Pular para o conteúdo principal

Choose Your Language - by Google

Jornalismo - Caso Matsunaga

Caso Matsunaga
Elize Matsunaga
Mais uma vez vemos a sociedade brasileira obrigada a se confrontar consigo mesma e com os limites que o ser humano estaria disposto a ultrapassar na defesa de suas expectativas egotistas, não levando em conta as consequências de seus atos para com terceiros. Desta vez, vimos uma jovem senhora de trinta e oito anos,  da classe média alta de São Paulo, mãe de um bebê de um ano, dar um tiro na nuca do companheiro em seu apartamento, arrastá-lo para o banheiro de empregada, esquartejá-lo com a precisão cirúrgica de quem tem conhecimentos de anatomia, colocar os pedaços em malas e sair tranquilamente do prédio guiando o próprio carro a fim de se livrar dos restos mortais do marido na beira de uma estrada qualquer, como quem joga o lixo fora.

Fico imaginando se esta moça não seria aquela que junto a toda a sociedade se emocionou ao saber que os pais de uma menininha foram capazes de jogá-la do sexto andar de um prédio. Se ela não manifestou asco ao saber que uma jovem, quase sua xará, fora morta e esquartejada covardemente e sua carne foi usada para alimentar os cães. Ou se ela não se desesperançou ao ver nos noticiários que uma adolescente tinha matado os pais a marretadas para ficar com a herança. Quem sabe mais recentemente ela não teria se revoltado até quando foram divulgadas as imagens de uma mulher torturando um cãozinho até a morte na frente de uma criança pouco mais velha que sua própria filha.

Que tipo de gente seria capaz de tão revoltantes atos de atrocidade?
Nós não! Nós somos pessoas equilibradas, sensatas, incapazes de tais arroubos doentios. Nós jamais reagiríamos com tal frieza homicida diante da traição covarde de alguém. Nem mesmo ante a possibilidade da perda de poder, de dinheiro ou do amor abnegado a que temos direito a partir do momento que dedicamos nossas vidas ao projeto de uma vida inteira. Nós não somos assim. Somos pessoas comuns, que nos emocionamos, nos revoltamos e nos surpreendemos cada vez que nos damos conta de que em nosso meio podem existir pessoas assim.
Nós somos exatamente iguais esta boa vizinha, mãe ciosa e esposa dedicada era há menos de duas semanas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Economia - Estaleiro Mauá, Ainda Não é o Fim

Crise do setor naval é mais caótica do que possa parecer
Como você se sentiria se pudesse abrir uma empresa onde não fosse obrigado a investir em novas tecnologias? Onde não fosse preciso buscar a diversificação ou novas metodologias de trabalho, nem buscar o aperfeiçoamento da gestão empresarial, nem nada disso de que depende a sobrevivência das grandes empresas? Se você pudesse continuar a cometer os mesmos equívocos que no passado levaram empresas no mesmo ramo a fechar as portas e mesmo assim continuasse contar com crédito ilimitado no mercado, não importando o quão primários fossem os erros empresarias cometidos? E mesmo assim continuasse a ter prioridade em contratos milionários com a maior empresa estatal brasileira, sem o risco de ser incomodado pela concorrência de empresas estrangeiras? Provavelmente você julgaria ter alcançado o paraíso comercial.
Pois é exatamente assim que se sentem os donos de estaleiros navais. Não importa o que eles façam de suas empresas ou quantos erro…

Opinião - Cleptomania Não É Crime

Comecemos pelo óbvio. Embora a cleptomania não seja um crime, pode levar as pessoas a cometer um crime tipificado no código penal. Dependerá de um juiz aceitar ou não a alegação do distúrbio como atenuante, mas o fato é que, uma vez que a pessoa roube, ela cometeu um crime. Então vamos repetir para não perder o fio da meada: cleptomania não é crime, mas o ato de roubar mesmo quando provocado pela compulsão é.

Jornalismo - O "X" do Triplex

"- Fala companheiro, Tudo tranquilo?
- Você falou de um esquema...
- Ah, tá. É o seguinte... Sabe a Cooperativa? Então. Eu vou mandar construir um prédio inteiro só pra gente... Isso... pra diretoria... Em Guarujá. Você vai ficar com a cobertura, claro."
...
"É... Ninguém precisa pagar nada. Vou cobrar cota extra dos bancários. Eu dou os papéis de 'cotas' pra vocês, assino uns recibos e, para todos os efeitos, vocês são cooperados. Mas tem que declarar, senão vai sujar... Vou passar as mais baratas, só para constar. Não tem erro."