Pular para o conteúdo principal

Choose Your Language - by Google

Opinião - Mônica, Uma Menina na Meia Idade

Mônica completa 50 anosMônica, a dentuça mais famosa das histórias em quadrinhos, completa 50 anos no próximo dia 3 de março. A primeira história da personagem criada por Maurício de Souza foi publicada em 1963, em uma tirinha, como coadjuvante do Cebolinha. Logo a baixinha gorducha e geniosa conquistou seu próprio espaço no coração do público e acabou por assumir a liderança da turminha. Ao ponto de hoje as revistas que levam seu nome venderem em média 300 mil exemplares por mês.



Para se ter uma ideia do que isto representa no cenário mundial, há dois anos a editora DC Comics publicou um artigo se gabando de ter vendido 200 mil exemplares da revista LJ#1 (Liga da Justiça nº 1), declarando que teria sido a revista mais vendida em 2011. Só se foi nos Estados Unidos. Porque aqui no Brasil naquele mesmo ano a revista "Turma da Mônica Jovem" número 34, em estilo "mangá", vendera 500 mil exemplares.


Eu  aprendi a ler e cresci acompanhando as aventuras da Turma da Vila do Limoeiro, o bairro  fictício, onde as crianças ainda brincam descalças na rua, jogam bola de gude, sobem em árvores e podem passear livremente pela vizinhança, enquanto aprontam suas traquinagens inocentes. Ler uma história da Turma da Mônica tem o efeito de causar em nós um sentimento de saudade daquilo que os mais jovens nas grandes cidades infelizmente não tiveram oportunidade de viver, mas que certamente gostariam de poder vivenciar.

Pode-se dizer que os festejos pelo aniversário começaram já no carnaval deste ano, quando Claudia Leitte, à frente de seu bloco, cantou a composição "Menina Mulher" acompanhada da Turma da Mônica, fazendo referência ao aniversário da Mônica

Em abril deve estrear um espetáculo teatral com a reedição modernizada do musical "Turma da Mônica no Mundo de Romeu e Julieta. Também serão lançados desenhos animados inéditos que estão em fase de dublagem. Estão nos planos da editora Panini, atual publicadora da personagem, lançar o especial anual da Turma com mais páginas e capa metalizada, além da republicação da primeira história completa da Mônica. Além disso será lançada uma coletânea em dois volumes com todas as capas de revistas da Mônica, cada uma acompanhada do comentário do autor. Enfim, estas e todas as demais homenagens que possam pensar são bastante merecidas.

A Forja quer aproveitar para desejar felicidades e muitos anos de vida a esta senhora menina.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Economia - O Conto do Vigário

Ninguém sabe ao certo como começou nem a origem do nome. Mas quase todo mundo sabe como funciona o Conto do Vigário. Alguém aparece com a promessa de lucro mirabolante. E tudo o que se tem de fazer é um pequeno investimento para levar uma grande vantagem. O folclore popular conta a história de um vigarista que, há muito tempo, convenceu uma rica família carioca de que seria procurador dos herdeiros do francês que projetou o Cristo Redentor. E vendeu o para os ricaços, prometendo que eles passariam a ter os direitos sobre a visitação da estátua.

Jornalismo - O "X" do Triplex

"- Fala companheiro, Tudo tranquilo?
- Você falou de um esquema...
- Ah, tá. É o seguinte... Sabe a Cooperativa? Então. Eu vou mandar construir um prédio inteiro só pra gente... Isso... pra diretoria... Em Guarujá. Você vai ficar com a cobertura, claro."
...
"É... Ninguém precisa pagar nada. Vou cobrar cota extra dos bancários. Eu dou os papéis de 'cotas' pra vocês, assino uns recibos e, para todos os efeitos, vocês são cooperados. Mas tem que declarar, senão vai sujar... Vou passar as mais baratas, só para constar. Não tem erro."

Economia - O Brasil e a Construção Naval

Em setembro de 1997 o BNDS expediu um relatório que pretendia expor as razões da derrocada da atividade de Construção Naval no país que fez com que caíssemos da 2ª posição no ranking mundial, e 1ª na América Latina, deixando mesmo de figurar entre os 20 países melhor colocados. O conhecimento de tal relatório é de importância fundamental para os que querem entender em que pé nos encontramos agora que retornamos ao cenário mundial e levantamentos indicam que ocupamos a 6ª posição no ranking. 
Porque, apesar de ter sido elaborado há quase 20 anos, o relatório traz informações aplicáveis a atual conjuntura. Entre outras coisas ressalta-se a certeza de que não aprendemos nada com os erros do passado. Continuamos a apostar no protecionismo  e no comprometimento do Estado em prol da incapacidade administrativa dos donos de Estaleiros e Armadores nacionais. Com resultados bastante previsíveis.