Pular para o conteúdo principal

Choose Your Language - by Google

Política - O Maior Inimigo do Governo

O povo culto é realmente o maior inimigo de um governo?

Conhecimento é inimigo dos políticos
Para que esta frase frequentemente atribuída a Jô Soares (se bem que já foi citada por outras pessoas em outros sítios da internet, inclusive em Portugal) não passe de um axioma improvável (me perdoem o pleonasmo), precisamos desenvolver um raciocínio que lhe dê alguma legitimidade. A recíproca da afirmação deveria ser provável. O governo, por exemplo, teria de inimigo do povo culto e fazer o possível para minimizar senão erradicar sua existência no país. Por outro lado o governo também teria os ignorantes como seus melhores aliados. Uma análise destas duas possibilidades talvez nos leve à conclusão sobre a veracidade ou não, daquela afirmação.



O Governo é o maior inimigo do povo culto?

A primeira indicação de um governo que veja o povo culto como um inimigo a ser anulado, seria colocar à frente da pasta da educação um inepto cercado de ignorantes. Aliás tal Ministro da Educação nem precisaria ser alguém com má formação intelectual e administrativa. Bastaria ser alguém alinhado com os propósitos e os planos de um governo que assumisse o povo culto como seu inimigo. Neste caso a prerrogativa de cercá-lo de gente ignorante, que só diga sim aos seus prováveis desmandos à frente da pasta, não poderia ser descartada.
Um governo assim deveria incentivar uma política de educação que não prestigiasse a qualidade da educação e menos ainda a de seus educadores. No entanto ainda teria de dar satisfação às exigências de resultados ditados pelos índices de avaliação do ensino. Daí surgiriam as verdadeiras ginásticas de um didatismo retrógrado e fracassado, que incluíssem a aprovação automática de alunos mal formados, culminando num sistema de bolsas e cotas que franqueassem o acesso destes docentes mal formados a universidade.

Como resultado disso, órgãos de pesquisas sérios como o IBGE poderia vir à público, numa perspectiva otimista, anunciar que cerca de 38% dos universitários fossem analfabetos funcionais. Uma perspectiva otimista porque o IBOPE que usa o sistema do INAF, poderia alegar que os números chegassem a 50% de universitários que não conseguem compreender o que leem (sim, que leem, mas não entendem o que está escrito).

Juntando estas premissas talvez tivéssemos motivos para crer que um governo pudesse considerar o povo culto como seu maior inimigo.

Em nosso próximo artigo sobre #Educação pretendemos avaliar as implicações de um governo que pudesse considerar o povo ignorante como seu melhor aliado. Seria possível tal situação?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Economia - O Fundo do Poço

No final de 2015, até meados de 2016, muitos torciam para chegarmos logo ao fundo do poço, na esperança de que, não tendo mais para onde descer, começássemos a subir. Os mais pessimistas avisavam que seria bom não encontrarmos um lamaçal que nos prendesse no fundo por muito tempo.

Justiça - Ineditismos

Mais uma vez o Judiciário se vê envolvido em polêmicas, sendo acusado de interferir no funcionamento do poder Legislativo. Uma acusação grave, que coloca em questão o princípio básico da autonomia dos poderes constituídos.

Opinião - Cleptomania Não É Crime

Comecemos pelo óbvio. Embora a cleptomania não seja um crime, pode levar as pessoas a cometer um crime tipificado no código penal. Dependerá de um juiz aceitar ou não a alegação do distúrbio como atenuante, mas o fato é que, uma vez que a pessoa roube, ela cometeu um crime. Então vamos repetir para não perder o fio da meada: cleptomania não é crime, mas o ato de roubar mesmo quando provocado pela compulsão é.