Pular para o conteúdo principal

Choose Your Language - by Google

Economia - Estaleiro Mauá, o Começo do Fim

1.500 trabalhadores demitidos. Estaleiro alega "grave crise financeira"

crepusculo_do_estaleiro_maua
Conforme a FORJA já havia previsto (Leia em "O Sequestro de 3.200 Trabalhadores" e "O Brasil e a Construção Naval") começou a derrocada da proposta aventureira de revitalização da construção naval no Brasil. Aproveitando-se de linhas de crédito abertas a perder de vista especuladores travestidos de empresários arrancaram o que foi possível da Petrobrás, do BNDES, da Caixa Econômica, dos Fundos de Pensão dos trabalhadores e agora vão fechar as portas sem entregar as encomendas contratadas, como se nada tivesse acontecido nos últimos dez anos.


O Estaleiro Mauá (que passou a se chamar EISA Petro-UM para fugir dos credores) é uma empresa do Grupo Synergy de German Efromovich.


Na semana em que o Synergy Group perdia uma batalha comercial na Europa pela compra da empresa pública de transportes aéreas portuguesa (TAP), o Estaleiro EISA Petro-Um pagava somente 70% dos salários de seus funcionários. O Grupo havia oferecido 350 milhões de Euros, sendo 250 milhões em dinheiro. Isso fez circular entre os "colaboradores" do EISA Petro-Um a piada de que eles estariam emprestando dinheiro ao Grupo Synergy, consequentemente "colaborando" para uma boa causa. O que ao fim não está muito longe da verdade.

Tendo perdido a licitação o Grupo Synergy ao menos teoricamente passaria a contar com este dinheiro em caixa para outros usos mais urgentes. Mas em vez de realocar os recursos disponíveis para solver as dificuldades financeiras de uma das empresas do grupo, tratou de conseguir outro empréstimo com o aval do governo para pagar os 30% restantes, seguindo a cartilha de negócios de German Efromovich. Por que gastar o meu dinheiro se eu posso gastar o seu?

Acontece que a condição imposta pelo governo para entrar em mais esta ratatúia como avalista de negócios privados, que seria a garantia de manutenção dos postos de trabalho, foi esquecida em menos de duas semanas. O Estaleiro EISA Petro-Um demitiu nos dias 23 e 24 de junho cerca de 1.400 funcionários, deixando implícita a ameaça de demitir o restante se o governo não intervir junto aos bancos públicos e privados no sentido de haver mais liberação de verbas.

O Grupo Synergy jamais desviará recursos de suas outras empresas ou se desfará de ativos para salvar aos estaleiros. Por uma razão bem simples de ser entendida. Os estaleiros brasileiros reabriram já fadados à falência. Qualquer um que tenha lido o relatório do BNDES emitido no ano de 1997 sobre as razões da falência dos estaleiros naquela época, vendo a história se repetir, sabe disso. Efromovich jamais fez qualquer investimento de peso no sentido de modernizar os estaleiros navais de seu conglomerado. Não que não faltasse boa vontade do governo e das instituições financeiras públicas e privadas no sentido de liberar verbas para o soerguimento da Indústria Naval Brasileira. Cabe agora ao Ministério Público e ao TCU investigar onde foi para a dinheirama injetada no setor tendo o governo como avalista.

Comentários

  1. Em junho de 2016 a Transpetro anunciou oficialmente o cancelamento de todos os contratos assinados com o Estaleiro Mauá.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Seja bem vindo! Deixe um comentário e nós responderemos assim que possível.

Postagens mais visitadas deste blog

Economia - O Conto do Vigário

Ninguém sabe ao certo como começou nem a origem do nome. Mas quase todo mundo sabe como funciona o Conto do Vigário. Alguém aparece com a promessa de lucro mirabolante. E tudo o que se tem de fazer é um pequeno investimento para levar uma grande vantagem. O folclore popular conta a história de um vigarista que, há muito tempo, convenceu uma rica família carioca de que seria procurador dos herdeiros do francês que projetou o Cristo Redentor. E vendeu o para os ricaços, prometendo que eles passariam a ter os direitos sobre a visitação da estátua.

Jornalismo - O "X" do Triplex

"- Fala companheiro, Tudo tranquilo?
- Você falou de um esquema...
- Ah, tá. É o seguinte... Sabe a Cooperativa? Então. Eu vou mandar construir um prédio inteiro só pra gente... Isso... pra diretoria... Em Guarujá. Você vai ficar com a cobertura, claro."
...
"É... Ninguém precisa pagar nada. Vou cobrar cota extra dos bancários. Eu dou os papéis de 'cotas' pra vocês, assino uns recibos e, para todos os efeitos, vocês são cooperados. Mas tem que declarar, senão vai sujar... Vou passar as mais baratas, só para constar. Não tem erro."

Economia - O Brasil e a Construção Naval

Em setembro de 1997 o BNDS expediu um relatório que pretendia expor as razões da derrocada da atividade de Construção Naval no país que fez com que caíssemos da 2ª posição no ranking mundial, e 1ª na América Latina, deixando mesmo de figurar entre os 20 países melhor colocados. O conhecimento de tal relatório é de importância fundamental para os que querem entender em que pé nos encontramos agora que retornamos ao cenário mundial e levantamentos indicam que ocupamos a 6ª posição no ranking. 
Porque, apesar de ter sido elaborado há quase 20 anos, o relatório traz informações aplicáveis a atual conjuntura. Entre outras coisas ressalta-se a certeza de que não aprendemos nada com os erros do passado. Continuamos a apostar no protecionismo  e no comprometimento do Estado em prol da incapacidade administrativa dos donos de Estaleiros e Armadores nacionais. Com resultados bastante previsíveis.