Pular para o conteúdo principal

Choose Your Language - by Google

Jornalismo - Imprensa Desregulada

Órgãos de imprensa desaprovam ato de Repórter da Band
Repórter da Band extrapola suas atribuições profissionais
Eu me manifesto veementemente contra toda e qualquer tentativa de mudança nas regras que orientam o pleno exercício da liberdade de imprensa propostas recentemente pelos órgãos governamentais brasileiros. Especialmente quando a regulamentação tem sido conduzida em termos evidentemente corporativistas, na defesa dos interesses de quem acredita estar no poder e se esquece que numa democracia o poder deveria emanar do povo, e não de quem ocupa um cargo criado para a prestação de serviços públicos. As autoridades constituídas tem se escondido atrás do falso argumento da defesa do interesse público para incitar o apoio a mudanças das regras, as quais tem por objetivo implícito auferir vantagens políticas aos seus propositores.


Quem define o interesse nas notícias veiculadas pela imprensa é a repercussão dada por seu público alvo. Neste sentido o governo faria bem em se preocupar com a educação do povo ao qual tem a pretensão de representar. Uma nação educada tem plenas condições de diferenciar a informação de qualidade, que vai ao encontro de seus interesses imediatos, daquela forjada no cunho sensacionalista, que não tem outra finalidade senão o de vender produtos suspeitos, rejeitando este último. O governo parece dizer que o povo é burro e não sabe escolher, admitindo assim sua incapacidade de se desincumbir das atribuições que lhe são próprias, ao assumir tarefas fora de sua competência.

A demonstração clara de que a sociedade tem capacidade para separar o joio sensacionalista do trigo da informação séria está no episódio recente ocorrido durante uma "reportagem" veiculada em cadeia nacional pelo jornalismo da Band, no programa Brasil Urgente. A repórter Mirella Bueno extrapolou de sua atribuição de informar a população de forma isenta e promoveu o linchamento moral de um suspeito nas dependências de uma delegacia da Bahia. A cena é revoltante para qualquer um que compreenda plenamente e também acredite no direito garantido pelas instituições democráticas. Tanto que a massiva repercussão contrária da população através das redes sociais deu ensejo a que o Ministério Público Federal na Bahia movesse ações contra a repórter e a emissora. Mesmo os jornalistas, em geral tão corporativistas quanto o governo, trataram de externar seu repúdio em uma  carta aberta à população.

Engana-se quem atribui à premissa da liberdade de imprensa poderes que coloquem os jornalistas acima da lei. Como qualquer direito legal, a liberdade de imprensa prevê deveres decorrentes que acabam por coibir flagrantes desrespeitos às convenções sociais, promovendo a auto-crítica jornalística, na medida em que se toma consciência de que os abusos ilegais serão respondidos na justiça. Isso por si só já seria suficiente para tornar desnecessário que o governo assuma o papel de tutor da imprensa, liberando sua atenção para as necessidades mais prementes da população que o elegeu, como a urgente reformulação do sistema educacional do país, que uma vez tomada seriamente haveria de mudar o ponto de vista daqueles poucos, diga-se, que se manifestaram favoráveis não vendo nada demais na atitude dos jornalistas envolvidos na ocorrência.

Leia mais a respeito na opinião da jornalista Eliane Brum, publicado na página do Observatório da Imprensa:
https://observatoriodaimprensa.com.br/news/view/_ed697_a_imprensa_que_estupra

Comentários

  1. Nota do editor

    Talvez alguns percebam e estranhem a mudança do título deste ensaio. Se fez necessário mudá-la em virtude do tradutor automático ter dado um sentido não intencionado pelo autor ao vertê-lo para o inglês. Minha preocupação se baseia nos dados do Clustrmaps ao lado, que dão conta de que este Blog é acessado por pessoas de vários países.

    Obrigado pela compreensão.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Seja bem vindo! Deixe um comentário e nós responderemos assim que possível.

Postagens mais visitadas deste blog

Economia - Estaleiro Mauá, Ainda Não é o Fim

Crise do setor naval é mais caótica do que possa parecer
Como você se sentiria se pudesse abrir uma empresa onde não fosse obrigado a investir em novas tecnologias? Onde não fosse preciso buscar a diversificação ou novas metodologias de trabalho, nem buscar o aperfeiçoamento da gestão empresarial, nem nada disso de que depende a sobrevivência das grandes empresas? Se você pudesse continuar a cometer os mesmos equívocos que no passado levaram empresas no mesmo ramo a fechar as portas e mesmo assim continuasse contar com crédito ilimitado no mercado, não importando o quão primários fossem os erros empresarias cometidos? E mesmo assim continuasse a ter prioridade em contratos milionários com a maior empresa estatal brasileira, sem o risco de ser incomodado pela concorrência de empresas estrangeiras? Provavelmente você julgaria ter alcançado o paraíso comercial.
Pois é exatamente assim que se sentem os donos de estaleiros navais. Não importa o que eles façam de suas empresas ou quantos erro…

Opinião - Cleptomania Não É Crime

Comecemos pelo óbvio. Embora a cleptomania não seja um crime, pode levar as pessoas a cometer um crime tipificado no código penal. Dependerá de um juiz aceitar ou não a alegação do distúrbio como atenuante, mas o fato é que, uma vez que a pessoa roube, ela cometeu um crime. Então vamos repetir para não perder o fio da meada: cleptomania não é crime, mas o ato de roubar mesmo quando provocado pela compulsão é.

Jornalismo - O "X" do Triplex

"- Fala companheiro, Tudo tranquilo?
- Você falou de um esquema...
- Ah, tá. É o seguinte... Sabe a Cooperativa? Então. Eu vou mandar construir um prédio inteiro só pra gente... Isso... pra diretoria... Em Guarujá. Você vai ficar com a cobertura, claro."
...
"É... Ninguém precisa pagar nada. Vou cobrar cota extra dos bancários. Eu dou os papéis de 'cotas' pra vocês, assino uns recibos e, para todos os efeitos, vocês são cooperados. Mas tem que declarar, senão vai sujar... Vou passar as mais baratas, só para constar. Não tem erro."