Pular para o conteúdo principal

Choose Your Language - by Google

Política - O Crepúsculo

Dilma ainda despacha mas não está mais no poder


Crepúsculo Político de Dima no poder
A revista inglesa The Economist publicou no último dia 25 de abril uma matéria onde se refere a presidente Dilma Rousseff como "O Fantasma do Planalto" e faz referência à pesquisa DataFolha onde 63% dos entrevistados se diriam a favor de seu impeachment. 

O artigo justifica o título primeiro com o fato de a presidente ter sido constrangida a entregar o controle da economia a um economista da Escola de Chicago que agora se ocupa do corte de gastos e subsídios o que seria, ainda segundo a revista, um verdadeiro anátema para o PT. Joaquim Levy teria pela frente o desafio de recuperar a credibilidade na economia brasileira junto ao mercado externo.

A revista avalia que a presidente  na prática teria perdido a rédea política do governo para o PMDB em duas frentes cruciais:

Quando o deputado Eduardo Cunha teria "esmagado" o candidato do PT na disputa pela presidência da Câmara, e depois, quando abriu mão da articulação junto aos aliados entregando a pasta da coordenação política ao seu vice Michel Temer.

A revista afirma que Dilma Rousseff, apesar de ainda ocupar o gabinete, já não teria o poder para decisões importantes e lembra que ela ainda está no começo de seu mandato tendo mais quatro anos pela frente, se resistir até lá. A revista conclui a análise se perguntando se a presidente seria capaz de concluir seu mandato.

(Nota de esclarecimento ao leitor: Este artigo foi reescrito, em substituição à tradução integral da matéria, após sermos informados estar incorrendo na violação de direitos autorais pela The Economist
Pedimos sinceras desculpas pelo inconveniente causado por um erro primário deste editor)

 A matéria pode ser lida na íntegra, em inglês, no site da revista:

https://www.economist.com/news/americas/21649520-dilma-rousseff-office-no-longer-power-ghost-planalto

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Economia - O Conto do Vigário

Ninguém sabe ao certo como começou nem a origem do nome. Mas quase todo mundo sabe como funciona o Conto do Vigário. Alguém aparece com a promessa de lucro mirabolante. E tudo o que se tem de fazer é um pequeno investimento para levar uma grande vantagem. O folclore popular conta a história de um vigarista que, há muito tempo, convenceu uma rica família carioca de que seria procurador dos herdeiros do francês que projetou o Cristo Redentor. E vendeu o para os ricaços, prometendo que eles passariam a ter os direitos sobre a visitação da estátua.

Economia - O Brasil e a Construção Naval

Em setembro de 1997 o BNDS expediu um relatório que pretendia expor as razões da derrocada da atividade de Construção Naval no país que fez com que caíssemos da 2ª posição no ranking mundial, e 1ª na América Latina, deixando mesmo de figurar entre os 20 países melhor colocados. O conhecimento de tal relatório é de importância fundamental para os que querem entender em que pé nos encontramos agora que retornamos ao cenário mundial e levantamentos indicam que ocupamos a 6ª posição no ranking. 
Porque, apesar de ter sido elaborado há quase 20 anos, o relatório traz informações aplicáveis a atual conjuntura. Entre outras coisas ressalta-se a certeza de que não aprendemos nada com os erros do passado. Continuamos a apostar no protecionismo  e no comprometimento do Estado em prol da incapacidade administrativa dos donos de Estaleiros e Armadores nacionais. Com resultados bastante previsíveis.

Política - E Agora?

Com 61 votos a favor e 20 contra foi aprovado o afastamento definitivo da Sra. Dilma Rousseff na tarde de quarta-feira, dia 31 de agosto. Os que eram contrários ao processo contra a Ex-Presidente acordaram hoje, dia 1º de setembro, perguntando o que foi que mudou com o impeachment. Argumentam que ainda estamos na mesma situação de ontem, como se uma noite fosse suficiente para desfazer todos os equívocos perpetrados ao longo de 13 anos.

Mas o que realmente mudou a partir da efetivação definitiva de Michel Temer na cadeira da Presidência?