Pular para o conteúdo principal

Choose Your Language - by Google

Segurança - Extintores e o Combate a Incêndios

curso-uso-extintores
Antes de qualquer coisa é importante que se diga que o enfrentamento de incêndios propriamente dito só deve ser executado por pessoas habilitadas. O que não inclui a extinção de focos de fogo que porventura possam se transformar num incêndio. Um cesto de papeis pegando fogo num escritório é um potencial risco de incêndio mas que, quando encarado com a coragem e frieza necessárias, poderia ser debelado com um copo de água retirado de um bebedouro, por exemplo.  Acontece que em muitos casos poderia ser necessário o uso de um extintor. No entanto uma rápida pesquisa nos locais de trabalho ou lazer onde existem extintores expostos em locais estratégicos poderia revelar que a maioria das pessoas não tem a mínima noção sobre como se opera um extintor. E você, saberia como usar um, caso fosse necessário?

O extintor de incêndios é um daqueles itens de segurança que passa despercebido da maioria das pessoas até que haja real necessidade de usá-los. Aliás em termos de segurança o Brasil tem uma característica preocupante. Não é raro que itens essenciais de segurança sejam encarados como uma formalidade a ser cumprida apenas para se dar uma satisfação às autoridades competentes. Então vemos motociclistas que só usam capacetes quando sabem que há o risco de serem multados. Ou motoristas que passam o cinto de segurança às vezes até sem afivela-lo quando avistam um guarda, para o soltarem mais à frente. Com os extintores não é diferente. Há quem considere os extintores um estorvo que não combina com nada na decoração do ambiente, mas que precisa ser instalado apenas por ser obrigatório. Para estes é possível que pensem que o risco de incêndios só ocorre aos outros. Então não há surpresa que no caso de extrema necessidade aconteça de ninguém saber usar um extintor adequadamente.

Existe um consenso entre os cientistas de que o ser humano se distinguiu dos outros animais quando aprendeu a dominar o fogo, discordando apenas em algo na ordem de milhões de anos sobre quando este domínio poderia ter acontecido. Mas apenas num período relativamente recente o homem logrou compreender o que é o fogo, como se origina e como se propaga. As vítimas de incêndios no entanto, se pudessem, talvez se perguntassem se é verdade que o homem realmente domina o fogo.

extintores-combate -incendios

Sabe-se hoje que o fogo é uma reação química que ocorre da combinação de dois elementos, um combustível e um comburente, quando expostos a uma fonte de calor. Estas três condições são conhecidas como o triângulo do fogo. O combate a incêndios começa na prevenção, quando se tenta isolar pelo menos um dos componentes do triângulo evitando assim a reação química. Acontece que por vezes é difícil evitar as condições necessárias ao fogo. Nestas horas podem surgir focos que, se não combatidos adequadamente, podem se transformar em incêndios de proporções incalculáveis. É quando o conhecimento do uso de extintores pode fazer a diferença entre a vida e a morte das pessoas envolvidas no sinistro.

Este artigo não tem a intenção de passar por um curso rápido de combate a incêndio. Seria uma  grande irresponsabilidade tentar resumir todo um conhecimento técnico em algumas poucas linhas. Mas aqueles a quem este tópico puder despertar a curiosidade, verão que o uso de extintores não é, nem poderia ser muito difícil. Na maioria dos casos bastaria apenas uma leitura nas instruções de uso, impressas no próprio equipamento. O problema seria deixar para ler as instruções na hora em que se precise apagar um foco de incêndio. O ideal seria tomar-se tempo para conhecer o equipamento de segurança antes da necessidade, quanto a que tipo de incêndio ele é indicado, e o modo de usá-lo.

Nota: Paulo Gomes, autor deste tópico, é certificado no curso especial de combate a incêndios expedido pelo Centro de Adestramento Marques de Leão, no Rio de Janeiro.

Comentários

  1. Eu trabalhei pra cruz vermelha na Alemanha e tive q fazer um curso completo de primeiros socorros q incluia o uso de extintores de fogo...é muito importante ser treinado, porque no dia-a-dia pode acontecer muita coisa, mesmo em casa! Poucas pessoas sabem por exemplo q jamais se deve tentar apagar uma panela de óleo quente q tá pegando fogo, com água....Parabéns pelo artigo!

    ResponderExcluir
  2. Muito boa materia. No caso de descartarem o extintor de incêndios por motivo de decoração burrice pura. Tem também o caso de ficalização. Achei isso aqui

    http://www.inmetro.gov.br/fiscalizacao/treinamento/extintores_de_incendio.pdf

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Seja bem vindo! Deixe um comentário e nós responderemos assim que possível.

Postagens mais visitadas deste blog

Economia - O Conto do Vigário

Ninguém sabe ao certo como começou nem a origem do nome. Mas quase todo mundo sabe como funciona o Conto do Vigário. Alguém aparece com a promessa de lucro mirabolante. E tudo o que se tem de fazer é um pequeno investimento para levar uma grande vantagem. O folclore popular conta a história de um vigarista que, há muito tempo, convenceu uma rica família carioca de que seria procurador dos herdeiros do francês que projetou o Cristo Redentor. E vendeu o para os ricaços, prometendo que eles passariam a ter os direitos sobre a visitação da estátua.

Jornalismo - O "X" do Triplex

"- Fala companheiro, Tudo tranquilo?
- Você falou de um esquema...
- Ah, tá. É o seguinte... Sabe a Cooperativa? Então. Eu vou mandar construir um prédio inteiro só pra gente... Isso... pra diretoria... Em Guarujá. Você vai ficar com a cobertura, claro."
...
"É... Ninguém precisa pagar nada. Vou cobrar cota extra dos bancários. Eu dou os papéis de 'cotas' pra vocês, assino uns recibos e, para todos os efeitos, vocês são cooperados. Mas tem que declarar, senão vai sujar... Vou passar as mais baratas, só para constar. Não tem erro."

Economia - O Brasil e a Construção Naval

Em setembro de 1997 o BNDS expediu um relatório que pretendia expor as razões da derrocada da atividade de Construção Naval no país que fez com que caíssemos da 2ª posição no ranking mundial, e 1ª na América Latina, deixando mesmo de figurar entre os 20 países melhor colocados. O conhecimento de tal relatório é de importância fundamental para os que querem entender em que pé nos encontramos agora que retornamos ao cenário mundial e levantamentos indicam que ocupamos a 6ª posição no ranking. 
Porque, apesar de ter sido elaborado há quase 20 anos, o relatório traz informações aplicáveis a atual conjuntura. Entre outras coisas ressalta-se a certeza de que não aprendemos nada com os erros do passado. Continuamos a apostar no protecionismo  e no comprometimento do Estado em prol da incapacidade administrativa dos donos de Estaleiros e Armadores nacionais. Com resultados bastante previsíveis.