Pular para o conteúdo principal

Choose Your Language - by Google

Justiça - "Adevogados"

Advogados orientam clientes a culpar menores
Os advogados brasileiros merecem todo o respeito em razão do quanto precisam estar intelectualmente preparados para o bom exercício do Direito. Nossas leis estão distribuídas em verdadeiros calhamaços, que quando confrontados entre si, levando-se em conta jurisprudências e interpretações específicas, podem apresentar um quadro contraditório fomentador de grandes injustiças. Está também de parabéns a Ordem dos Advogados por manter longe dos tribunais aqueles flagrantemente  despreparados.
A justiça, quando aplicada corretamente, é um dos três pilares em que se sustenta a democracia num Estado de Direito e apenas isto bastaria para justificar o esforço dos órgãos regulatórios em separar o joio do mérito.

No Brasil, no entanto, ainda prevalece a contra cultura de se "estudar" para passar em provas contra a necessidade de realmente adquirir o conhecimento exigível ao exercício de profissões importantes ao pleno desenvolvimento de uma nação soberana. Daí que, lançando mão de expedientes que levam em conta desde a simples "decoreba de macetes  para concursos" até intricadas fórmulas que tem por objetivo driblar a real avaliação do conhecimento, nos deparamos com o concurso dos "adevogados", que antes estavam restritos às portas das cadeias para defender ladrões de galinhas, exercendo a profissão de advogados em casos de grande repercussão na media.

No decorrer dos últimos quinze anos temos notado o resultado da temerosa cultura dos macetes para passar em testes de avaliação de conhecimento. Os "adevogados" que logram vencer as condições para o amplo exercício da profissão impostas pela Ordem dos Advogados, na prática não precisam mais conhecer todas as implicações da longa lista de artigos e parágrafos do nosso Código Penal. Eles só tem precisado decorar  o artigo  228 da Constituição Federal para se meterem na defesa dos casos mais intrincados. Para quem não sabe o artigo 228 da Constituição Federal do Brasil versa sobre a  inimputabilidade penal ao menor que dezoito anos de idade. 

Daí que basta que arrumem um bode expiatório com idade abaixo dos dezoito anos para assumir a culpa por delitos tão diversos quanto sufocar e esquartejar uma namorada inconveniente ou matar um espectador com um rojão numa partida de futebol. Assim qualquer "adevogado" com carteirinha da OAB é capaz de assumir a defesa de qualquer acusado, transferindo a responsabilidade por crimes os mais hediondos para jovens doutrinados e desinformados pelos próprios "adevogados".

O que o jovem brasileiro não sabe é que o menor é sim passível de punição pelos crimes de que são acusados e que os máximos três anos de "medidas sócio-educativas" a que estão sujeitos, segundo o Estatuto da Criança e do Adolescente, vão influenciar definitivamente na má formação de seu caráter como cidadão, pelo resto de suas vidas, e a longo prazo causarão prejuízos irreparáveis à sociedade em que vivem. 

Foi-se o tempo em que "fazer direito" era sinônimo de agir com correção e responsabilidade?

Os "adevogados" do Brasil são verdadeiros criminosos que deveriam ser indiciados como cúmplices de seus clientes. Em alguns casos, como quando orientam os chefões do tráfico de drogas a usarem menores de idade na execução dos crimes antes mesmo de os concretizarem, os "adevogados" deveriam ser encarados como co-autores dos delitos. Fora o agravante de vermos o descrédito em que o trabalho dos verdadeiros advogados tem mergulhado na nossa já combalida justiça.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Economia - O Conto do Vigário

Ninguém sabe ao certo como começou nem a origem do nome. Mas quase todo mundo sabe como funciona o Conto do Vigário. Alguém aparece com a promessa de lucro mirabolante. E tudo o que se tem de fazer é um pequeno investimento para levar uma grande vantagem. O folclore popular conta a história de um vigarista que, há muito tempo, convenceu uma rica família carioca de que seria procurador dos herdeiros do francês que projetou o Cristo Redentor. E vendeu o para os ricaços, prometendo que eles passariam a ter os direitos sobre a visitação da estátua.

Economia - O Fundo do Poço

No final de 2015, até meados de 2016, muitos torciam para chegarmos logo ao fundo do poço, na esperança de que, não tendo mais para onde descer, começássemos a subir. Os mais pessimistas avisavam que seria bom não encontrarmos um lamaçal que nos prendesse no fundo por muito tempo.

Justiça - Ineditismos

Mais uma vez o Judiciário se vê envolvido em polêmicas, sendo acusado de interferir no funcionamento do poder Legislativo. Uma acusação grave, que coloca em questão o princípio básico da autonomia dos poderes constituídos.