Pular para o conteúdo principal

Choose Your Language - by Google

Comportamento - Homo Marsupialis

As pessoas não vivem sem bolsas
Primata, do gênero homo, o Marsupialis tem tudo para se firmar como o próximo passo evolutivo da espécie humana. Os primeiros sinais da mutação foram detectados nas fêmeas da espécie, que gradativamente se tornaram dependentes do que a princípio foi encarado como um apêndice sem importância. Mas, provavelmente devido à ação da seleção natural, hoje em dia percebemos que é quase impossível observar uma mulher que não esteja com uma, duas, ou até três bolsas das mais diversas cores, formatos e tamanhos. Acredita-se mesmo que mulheres sem bolsa não sejam capazes de se adaptar às necessidades criadas pelo meio ambiente atual e que por isso mesmo estejam em vias de extinção.



Nos machos o fenômeno se deu de maneira quase imperceptível. No princípio eram as capangas. Os homens começaram a sentir a necessidade de carregar consigo itens para os quais as carteiras já não davam conta. Foi quando passaram das capangas de mão para as usadas à tiracolo, então nas cinturas e finalmente as grandes mochilas nas costas.

Uma das principais características desta espécie seria a notável perda da noção espacial, como se não estivessem plenamente adaptados à sua nova condição. Os membros desta espécie ainda se movimentam como se  não carregassem o apêndice extra que os caracteriza o que lhes dificulta a mobilidade própria e dos outros principalmente quando se movimentam em lugares com espaço reduzido como em ônibus, por exemplo. Alguns já chegaram ao ponto de tratar suas mochilas como extensões de si mesmos. de modo a ocupam sozinhos lugares originalmente projetados para duas pessoas.

Ainda é cedo para os cientistas estabelecerem se tratar de um espécime de transição que, com o passar do tempo, ainda possa dar lugar a outra espécie melhor adaptada ao ambiente caótico em que vivemos, ou se estamos diante de uma espécie definitivamente estabelecida. No entanto o crescente número de filhotes cada vez mais jovens desta espécie portando mochilas desproporcionais aos seus tamanhos, trazendo consigo a característica supracitada conforme herdadas de seus pais, pode ser um indício de que a mutação seja permanente.

Não está descartada ainda probabilidade remota de que eles possam estar fadados ao autoextermínio devido  a outra característica marcante, esta decorrente da primeira, que seria a patente dificuldade de convivência em grupo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Economia - O Conto do Vigário

Ninguém sabe ao certo como começou nem a origem do nome. Mas quase todo mundo sabe como funciona o Conto do Vigário. Alguém aparece com a promessa de lucro mirabolante. E tudo o que se tem de fazer é um pequeno investimento para levar uma grande vantagem. O folclore popular conta a história de um vigarista que, há muito tempo, convenceu uma rica família carioca de que seria procurador dos herdeiros do francês que projetou o Cristo Redentor. E vendeu o para os ricaços, prometendo que eles passariam a ter os direitos sobre a visitação da estátua.

Jornalismo - O "X" do Triplex

"- Fala companheiro, Tudo tranquilo?
- Você falou de um esquema...
- Ah, tá. É o seguinte... Sabe a Cooperativa? Então. Eu vou mandar construir um prédio inteiro só pra gente... Isso... pra diretoria... Em Guarujá. Você vai ficar com a cobertura, claro."
...
"É... Ninguém precisa pagar nada. Vou cobrar cota extra dos bancários. Eu dou os papéis de 'cotas' pra vocês, assino uns recibos e, para todos os efeitos, vocês são cooperados. Mas tem que declarar, senão vai sujar... Vou passar as mais baratas, só para constar. Não tem erro."

Economia - O Brasil e a Construção Naval

Em setembro de 1997 o BNDS expediu um relatório que pretendia expor as razões da derrocada da atividade de Construção Naval no país que fez com que caíssemos da 2ª posição no ranking mundial, e 1ª na América Latina, deixando mesmo de figurar entre os 20 países melhor colocados. O conhecimento de tal relatório é de importância fundamental para os que querem entender em que pé nos encontramos agora que retornamos ao cenário mundial e levantamentos indicam que ocupamos a 6ª posição no ranking. 
Porque, apesar de ter sido elaborado há quase 20 anos, o relatório traz informações aplicáveis a atual conjuntura. Entre outras coisas ressalta-se a certeza de que não aprendemos nada com os erros do passado. Continuamos a apostar no protecionismo  e no comprometimento do Estado em prol da incapacidade administrativa dos donos de Estaleiros e Armadores nacionais. Com resultados bastante previsíveis.