Pular para o conteúdo principal

Choose Your Language - by Google

Esportes - Errar é o Mano

herrar-e-o-mano
Ontem eu comentava o que provavelmente seria o estilo imposto por Mano Menezes à frente da seleção. Pressionar o adversário a partir de sua defesa pela constatação de que os jogadores da zaga em geral são menos habilidosos e portanto mais propensos a errar sob pressão do que os atacantes. Isso funcionou com a Dinamarca e com os Estados Unidos. Mas o que aconteceria se o Brasil enfrentasse uma seleção mais equilibrada tecnicamente e bem distribuída taticamente? Nada como um dia após o outro para dirimir nossas dúvidas.

Já pairavam dúvidas sobre as condições físicas exigíveis para manter a disposição tática do time, pressionando o adversário em seu campo durante os noventa minutos de cada jogo ao longo de uma competição. Este jogo contra o México parece ter respondido a este e a outros questionamentos. A Seleção que jogou hoje (3 de julho), se não aparentava cansaço físico, pelo menos em alguns momentos parecia se render ao esforço psicológico de ter que adequar-se rapidamente a uma filosofia de jogo à qual não estariam habituados.

A condição adversa de ter que se concentrar no esquema exigido pelo técnico parece  se confirmar pelas apáticas atuações de alguns jogadores, notadamente do Leandro Damião e do ídolo Neymar, aparentemente mais preocupados com a obediência tática do que com o desenvolvimento do futebol que jogam em seus respectivos clubes. Menos mal que isso se resolva com treinamento. Na medida em que os jogadores se acostumam com um esquema tático passam a se distribuir de maneira automática em campo e as jogadas acontecem naturalmente, deixando a mente livre para que a habilidade individual se manifeste. Pelo menos é o que sugere a teoria.

Outra questão levantada foi como o selecionado do Brasil reagiria, ou melhor se reagiria, numa condição adversa em que começasse o jogo perdendo. Pelo menos por enquanto a resposta parece ser não. O que vimos em campo a partir do primeiro gol mexicano foi um grupo de jovens esforçados, tentando a qualquer custo reverter o placar inesperado, enquanto o conceito de seleção taticamente organizada se esvaia com o passar do tempo. Na metade do segundo tempo eles já teriam entregue os pontos, como que nocauteados em pé, torcendo para aquilo acabar logo.

Só nos resta agora torcer para que esses jovens jogadores, junto com a comissão técnica, possam absorver as lições desta derrota para se concentrarem na preparação para a Olimpíada que é o que mais importa nestes amistosos, deixando de lado a rivalidade entre Brasil e Argentina no próximo jogo. Se eles entrarem em campo com a mentalidade de querer nos provar alguma coisa diante do time de Messi antes de estarem prontos, como mostram que ainda não estão, correm o risco de perder mais do que um jogo amistoso. Poderão perder a própria confiança em todo o trabalho desenvolvido até agora, o que seria desastroso para a competição

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Economia - O Conto do Vigário

Ninguém sabe ao certo como começou nem a origem do nome. Mas quase todo mundo sabe como funciona o Conto do Vigário. Alguém aparece com a promessa de lucro mirabolante. E tudo o que se tem de fazer é um pequeno investimento para levar uma grande vantagem. O folclore popular conta a história de um vigarista que, há muito tempo, convenceu uma rica família carioca de que seria procurador dos herdeiros do francês que projetou o Cristo Redentor. E vendeu o para os ricaços, prometendo que eles passariam a ter os direitos sobre a visitação da estátua.

Jornalismo - O "X" do Triplex

"- Fala companheiro, Tudo tranquilo?
- Você falou de um esquema...
- Ah, tá. É o seguinte... Sabe a Cooperativa? Então. Eu vou mandar construir um prédio inteiro só pra gente... Isso... pra diretoria... Em Guarujá. Você vai ficar com a cobertura, claro."
...
"É... Ninguém precisa pagar nada. Vou cobrar cota extra dos bancários. Eu dou os papéis de 'cotas' pra vocês, assino uns recibos e, para todos os efeitos, vocês são cooperados. Mas tem que declarar, senão vai sujar... Vou passar as mais baratas, só para constar. Não tem erro."

Economia - O Brasil e a Construção Naval

Em setembro de 1997 o BNDS expediu um relatório que pretendia expor as razões da derrocada da atividade de Construção Naval no país que fez com que caíssemos da 2ª posição no ranking mundial, e 1ª na América Latina, deixando mesmo de figurar entre os 20 países melhor colocados. O conhecimento de tal relatório é de importância fundamental para os que querem entender em que pé nos encontramos agora que retornamos ao cenário mundial e levantamentos indicam que ocupamos a 6ª posição no ranking. 
Porque, apesar de ter sido elaborado há quase 20 anos, o relatório traz informações aplicáveis a atual conjuntura. Entre outras coisas ressalta-se a certeza de que não aprendemos nada com os erros do passado. Continuamos a apostar no protecionismo  e no comprometimento do Estado em prol da incapacidade administrativa dos donos de Estaleiros e Armadores nacionais. Com resultados bastante previsíveis.