Pular para o conteúdo principal

Choose Your Language - by Google

Política - Deu Medo!

Yoani Sánchez é hostilizada no Brasil
Me vi surpreso ao descobrir que aqui no Brasil ainda existam pessoas dispostas a defender tenazmente o regime dos irmãos Castro. O que tem acontecido com a jornalista cubana Yoani Sánchez poderia facilmente ser enquadrado como constrangimento ilegal e intimidação de testemunha. Pessoas gritando palavras de ordem em favor de Fidel, durante um governo que manifesta abertamente suas simpatias me assustam e dão medo. Será que eles desejam mesmo que ainda se implante um "cubanaço" aqui no Brasil, a esta altura do cenário político mundial?


É de dar medo. Porque tais manifestações reacionárias não se dão em algum recôndito interiorano onde a politicagem tacanha ainda mantém seus currais formados por eleitores ignorantes das real situação política do mundo. Não! Isso acontece no segundo maior centro político e econômico da Bahia e, pasmem, em São Paulo, onde se pretende que esteja a população mais esclarecida politicamente. Dá medo porque a alegada condescendência do governo brasileiro para com os simpatizantes do regime castrista contra a jornalista estrangeira, denunciada em reportagem da revista VEJA, apresenta indícios de ser verdadeira.

Está certo que a visita de qualquer pessoa não deva interferir nos trabalhos ordinários da Câmara dos Deputados em Brasília. Mas, por que razão a sessão de votações seria transferida das 14 horas para as 11 horas na noite anterior, de modo que coincidiu com o horário agendado para a visita de Yoani? Estaria mesmo o presidente da Câmara atendendo a uma solicitação do Palácio do Planalto? Será que eles pensam que estamos numa sucursal de Cuba? Lá eles poderiam fazer o que quisessem e nós não ficaríamos sabendo. Mas o Brasil não é uma ilha onde a liberdade de expressão e o acesso à informação sejam cerceados. As dimensões continentais do Brasil tem se mostrado uma pedra nos sapatos daqueles que pretendem fazer do Brasil uma ilha isolada do mundo.

Os movimentos liderados por brasileiros autoproclamados "pró-Cuba" na verdade se mostram verdadeiramente como  representantes dos interesses castristas em nosso território. E me dá medo de perguntar que interesses seriam estes. Ou sobre quem ganharia o que com a implantação de tal regime aqui.
De certo não seríamos eu ou você caro leitor.

Quando líderes desses movimentos a favor dos regimes de exceção latino-americanos acusam Yaoni Sánchez de representar com suas críticas apenas 1% da vontade da população cubana, deveriam olhar para si mesmos e realizar que eles também não representam proporcionalmente nada junto aos brasileiros. Que eles fariam melhor se voltassem suas energias às questões prementes da corrupção e da locupletação indevida imiscuídas em nossa sociedade em vez de se mobilizarem contra uma militante estrangeira que a rigor não nos tem causado nenhum prejuízo direto ou indireto.


Quanto a Yoany, torço para que ela consiga mesmo, com sua inteligência e sua coragem, desestabilizar a imagem do regime cubano, como a acusam de estar tentando fazer. Porque a imagem de governo que Fidel construiu, estável ao longo de seus mais de 50 anos de ditadura, não é lá muito boa junto à parte esclarecida da população mundial.

Torço, mas ainda tenho medo. Medo que consigam, com sua truculência, transformar as palavras de Yoani Sánches em silêncio.

Comentários

Postar um comentário

Seja bem vindo! Deixe um comentário e nós responderemos assim que possível.

Postagens mais visitadas deste blog

Economia - Estaleiro Mauá, Ainda Não é o Fim

Crise do setor naval é mais caótica do que possa parecer
Como você se sentiria se pudesse abrir uma empresa onde não fosse obrigado a investir em novas tecnologias? Onde não fosse preciso buscar a diversificação ou novas metodologias de trabalho, nem buscar o aperfeiçoamento da gestão empresarial, nem nada disso de que depende a sobrevivência das grandes empresas? Se você pudesse continuar a cometer os mesmos equívocos que no passado levaram empresas no mesmo ramo a fechar as portas e mesmo assim continuasse contar com crédito ilimitado no mercado, não importando o quão primários fossem os erros empresarias cometidos? E mesmo assim continuasse a ter prioridade em contratos milionários com a maior empresa estatal brasileira, sem o risco de ser incomodado pela concorrência de empresas estrangeiras? Provavelmente você julgaria ter alcançado o paraíso comercial.
Pois é exatamente assim que se sentem os donos de estaleiros navais. Não importa o que eles façam de suas empresas ou quantos erro…

Opinião - Cleptomania Não É Crime

Comecemos pelo óbvio. Embora a cleptomania não seja um crime, pode levar as pessoas a cometer um crime tipificado no código penal. Dependerá de um juiz aceitar ou não a alegação do distúrbio como atenuante, mas o fato é que, uma vez que a pessoa roube, ela cometeu um crime. Então vamos repetir para não perder o fio da meada: cleptomania não é crime, mas o ato de roubar mesmo quando provocado pela compulsão é.

Jornalismo - O "X" do Triplex

"- Fala companheiro, Tudo tranquilo?
- Você falou de um esquema...
- Ah, tá. É o seguinte... Sabe a Cooperativa? Então. Eu vou mandar construir um prédio inteiro só pra gente... Isso... pra diretoria... Em Guarujá. Você vai ficar com a cobertura, claro."
...
"É... Ninguém precisa pagar nada. Vou cobrar cota extra dos bancários. Eu dou os papéis de 'cotas' pra vocês, assino uns recibos e, para todos os efeitos, vocês são cooperados. Mas tem que declarar, senão vai sujar... Vou passar as mais baratas, só para constar. Não tem erro."