Pular para o conteúdo principal

Choose Your Language - by Google

Política - Vai Anular Seu Voto Por Quê?

Política eleitores são enganados
Circula na internet, uma campanha explícita pelo voto nulo em prol da anulação do pleito eleitoral e subsequente marcação de novas eleições, com novos candidatos, uma vez atingida a marca de 51% dos votos nulos com base no artigo 224 do Código Eleitoral.

Cuidado! O voto nulo não serve para nada inocente!

Quando muito, o voto nulo pode ajudar a acirrar a disputa aumentando as chances de candidatos com pouca representatividade e menor expressão, ou pior, pode aumentar as chances dos donos de currais eleitorais, dando oportunidade aos desesperados, quando o número de votos válidos for menor.
"[A Constituição Federal], em seu art. 77, § 2º, ao dispor sobre a eleição do Presidente, sob o sistema majoritário de dois turnos [02], estabeleceu que eleito estará aquele candidato que obtiver a maioria absoluta dos votos, excluindo-se os nulos e os em branco.(...)
O dispositivo em comento (art. 224 do Código Eleitoral), ao se reportar a nulidade, está disciplinando hipótese de julgamento nesse sentido por parte da Justiça Eleitoral. Essa nulidade somente abarcará os votos válidos; portanto, não computados brancos e nulos, que estejam eivados de vícios que ensejam a anulação. Tais vícios que ensejam a anulabilidade da votação são apontados no art. 222 do Código Eleitoral, a saber: falsidade, fraude, coação, uso de meios de que trata o art. 237 [05], emprego de processo de propaganda ou captação de sufrágio vedado por lei."
 Fonte:
Você não está proibido de anular seu voto.
Embora o comparecimento às urnas ou a devida justificação por ausência sejam obrigatórios, o voto no Brasil ainda é livre.
Mas se você resolver anular seu voto, é bom que pelo menos você saiba o que está fazendo.
Vote conscientemente. Não se deixe enganar.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Política - E Agora?

Com 61 votos a favor e 20 contra foi aprovado o afastamento definitivo da Sra. Dilma Rousseff na tarde de quarta-feira, dia 31 de agosto. Os que eram contrários ao processo contra a Ex-Presidente acordaram hoje, dia 1º de setembro, perguntando o que foi que mudou com o impeachment. Argumentam que ainda estamos na mesma situação de ontem, como se uma noite fosse suficiente para desfazer todos os equívocos perpetrados ao longo de 13 anos.

Mas o que realmente mudou a partir da efetivação definitiva de Michel Temer na cadeira da Presidência?

Economia - O Conto do Vigário

Ninguém sabe ao certo como começou nem a origem do nome. Mas quase todo mundo sabe como funciona o Conto do Vigário. Alguém aparece com a promessa de lucro mirabolante. E tudo o que se tem de fazer é um pequeno investimento para levar uma grande vantagem. O folclore popular conta a história de um vigarista que, há muito tempo, convenceu uma rica família carioca de que seria procurador dos herdeiros do francês que projetou o Cristo Redentor. E vendeu o para os ricaços, prometendo que eles passariam a ter os direitos sobre a visitação da estátua.

Opinião - Cleptomania Não É Crime

Comecemos pelo óbvio. Embora a cleptomania não seja um crime, pode levar as pessoas a cometer um crime tipificado no código penal. Dependerá de um juiz aceitar ou não a alegação do distúrbio como atenuante, mas o fato é que, uma vez que a pessoa roube, ela cometeu um crime. Então vamos repetir para não perder o fio da meada: cleptomania não é crime, mas o ato de roubar mesmo quando provocado pela compulsão é.