo. Sim porque, tendo uma única empresa consumidora, por maior que ela seja, é fato que em algum momento ela terá o suficiente, chegando ao ponto de não precisar mais encomendar seus produtos, como aconteceu no passado (clique aqui para saber quando e como). E aí nem todo o protecionismo do governo seria capaz de ajudá-lo. A não ser que você diversificasse, aperfeiçoasse a gestão, investisse em novas metodologias de trabalho e buscasse novas tecnologias, ajustando sua empresa para competir com o proeminente mercado externo. Todas estas obrigações as quais estão sujeitas as grandes empresas na luta pela sobrevivência, obrigações das quais você estaria fugindo ao escolher abrir um estaleiro no Brasil.

O Estaleiro Mauá fechou as portas (no dia 3 de julho) uma semana depois de ter demitido 1.400 funcionários (leia aqui). Mas não se preocupem. Ainda não é o fim. O estaleiro ainda tem de entregar a Transpetro três navios que estão inacabados. Navios estes que, por pior que sejam seu acabamento e sua qualidade, ainda fazem parte importante da estratégia da Petrobrás e do governo, para escoamento de uma super produção que ela jura que virá em breve.

A demissão em massa foi apenas um aviso ao governo, como a sinalizar que eles não estão brincando. O fechamento foi um blefe. Um blefe arriscado é verdade, mas nada demais para quem já ganhou muito e a rigor não tem nada a perder com o fechamento da empresa, até pelo contrário.

Imediatamente a máquina foi posta em movimento. Setores que se locupletam da proposta aventureira de reabertura dos estaleiros já se mobilizaram e eis que os sindicatos da classe se puseram a convencer aos empregados de que agem no melhor de seus interesses quando organizam uma passeata em direção à Petrobrás e Transpetro com uma rápida passagem em frente a Caixa Econômica. Mas por que marchar em direção às estatais em vez de cobrar diretamente aos patrões, os verdadeiros responsáveis pelo fechamento? O objetivo é claro: exibir seus trunfos, os trabalhadores, perante o governo. Simples chantagem.

 O governo vai ceder, o estaleiro vai reabrir, o dinheiro vai voltar a correr para os bolsos dos especuladores e a mídia tratará de convencer a opinião pública de que isso seja o melhor para o país.
E todos ficarão felizes até a próxima crise, que provavelmente ainda não será a última. Como já ficou demonstrado, a derradeira crise na construção naval será quando a Petrobrás e a Transpetro não tiver mais onde colocar navios e plataformas e suspender as encomendas definitivamente. Então fiquem tranquilos. Ainda não é o fim.

Comentários

  1. Belo texto. Realmente é isso que acontece. " vai ver que é assim mesmo. Vai ser assim pra sempre."

    ResponderExcluir
  2. Infelizmente meu caro.
    O empresariado brasileiro em geral parece não ter um compromisso com o futuro do país.
    "Vai ficando complicado e ao mesmo tempo diferente." Mas ainda não é o fim.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Seja bem vindo! Deixe um comentário e nós responderemos assim que possível.

Postagens mais visitadas deste blog

Economia - O Conto do Vigário

Ninguém sabe ao certo como começou nem a origem do nome. Mas quase todo mundo sabe como funciona o Conto do Vigário. Alguém aparece com a promessa de lucro mirabolante. E tudo o que se tem de fazer é um pequeno investimento para levar uma grande vantagem. O folclore popular conta a história de um vigarista que, há muito tempo, convenceu uma rica família carioca de que seria procurador dos herdeiros do francês que projetou o Cristo Redentor. E vendeu o para os ricaços, prometendo que eles passariam a ter os direitos sobre a visitação da estátua.

Economia - O Fundo do Poço

No final de 2015, até meados de 2016, muitos torciam para chegarmos logo ao fundo do poço, na esperança de que, não tendo mais para onde descer, começássemos a subir. Os mais pessimistas avisavam que seria bom não encontrarmos um lamaçal que nos prendesse no fundo por muito tempo.

Justiça - Ineditismos

Mais uma vez o Judiciário se vê envolvido em polêmicas, sendo acusado de interferir no funcionamento do poder Legislativo. Uma acusação grave, que coloca em questão o princípio básico da autonomia dos poderes constituídos.