Pular para o conteúdo principal

Choose Your Language - by Google

A Banalização do Jornalismo

O jornalismo exige uma responsabilidade que a maioria das pessoas não tem


Banalização da profissão de jornalista
A obrigatoriedade do diploma de nível superior como exigência para o exercício da profissão de jornalista foi promulgada por uma junta militar durante a ditadura que vigorou no Brasil entre abril de 1964 e março de 1985. Mais precisamente em 1972, em meio às críticas ferrenhas que o governo militar sofria por parte do chamado jornalismo alternativo, em plena vigência do Ato Institucional número cinco (AI-5), era editado o decreto-lei que pretenderia regulamentar a profissão de jornalista exigindo entre outras coisas a formação superior em comunicação social e o consequente registro profissional junto ao Ministério do Trabalho.


Segundo a interpretação dos críticos ao governo, o decreto pretendia elitizar o jornalismo, segregando e cerceando aqueles que mesmo sem ter uma formação específica em jornalismo usavam os meios de comunicação em massa para externar suas opiniões desfavoráveis, mobilizando as massas em torno de suas ideias. A partir de então somente aqueles com formação específica poderiam escrever em jornais e revistas, incluindo aí os periódicos considerados pertencentes à imprensa alternativa.

Esta alegada intenção de cerceamento e segregação da imprensa através da suposta elitização dos profissionais do jornalismo foi lembrada recentemente quando o STF decidiu por maioria abolir a exigência de qualquer formação na área jornalística a todos os que queiram exercer a profissão de jornalista. De acordo com o intendimento do colegiado, a exigência do curso de nível superior inibe ao cidadão comum o direito de expressar livremente sua opinião nos meios de comunicação de massa, sendo por isso considerado inconstitucional até mesmo, dizem, por ter sido determinada durante o regime de exceção. Para o ministro Gilmar Mendes, escrever é uma atividade tão natural ao ser humano quanto seria o cozinhar, e que se para cozinhar não se precisa de diploma, muito menos se precisaria para escrever.

Leia Também:

Não ocorreu ao raciocínio do Ministro que uma dona de casa pode não precisar de diploma para cozinhar para seus familiares, atividade que ela pode aprender com sua mãe ao longo dos anos de sua puberdade. Mas que, para grandes empresas voltadas para o ramo alimentício, que atende ao grande público, é recomendável a presença de alguém formado em gastronomia, uma profissão formalmente regulamentada que exige entre outras coisas formação de nível superior.

Independente da intenção da junta militar que editou o decreto-lei exigindo o nível superior, fosse ou não para segregar e elitizar a profissão de jornalista, o fato incontestável é que o jornalismo brasileiro deu um grande salto de qualidade a partir da exigência, fazendo frente aos maiores grupos jornalísticos do mundo, recebendo inclusive reconhecimento internacional através de premiações, onde a qualidade das matérias jornalísticas foi fundamental para que isto acontecesse. Qualidade esta que só pode ser adquirida pelo aperfeiçoamento encontrado nos cursos de formação superior através de muito esforço e dedicação do aspirante ao ramo da informação jornalística.

Uma coisa é o cidadão comum expressar suas ideias livremente em meios de comunicação de massa, e para isso a maioria deles disponibilizam espaços específicos, como as seções de cartas dos leitores, por exemplo. Outra coisa é redigir um artigo com qualidade jornalística que seja reconhecida internacionalmente. E isso só é possível quando o jornalista tem uma formação equiparada à dos melhores do mundo, o que não é o caso, por outro exemplo, do editor deste blog.

A Forja de Hefestos vai lutar sempre pelo direito inalienável de seus autores expressar livremente suas opiniões  conforme o garantido pela Constituição Federal. Mas ao mesmo tempo entende que o exercício deste direito constitucional não os habilita a se equiparar aos profissionais do jornalismo, até pela ausência de uma formação específica na área.

Não direi que sou jornalista apenas porque sei escrever, como sugeriu a mais alta corte de justiça deste país. Porque seria uma injustiça para com aqueles que estudaram e dedicaram tempo numa formação que entendo ser superior à minha.

Em nosso entendimento como blogueiros que somos, a decisão do STF banaliza a profissão de quem vive de informar ao cidadão comum, fornecendo as bases para a formação da opinião da população. Ao tempo em que abre precedentes para que no futuro a profissão de jornalista seja demonizada e perseguida pelo que pessoas sem formação específica  venham a escrever como se jornalistas fossem.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Economia - O Conto do Vigário

Ninguém sabe ao certo como começou nem a origem do nome. Mas quase todo mundo sabe como funciona o Conto do Vigário. Alguém aparece com a promessa de lucro mirabolante. E tudo o que se tem de fazer é um pequeno investimento para levar uma grande vantagem. O folclore popular conta a história de um vigarista que, há muito tempo, convenceu uma rica família carioca de que seria procurador dos herdeiros do francês que projetou o Cristo Redentor. E vendeu o para os ricaços, prometendo que eles passariam a ter os direitos sobre a visitação da estátua.

Jornalismo - O "X" do Triplex

"- Fala companheiro, Tudo tranquilo?
- Você falou de um esquema...
- Ah, tá. É o seguinte... Sabe a Cooperativa? Então. Eu vou mandar construir um prédio inteiro só pra gente... Isso... pra diretoria... Em Guarujá. Você vai ficar com a cobertura, claro."
...
"É... Ninguém precisa pagar nada. Vou cobrar cota extra dos bancários. Eu dou os papéis de 'cotas' pra vocês, assino uns recibos e, para todos os efeitos, vocês são cooperados. Mas tem que declarar, senão vai sujar... Vou passar as mais baratas, só para constar. Não tem erro."

Economia - O Brasil e a Construção Naval

Em setembro de 1997 o BNDS expediu um relatório que pretendia expor as razões da derrocada da atividade de Construção Naval no país que fez com que caíssemos da 2ª posição no ranking mundial, e 1ª na América Latina, deixando mesmo de figurar entre os 20 países melhor colocados. O conhecimento de tal relatório é de importância fundamental para os que querem entender em que pé nos encontramos agora que retornamos ao cenário mundial e levantamentos indicam que ocupamos a 6ª posição no ranking. 
Porque, apesar de ter sido elaborado há quase 20 anos, o relatório traz informações aplicáveis a atual conjuntura. Entre outras coisas ressalta-se a certeza de que não aprendemos nada com os erros do passado. Continuamos a apostar no protecionismo  e no comprometimento do Estado em prol da incapacidade administrativa dos donos de Estaleiros e Armadores nacionais. Com resultados bastante previsíveis.