Pular para o conteúdo principal

Choose Your Language - by Google

Política - O Fim da Democracia

Políticos tramam contra a democracia
O fim da democracia brasileira deveria se dar através de um golpe planejado há muito tempo a fim de minar o Poder Legislativo em favor do Executivo destruindo assim um dos pilares da democracia. O plano foi financiado às custas do erário, mas também foi patrocinado por empresários mal intencionados e todo este dinheiro foi pago a políticos corruptos infiltrados no Senado e no Congresso Nacional por serviços prestados contra os interesses da nação.  

Este esquema escandaloso ficou conhecido pelo nome de Mensalão, mas a mídia interessada nunca deu o devido destaque ao que realmente estava acontecendo, preferindo tratá-lo como apenas mais um caso de corrupção no governo.



Tudo isso foi feito em nome de um programa que pretendia manter o atual governo no poder por pelo menos vinte anos, tempo que acreditavam ser suficiente para que pudessem lançar as bases de sua permanência definitiva no poder. Nunca foi apenas um caso de corrupção como a mídia sempre quis que vocês acreditassem. Sempre tratou-se de um golpe contra as bases da democracia.

Mesmo depois de terem sido denunciados pela ganância de quem achou que estava ganhando pouco no processo, eles continuaram a negar o Mensalão. Mesmo quando todas as provas foram colhidas eles continuaram a negar o Mensalão. Preferiram confessar o roubo descarado dos cofres públicos atribuindo-lhe o que para eles pareceria um delito menor do que confessar que pretendiam dar um golpe de Estado, estabelecendo uma ditadura branca onde as instituições democráticas não passariam de fachadas ocas, sem nenhum poder de fato.

Hoje dia 27 de fevereiro, nesta quinta-feira negra, ficamos tristes e decepcionados ao assistir o presidente do Supremo Tribunal Federal, Joaquim Barbosa, entregar os pontos num melancólico desabafo onde ele admite que os golpistas venceram.

                                        

Eles se imiscuíram até mesmo no mais alto escalão do Judiciário. A partir daí já não há mais muito mais o que se fazer. Eles venceram e sinal está fechado para nós, que somos inocentes. Não sabemos de nada.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Economia - O Conto do Vigário

Ninguém sabe ao certo como começou nem a origem do nome. Mas quase todo mundo sabe como funciona o Conto do Vigário. Alguém aparece com a promessa de lucro mirabolante. E tudo o que se tem de fazer é um pequeno investimento para levar uma grande vantagem. O folclore popular conta a história de um vigarista que, há muito tempo, convenceu uma rica família carioca de que seria procurador dos herdeiros do francês que projetou o Cristo Redentor. E vendeu o para os ricaços, prometendo que eles passariam a ter os direitos sobre a visitação da estátua.

Jornalismo - O "X" do Triplex

"- Fala companheiro, Tudo tranquilo?
- Você falou de um esquema...
- Ah, tá. É o seguinte... Sabe a Cooperativa? Então. Eu vou mandar construir um prédio inteiro só pra gente... Isso... pra diretoria... Em Guarujá. Você vai ficar com a cobertura, claro."
...
"É... Ninguém precisa pagar nada. Vou cobrar cota extra dos bancários. Eu dou os papéis de 'cotas' pra vocês, assino uns recibos e, para todos os efeitos, vocês são cooperados. Mas tem que declarar, senão vai sujar... Vou passar as mais baratas, só para constar. Não tem erro."

Economia - O Brasil e a Construção Naval

Em setembro de 1997 o BNDS expediu um relatório que pretendia expor as razões da derrocada da atividade de Construção Naval no país que fez com que caíssemos da 2ª posição no ranking mundial, e 1ª na América Latina, deixando mesmo de figurar entre os 20 países melhor colocados. O conhecimento de tal relatório é de importância fundamental para os que querem entender em que pé nos encontramos agora que retornamos ao cenário mundial e levantamentos indicam que ocupamos a 6ª posição no ranking. 
Porque, apesar de ter sido elaborado há quase 20 anos, o relatório traz informações aplicáveis a atual conjuntura. Entre outras coisas ressalta-se a certeza de que não aprendemos nada com os erros do passado. Continuamos a apostar no protecionismo  e no comprometimento do Estado em prol da incapacidade administrativa dos donos de Estaleiros e Armadores nacionais. Com resultados bastante previsíveis.