Pular para o conteúdo principal

Choose Your Language - by Google

Economia - O Conto do Vigário

Potencial produtivo da Petrobrás em cheque

Ninguém sabe ao certo como começou nem a origem do nome. Mas quase todo mundo sabe como funciona o Conto do Vigário. Alguém aparece com a promessa de lucro mirabolante. E tudo o que se tem de fazer é um pequeno investimento para levar uma grande vantagem. O folclore popular conta a história de um vigarista que, há muito tempo, convenceu uma rica família carioca de que seria procurador dos herdeiros do francês que projetou o Cristo Redentor. E vendeu o para os ricaços, prometendo que eles passariam a ter os direitos sobre a visitação da estátua.


O golpe é tão antigo que existe quase uma unanimidade hoje em dia. Todos acreditam que jamais se deixariam enganar São sempre espertos demais para caírem num golpe tão simplório.


Aconteceu recentemente de vigaristas prometerem a uma nação inteira um tesouro enterrado. Enterrado tão fundo que iria exigir um grande investimento para alcançá-lo. Algo em torno de 200 bilhões de dólares. 

A recompensa prometida foi grande demais para ser ignorada.  Com este tesouro os que se dispusessem a investir poderiam lucrar mais que o triplo ou o quádruplo do valor investido, isso numa projeção modesta. Falam-se mesmo em lucros na casa dos trilhões de dólares.

Fora o lado social da descoberta. Só os impostos recolhidos e os royalties sobre os direitos exploração do tesouro poderiam resolver todos os problemas do país. A educação, a saúde, o trabalho. Enfim, tudo o que puder ser imaginado. Tudo seria resolvido com a posse deste tesouro. Os olhos dos investidores brilharam. Alguns dirão que foi de emoção. Outros, menos altruístas, dirão que foi por pura ganância.




Os investidores em momento algum duvidaram da existência do tesouro. Existiam muitos argumentos, alguns com base científica, todos bastante convincentes, provando acima de qualquer dúvida a existência do tesouro. Há até uma pequena amostra, mas o grosso mesmo está bem no fundo. Na medida em que o tempo passa os esperançosos investidores foram ficando cada vez mais convencidos de que seria impossível alcançar as estimativas prometidas. Mas eles continuaram investindo, na esperança de poderem recuperar pelo menos parte do que já fora gasto.


Il_Bidone

Como toda vítima, eles vão demorar para perceber, porque racionalmente não conseguem admitir que foram vítima de um golpe tão primário.


O pior e mais constrangedor para todos, este golpe nem é inédito. O roteiro surrealista foi escrito por Federico Fellini para um filme lançado em 1955. "Il Bidone", o título original italiano, recebeu na versão portuguesa o sugestivo título de "O Conto do Vigário".

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Jornalismo - O "X" do Triplex

"- Fala companheiro, Tudo tranquilo?
- Você falou de um esquema...
- Ah, tá. É o seguinte... Sabe a Cooperativa? Então. Eu vou mandar construir um prédio inteiro só pra gente... Isso... pra diretoria... Em Guarujá. Você vai ficar com a cobertura, claro."
...
"É... Ninguém precisa pagar nada. Vou cobrar cota extra dos bancários. Eu dou os papéis de 'cotas' pra vocês, assino uns recibos e, para todos os efeitos, vocês são cooperados. Mas tem que declarar, senão vai sujar... Vou passar as mais baratas, só para constar. Não tem erro."

Economia - O Brasil e a Construção Naval

Em setembro de 1997 o BNDS expediu um relatório que pretendia expor as razões da derrocada da atividade de Construção Naval no país que fez com que caíssemos da 2ª posição no ranking mundial, e 1ª na América Latina, deixando mesmo de figurar entre os 20 países melhor colocados. O conhecimento de tal relatório é de importância fundamental para os que querem entender em que pé nos encontramos agora que retornamos ao cenário mundial e levantamentos indicam que ocupamos a 6ª posição no ranking. 
Porque, apesar de ter sido elaborado há quase 20 anos, o relatório traz informações aplicáveis a atual conjuntura. Entre outras coisas ressalta-se a certeza de que não aprendemos nada com os erros do passado. Continuamos a apostar no protecionismo  e no comprometimento do Estado em prol da incapacidade administrativa dos donos de Estaleiros e Armadores nacionais. Com resultados bastante previsíveis.