Pular para o conteúdo principal

Choose Your Language - by Google

Opinião - O Susto

Rolezinho é febre entre jovens e adultos
Rolezinho inglês em 2009 - 13.000 pessoas fecham metrô, para dançar.
Faça um exercício de empatia e se coloque no lugar de um agente de segurança no estacionamento de um shopping center que, de repente, é invadido por milhares de adolescentes vindos de todas as direções, sem que você tenha a mínima noção do que está acontecendo. O que você faria? 
Isso que aconteceu em São Paulo. Um grupo de adolescentes resolveu copiar uma ideia que já existe desde de 2003 nos Estados Unidos e que se espalhou também pela Europa. Eles marcaram um super encontro através das redes sociais e escolheram aquele estacionamento como ponto de concentração. Até ai nada demais. Afinal que mal há em adolescentes se encontrando no estacionamento de um shopping?

 Os americanos chamam este tipo de manifestação espontânea das massas de "Flash Mob" (algo como mobilização repentina). No Brasil os garotos pegaram emprestada de seus pais uma gíria antiga e colocaram no diminutivo. No meu tempo "dar um rolé" (pronunciava-se o "é" aberto) significava sair a passear, apenas pelo passeio, sem um objetivo definido. Já o rolezinho, com o "ê" fechado da mídia gramaticalmente correta, virou quase um palavrão, dadas as circunstâncias em que o evento tem sido abordado.

Mas o que deu errado desta vez? Por que a reunião descompromissada de um grupo de garotos veio a merecer tamanha atenção midiática? 
Penso que é esta a palavra que responde a esta pergunta. Tamanho! Convenhamos que seis mil pessoas se encontrando de repente, em um lugar tão inusitado quanto um estacionamento assusta. Especialmente se elas afirmam que estão se reunindo sem nenhum motivo aparente.
Apenas para "dar um rolé"? Seis mil pessoas? Num estacionamento? Ah, tá bom!

Se você fosse o agente de segurança deste estacionamento, o que você pensaria, vendo a multidão crescer com a agitação natural que os adolescentes tem? O barulho, o falatório, a gesticulação. O coitado foi cumprir com sua obrigação. Pedir que eles se retirassem. Imaginem, seis mil pessoas tomando o lugar dos carros. Não pode! Contam que houve bate-boca. Contam que houve excesso, de parte a parte. A solução do impasse parecia bem simples. Se no estacionamento não pode, vamos para os corredores do shopping. As crianças hoje em dia não gostam de ser contrariadas em seus caprichos. E os adultos deveriam compreender isso. O estatuto da criança e do adolescente não foi redigido por adultos? Pois então. Deu no que deu. Seis mil crianças e adolescentes, que uma vez tiveram a feliz ideia de encontrar pessoal,mente seus fãs da internet e que por falta de um lugar melhor escolheram o espaçoso estacionamento de um shopping center de São Paulo, e ao descobrirem que não podiam se concentrar ali, obedeceram quase que prontamente à ordem dos mais velhos: "circulando, circulando". E lá foram os seis mil circular pelos corredores do shopping. A bagunça generalizada incomodou a todos, evidentemente. Mas crianças hoje em dia fazem bagunça até nas escolas. Por que esperar que elas se comportem de outra forma nos shoppings?

O que realmente assusta aos manipuladores da opinião pública é a capacidade de mobilização que as redes sociais tem demonstrado nos últimos anos. Os adultos em geral restringem o compartilhamento das redes sociais aos seus trinta ou no máximo cinquenta amigos virtuais (com raras exceções) e gastam boa parte de seu tempo publicando seus indefectíveis "kkkkkk" para alguma piada sem graça, só para mostrar a todo mundo que está "antenado". Mas neste caso existe uma clara inversão de valores. São as crianças que estão mostrando o verdadeiro poder por trás das inocentes redes sociais aparentemente criadas para alienar as pessoas. Por isso existe esta preocupação das autoridades em cortar este grande mal pela raiz.

Eu queria finalizar esta postagem falando o que eu penso dos políticos que não perdem uma oportunidade para aparecer em ano eleitoral mesmo que seja dizendo um monte de besteiras. Mas tenho lido por aí que está em tramitação uma lei que pode multar quem fala o que pensa da politicagem brasileira. E eu sinceramente tenho mais medo disso do que dos rolezinhos.


Comentários

  1. mas, essa censura está começando sim ... ditadura de opiniões está sendo feita já há uns dois anos ... eu já percebei

    ResponderExcluir
  2. Eles estão despertando para o verdadeiro poder (e o temem) Vlad. O poder emanando espontaneamente do povo, pelo povo e para o povo. Não há nada mais temível para um populista hipócrita do que ver a democracia fugir ao controle de sua retórica vazia.
    Hoje é só um rolezinho inocente (e por isso mesmo perigoso) juntando seis, dez mil crianças. Mas as crianças crescem. E isso assusta.
    Hoje é só "vamos ao shopping zoar?"
    Amanhã pode ser "Vamos às urnas mudar o país?". E aí, vai que...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Seja bem vindo! Deixe um comentário e nós responderemos assim que possível.

Postagens mais visitadas deste blog

Economia - O Conto do Vigário

Ninguém sabe ao certo como começou nem a origem do nome. Mas quase todo mundo sabe como funciona o Conto do Vigário. Alguém aparece com a promessa de lucro mirabolante. E tudo o que se tem de fazer é um pequeno investimento para levar uma grande vantagem. O folclore popular conta a história de um vigarista que, há muito tempo, convenceu uma rica família carioca de que seria procurador dos herdeiros do francês que projetou o Cristo Redentor. E vendeu o para os ricaços, prometendo que eles passariam a ter os direitos sobre a visitação da estátua.

Jornalismo - O "X" do Triplex

"- Fala companheiro, Tudo tranquilo?
- Você falou de um esquema...
- Ah, tá. É o seguinte... Sabe a Cooperativa? Então. Eu vou mandar construir um prédio inteiro só pra gente... Isso... pra diretoria... Em Guarujá. Você vai ficar com a cobertura, claro."
...
"É... Ninguém precisa pagar nada. Vou cobrar cota extra dos bancários. Eu dou os papéis de 'cotas' pra vocês, assino uns recibos e, para todos os efeitos, vocês são cooperados. Mas tem que declarar, senão vai sujar... Vou passar as mais baratas, só para constar. Não tem erro."

Economia - O Brasil e a Construção Naval

Em setembro de 1997 o BNDS expediu um relatório que pretendia expor as razões da derrocada da atividade de Construção Naval no país que fez com que caíssemos da 2ª posição no ranking mundial, e 1ª na América Latina, deixando mesmo de figurar entre os 20 países melhor colocados. O conhecimento de tal relatório é de importância fundamental para os que querem entender em que pé nos encontramos agora que retornamos ao cenário mundial e levantamentos indicam que ocupamos a 6ª posição no ranking. 
Porque, apesar de ter sido elaborado há quase 20 anos, o relatório traz informações aplicáveis a atual conjuntura. Entre outras coisas ressalta-se a certeza de que não aprendemos nada com os erros do passado. Continuamos a apostar no protecionismo  e no comprometimento do Estado em prol da incapacidade administrativa dos donos de Estaleiros e Armadores nacionais. Com resultados bastante previsíveis.