Pular para o conteúdo principal

Choose Your Language - by Google

Esportes - O Futebol Ainda é um Esporte Bretão

No esporte bretão, ganha quem conseguir ser mais bretão


jogadoras de futebol disputam a bola
Depois da derrota do Brasil pelo Paraguay continuei na frente da TV para assistir a partida entre Inglaterra e Canadá pela Copa do Mundo de Futebol Feminino que está se desenrolando agora no Canadá. Torci pelas anfitriãs mas no final tive de admitir que o futebol continua a ser um esporte bretão. E não somente pela Inglaterra ter vencido o jogo pelo placar de 2 a 1. Mas pela disposição demonstrada pelas jogadoras dos dois times em divididas que as vezes beiravam a inconsequência. Vendo a quase truculência com que as mulheres em campo disputavam a posse da bola me fez lembrar dos tempos dos rachões nas ruas empoeiradas do meu bairro onde as velhas havahianas faziam as vezes de balizas para demarcar o gol.


Bretão é uma palavra que aos nossos ouvidos latinos parece traduzir força, obstinação, e  pode ser que muita gente se lembre de algum filme épico, com cenário na velha Inglaterra como "Coração Valente" estrelado por Mel Gibson ao ouvi-la. Para definir o futebol a palavra caiu em desuso na medida em que o rádio perdeu espaço para a televisão e os grandes locutores que contribuíram para a popularização do esporte com suas vívidas narrações dos lances saíram de cena. Locutores já falecidos como Jorge Curi, Waldir Amaral e Oduvaldo Cozzi quase que invariavelmente usavam a expressão "esporte bretão" nos comentários preliminares que antecediam aos jogos de futebol nas tardes de domingo.

O futebol prima por ser um esporte onde o contato físico faz parte do jogo e muitas vezes a intensidade do contato entre dois jogadores pode definir uma partida. Em virtude dessa necessidade de contato, antigamente era comum ver times formados por brutamontes na linha de defesa enquanto os mais leves e mais velozes eram postados à frente no ataque. Assistir ao jogo feminino me fez lembrar dos jogos narrados na velha vitrola e, entre um lance mais ríspido e outro, comecei a imaginar se não seria isso que transformou o futebol na paixão nacional. Aqueles jogadores relativamente franzinos com a missão de ultrapassar a barreira de armários enquanto domam com os pés a vontade rebelde de uma bola, tendo o goleiro, o guarda metas, como último obstáculo para por fim alcançarem o objetivo do jogo.

Seria quase como uma reedição do duelo entre Davi e Golias, onde a emoção da plateia está dividida entre torcer pelo triunfo do pequeno Davi e a expectativa de ver Golias aplicar-lhe uma bordoada numa jogada mal executada. Há uma certa magia em ver a bola lançada com os pés descrever a curva perfeita que ludibriará o defensor para cair obedientemente diante do atacante que ainda precisará uma vez mais dominá-la, mostrar-lhe quem manda, antes de encaminhá-la ao descanso das redes.

Foi quando o choque entre duas jogadoras que deixou a canadense se contorcendo no chão me trouxe de volta ao objetivo do artigo. O futebol é um esporte bretão e deve ser jogado como os bretões. Um jogo rude na maior parte do tempo, com lampejos de rara beleza que, até por serem raros, encantam ainda mais ao público. Espetáculo é o conjunto de tudo o que acontece em campo durante os 90 minutos de jogo.

Penso que foi aí que o Brasil perdeu o foco. Quando achou que espetáculo são só os lances sensacionais, aqueles que somente alguns excepcionalmente dotados, capazes de ver o jogo como quem assiste de fora a uma partida de xadrez, estão habilitados a repetir. Mesmo quando há um mágico desses em campo, coisa que no Brasil tem se tornado cada vez mais difícil acontecer, a prestidigitação que encanta a plateia só acontecerá quando os assistentes de palco cumprirem sua parte no show.

Uma seleção onde todo mundo quer roubar a cena dificilmente chegará a algum lugar. E nisso alguns dos jogadores que perderam a partida contra o Paraguay poderiam aprender assistindo aos jogos do futebol feminino. Observando o nível de entrega física e o comprometimento que as meninas dedicam a suas equipes, traduzida na vontade com que disputam cada jogada. Como os bretões jogavam antigamente.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Economia - O Conto do Vigário

Ninguém sabe ao certo como começou nem a origem do nome. Mas quase todo mundo sabe como funciona o Conto do Vigário. Alguém aparece com a promessa de lucro mirabolante. E tudo o que se tem de fazer é um pequeno investimento para levar uma grande vantagem. O folclore popular conta a história de um vigarista que, há muito tempo, convenceu uma rica família carioca de que seria procurador dos herdeiros do francês que projetou o Cristo Redentor. E vendeu o para os ricaços, prometendo que eles passariam a ter os direitos sobre a visitação da estátua.

Jornalismo - O "X" do Triplex

"- Fala companheiro, Tudo tranquilo?
- Você falou de um esquema...
- Ah, tá. É o seguinte... Sabe a Cooperativa? Então. Eu vou mandar construir um prédio inteiro só pra gente... Isso... pra diretoria... Em Guarujá. Você vai ficar com a cobertura, claro."
...
"É... Ninguém precisa pagar nada. Vou cobrar cota extra dos bancários. Eu dou os papéis de 'cotas' pra vocês, assino uns recibos e, para todos os efeitos, vocês são cooperados. Mas tem que declarar, senão vai sujar... Vou passar as mais baratas, só para constar. Não tem erro."

Economia - O Brasil e a Construção Naval

Em setembro de 1997 o BNDS expediu um relatório que pretendia expor as razões da derrocada da atividade de Construção Naval no país que fez com que caíssemos da 2ª posição no ranking mundial, e 1ª na América Latina, deixando mesmo de figurar entre os 20 países melhor colocados. O conhecimento de tal relatório é de importância fundamental para os que querem entender em que pé nos encontramos agora que retornamos ao cenário mundial e levantamentos indicam que ocupamos a 6ª posição no ranking. 
Porque, apesar de ter sido elaborado há quase 20 anos, o relatório traz informações aplicáveis a atual conjuntura. Entre outras coisas ressalta-se a certeza de que não aprendemos nada com os erros do passado. Continuamos a apostar no protecionismo  e no comprometimento do Estado em prol da incapacidade administrativa dos donos de Estaleiros e Armadores nacionais. Com resultados bastante previsíveis.