Pular para o conteúdo principal

Choose Your Language - by Google

Política - O Maior Inimigo do Governo

O povo culto é realmente o maior inimigo de um governo?

Conhecimento é inimigo dos políticos
Para que esta frase frequentemente atribuída a Jô Soares (se bem que já foi citada por outras pessoas em outros sítios da internet, inclusive em Portugal) não passe de um axioma improvável (me perdoem o pleonasmo), precisamos desenvolver um raciocínio que lhe dê alguma legitimidade. A recíproca da afirmação deveria ser provável. O governo, por exemplo, teria de inimigo do povo culto e fazer o possível para minimizar senão erradicar sua existência no país. Por outro lado o governo também teria os ignorantes como seus melhores aliados. Uma análise destas duas possibilidades talvez nos leve à conclusão sobre a veracidade ou não, daquela afirmação.



O Governo é o maior inimigo do povo culto?

A primeira indicação de um governo que veja o povo culto como um inimigo a ser anulado, seria colocar à frente da pasta da educação um inepto cercado de ignorantes. Aliás tal Ministro da Educação nem precisaria ser alguém com má formação intelectual e administrativa. Bastaria ser alguém alinhado com os propósitos e os planos de um governo que assumisse o povo culto como seu inimigo. Neste caso a prerrogativa de cercá-lo de gente ignorante, que só diga sim aos seus prováveis desmandos à frente da pasta, não poderia ser descartada.
Um governo assim deveria incentivar uma política de educação que não prestigiasse a qualidade da educação e menos ainda a de seus educadores. No entanto ainda teria de dar satisfação às exigências de resultados ditados pelos índices de avaliação do ensino. Daí surgiriam as verdadeiras ginásticas de um didatismo retrógrado e fracassado, que incluíssem a aprovação automática de alunos mal formados, culminando num sistema de bolsas e cotas que franqueassem o acesso destes docentes mal formados a universidade.

Como resultado disso, órgãos de pesquisas sérios como o IBGE poderia vir à público, numa perspectiva otimista, anunciar que cerca de 38% dos universitários fossem analfabetos funcionais. Uma perspectiva otimista porque o IBOPE que usa o sistema do INAF, poderia alegar que os números chegassem a 50% de universitários que não conseguem compreender o que leem (sim, que leem, mas não entendem o que está escrito).

Juntando estas premissas talvez tivéssemos motivos para crer que um governo pudesse considerar o povo culto como seu maior inimigo.

Em nosso próximo artigo sobre #Educação pretendemos avaliar as implicações de um governo que pudesse considerar o povo ignorante como seu melhor aliado. Seria possível tal situação?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Economia - O Conto do Vigário

Ninguém sabe ao certo como começou nem a origem do nome. Mas quase todo mundo sabe como funciona o Conto do Vigário. Alguém aparece com a promessa de lucro mirabolante. E tudo o que se tem de fazer é um pequeno investimento para levar uma grande vantagem. O folclore popular conta a história de um vigarista que, há muito tempo, convenceu uma rica família carioca de que seria procurador dos herdeiros do francês que projetou o Cristo Redentor. E vendeu o para os ricaços, prometendo que eles passariam a ter os direitos sobre a visitação da estátua.

Jornalismo - O "X" do Triplex

"- Fala companheiro, Tudo tranquilo?
- Você falou de um esquema...
- Ah, tá. É o seguinte... Sabe a Cooperativa? Então. Eu vou mandar construir um prédio inteiro só pra gente... Isso... pra diretoria... Em Guarujá. Você vai ficar com a cobertura, claro."
...
"É... Ninguém precisa pagar nada. Vou cobrar cota extra dos bancários. Eu dou os papéis de 'cotas' pra vocês, assino uns recibos e, para todos os efeitos, vocês são cooperados. Mas tem que declarar, senão vai sujar... Vou passar as mais baratas, só para constar. Não tem erro."

Economia - O Brasil e a Construção Naval

Em setembro de 1997 o BNDS expediu um relatório que pretendia expor as razões da derrocada da atividade de Construção Naval no país que fez com que caíssemos da 2ª posição no ranking mundial, e 1ª na América Latina, deixando mesmo de figurar entre os 20 países melhor colocados. O conhecimento de tal relatório é de importância fundamental para os que querem entender em que pé nos encontramos agora que retornamos ao cenário mundial e levantamentos indicam que ocupamos a 6ª posição no ranking. 
Porque, apesar de ter sido elaborado há quase 20 anos, o relatório traz informações aplicáveis a atual conjuntura. Entre outras coisas ressalta-se a certeza de que não aprendemos nada com os erros do passado. Continuamos a apostar no protecionismo  e no comprometimento do Estado em prol da incapacidade administrativa dos donos de Estaleiros e Armadores nacionais. Com resultados bastante previsíveis.