Pular para o conteúdo principal

Choose Your Language - by Google

Política - Ser ou não Ser, Qual a Questão?

Partido do Governo nega existência de Mensalão, mas confessa o uso de caixa dois nas eleições. Afinal foi Mensalão ou não foi?


Políticos envolvidos no caso do Mensalão
Alguns dos principais envolvidos no caso do Mensalão  
Literalmente todo mundo já está sabendo que começa a partir da próxima quinta-feira o julgamento do que está sendo considerado um dos maiores escândalos de corrupção da história do Brasil. Mas o que alguns talvez não compreendam é o porquê da insistência dos envolvidos nas investigações negarem que se trate daquilo que o então Deputado Federal Roberto Jefferson apelidou de "Mensalão". Ao ponto até de admitirem que cometeram mesmo "irregularidades" durante a gestão do presidente Lula, com um alegado esquema milionário de "Caixa 2" em nome do Partido dos Trabalhadores, supostamente usado nas campanhas eleitorais do partido do Presidente da República.

Quem está prestando atenção aos noticiários talvez esteja se perguntando o que poderia ser mais grave do que o desvio de recursos públicos para o caixa do partido da situação e o porquê dos acusados preferirem confessar estas irregularidades a admitir a existência do dito "Mensalão", mesmo sob o risco de terem seus direitos políticos cassados, como tem acontecido com vários dos envolvidos.

Montesquieu formulou em 1748 os princípios básicos da teoria da tripartição dos poderes constituídos na qual estaria baseada a democracia moderna.  A ideia era evitar a concentração do poder nas mãos de uma pessoa ou de um grupo resumido. A proposta central da teoria dos três poderes é a de que cada poder em suas atribuições equilibraria a autonomia do governo e interviria quando necessário nos outros promovendo a harmonia e uma maior organização na esfera governamental do Estado.

A partir da concepção da democracia teorizada por Montesquieu, contemplada na Constituição Federal da maioria dos países atualmente, inclusive o Brasil, fica fácil compreender o porquê de alguns dos principais representantes do governo preferirem o suicídio político a terem de assumir a suposta existência do esquema do Mensalão denunciado por Roberto Jefferson.

Na prática o Mensalão, se for comprovado no julgamento que começa na quinta-feira, terá sido uma tentativa de golpe contra a democracia. Representaria a anulação do Poder Legislativo pela compra do apoio incondicional de seus representantes e o consequente constrangimento do Poder Judiciário que seria obrigado a julgar de acordo com as leis sancionadas por eles. O Poder Executivo, ora representado pelo Presidente Lula e pelos Ministros de Estado indicados por ele, passaria a ser absoluto nas decisões que envolvem a vida dos cidadãos brasileiros. A propensa comprovação do esquema do Mensalão no Supremo Tribunal Federal significaria a tentativa da instauração de uma ditadura branca no Brasil, tendo o Partido dos Trabalhadores como principal beneficiado.

Por isso é melhor para eles assumir que houve malversação de recursos e desvio de dinheiro público por funcionários do alto escalão do governo, além da prática de "Caixa 2" que favoreceu a eleição de candidatos do PT, do que  admitir a existência do esquema do Mensalão. O povo tem demonstrado grande capacidade e desprendimento ao perdoar nas urnas seus representantes pela prática de corrupção. Mas nunca perdoou a ditadura.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Economia - O Conto do Vigário

Ninguém sabe ao certo como começou nem a origem do nome. Mas quase todo mundo sabe como funciona o Conto do Vigário. Alguém aparece com a promessa de lucro mirabolante. E tudo o que se tem de fazer é um pequeno investimento para levar uma grande vantagem. O folclore popular conta a história de um vigarista que, há muito tempo, convenceu uma rica família carioca de que seria procurador dos herdeiros do francês que projetou o Cristo Redentor. E vendeu o para os ricaços, prometendo que eles passariam a ter os direitos sobre a visitação da estátua.

Jornalismo - O "X" do Triplex

"- Fala companheiro, Tudo tranquilo?
- Você falou de um esquema...
- Ah, tá. É o seguinte... Sabe a Cooperativa? Então. Eu vou mandar construir um prédio inteiro só pra gente... Isso... pra diretoria... Em Guarujá. Você vai ficar com a cobertura, claro."
...
"É... Ninguém precisa pagar nada. Vou cobrar cota extra dos bancários. Eu dou os papéis de 'cotas' pra vocês, assino uns recibos e, para todos os efeitos, vocês são cooperados. Mas tem que declarar, senão vai sujar... Vou passar as mais baratas, só para constar. Não tem erro."

Economia - O Brasil e a Construção Naval

Em setembro de 1997 o BNDS expediu um relatório que pretendia expor as razões da derrocada da atividade de Construção Naval no país que fez com que caíssemos da 2ª posição no ranking mundial, e 1ª na América Latina, deixando mesmo de figurar entre os 20 países melhor colocados. O conhecimento de tal relatório é de importância fundamental para os que querem entender em que pé nos encontramos agora que retornamos ao cenário mundial e levantamentos indicam que ocupamos a 6ª posição no ranking. 
Porque, apesar de ter sido elaborado há quase 20 anos, o relatório traz informações aplicáveis a atual conjuntura. Entre outras coisas ressalta-se a certeza de que não aprendemos nada com os erros do passado. Continuamos a apostar no protecionismo  e no comprometimento do Estado em prol da incapacidade administrativa dos donos de Estaleiros e Armadores nacionais. Com resultados bastante previsíveis.