Pular para o conteúdo principal

Choose Your Language - by Google

Filosofia - Agnósticos, Estes Desconhecidos

Agnosticismo tem origem na Grécia antiga

Agnosticismo não é como o Teísmo ou o Ateísmo.

Agnosticismo não tem nada a ver com deuses (Theos).

Tem a ver com conhecimento (Gnosis)

Sócrates tinha por vocação irritar aos especialistas sobre qualquer assunto.

Depois de admitir sua própria ignorância sobre determinados assuntos, passou a provar o conhecimento alegado pelos outros através de questionamentos, para ver se eles sabiam mesmo o que estavam falando.

Sócrates não se deixava convencer pela autoridade auto-inferida dos doutores de sua época.

O discípulo de uma ramificação tardia da escola socrática, um certo Diógenes de Sínope, um dia resumiu em duas frase esta aversão à imposição autoritária de ideias.

Contam que quando o imperador Alexandre, o Grande, lhe ofereceu qualquer coisa que seu coração pudesse desejar, ele lhe responderia:

"Desejo que não interponhas tua sombra entre mim e o meu sol. Não me prives daquilo que não me podes dar."

Diógenes, o Cínico, preferia experimentar a luz de seu próprio saber do que aquela filtrada pela imagem do Deus Sol na terra.

A partir dos questionamentos socráticos, desenvolveu-se uma casta de céticos do conhecimento até culminar na tese de que ninguém na realidade sabia nada daquilo de que falava e ensinava.

Tal radicalismo parecia irreversivelmente fadado a culminar no Nihilismo definitivo, onde nada é (nem pode ser) na verdade o que parece.

Tudo o que pensávamos saber sobre qualquer assunto não passava de impressão creditada à falha de nossas percepções.

Seríamos enganados por nossos sentidos.

Nós não sabíamos nada.

Foi quando, a partir de Descartes, começaram a desenvolver metodologias e técnicas capazes de verificar o conhecimento humano para além da simples retórica.

O ceticismo reinante no mundo acadêmico deu uma guinada em direção ao seu começo.

O conhecimento deixou de ser uma questão de convencimento argumentativo para invadir os laboratórios onde poderia ser testado, avaliado e experimentado mediante técnicas adequadas.

Alguns homens imbuídos de alguma autoridade alegam conhecimentos específicos sobre assuntos fora do alcance das pessoas comuns.

Um pequeno grupo dentro do ceticismo passou a classificar o conhecimento alegado por eles em duas classes distintas.

O cientificamente testável e o não verificável.

Romperam de vez com aquilo que se afirmava mas não podia ser demonstrado por qualquer metodologia, evitando até mesmo emitir julgamentos de valor sobre estes assuntos.

E abraçaram as metodologias científicas, reconhecendo como legítimo apenas aquele conhecimento que pudesse ser experimentado, pesado, medido e quantificado enquanto confessavam sua ignorância sobre todo o resto.

Já não era mais como se não soubéssemos nada. O incognoscível passou a ser uma questão do método certo e do desenvolvimento tecnológico adequado na busca pelo conhecimento. A ciência avançava a passos largos.

Finalmente Thomas Huxley inventou, em tom sarcástico um nome pomposo inspirado no grego clássico para definir sua descrença pessoal nas autoridades religiosas de sua época.

Aquele crescente grupo de céticos do conhecimento retórico impingido arbitrariamente pelos doutores, mas que admitiam que qualquer conhecimento verdadeiro precisa ser experimental e empiricamente verificável, assumiram para si o nome inventado por Huxley.

Passaram então a ser conhecidos como Agnósticos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Economia - Estaleiro Mauá, Ainda Não é o Fim

Crise do setor naval é mais caótica do que possa parecer
Como você se sentiria se pudesse abrir uma empresa onde não fosse obrigado a investir em novas tecnologias? Onde não fosse preciso buscar a diversificação ou novas metodologias de trabalho, nem buscar o aperfeiçoamento da gestão empresarial, nem nada disso de que depende a sobrevivência das grandes empresas? Se você pudesse continuar a cometer os mesmos equívocos que no passado levaram empresas no mesmo ramo a fechar as portas e mesmo assim continuasse contar com crédito ilimitado no mercado, não importando o quão primários fossem os erros empresarias cometidos? E mesmo assim continuasse a ter prioridade em contratos milionários com a maior empresa estatal brasileira, sem o risco de ser incomodado pela concorrência de empresas estrangeiras? Provavelmente você julgaria ter alcançado o paraíso comercial.
Pois é exatamente assim que se sentem os donos de estaleiros navais. Não importa o que eles façam de suas empresas ou quantos erro…

Opinião - Cleptomania Não É Crime

Comecemos pelo óbvio. Embora a cleptomania não seja um crime, pode levar as pessoas a cometer um crime tipificado no código penal. Dependerá de um juiz aceitar ou não a alegação do distúrbio como atenuante, mas o fato é que, uma vez que a pessoa roube, ela cometeu um crime. Então vamos repetir para não perder o fio da meada: cleptomania não é crime, mas o ato de roubar mesmo quando provocado pela compulsão é.

Jornalismo - O "X" do Triplex

"- Fala companheiro, Tudo tranquilo?
- Você falou de um esquema...
- Ah, tá. É o seguinte... Sabe a Cooperativa? Então. Eu vou mandar construir um prédio inteiro só pra gente... Isso... pra diretoria... Em Guarujá. Você vai ficar com a cobertura, claro."
...
"É... Ninguém precisa pagar nada. Vou cobrar cota extra dos bancários. Eu dou os papéis de 'cotas' pra vocês, assino uns recibos e, para todos os efeitos, vocês são cooperados. Mas tem que declarar, senão vai sujar... Vou passar as mais baratas, só para constar. Não tem erro."