Pular para o conteúdo principal

Choose Your Language - by Google

Opinião - Wagner Moura Lavou-me a Alma

Wagner Moura canta Legião urbana
Wagner Moura -Foto divulgação G1
Antes de ontem e ontem (30 de Maio) o nome de Wagner Moura movimentou a mídia eletrônica chegando a ficar por quase trinta horas ininterruptas nos Trends Brasil do Twitter. Tudo por conta do tributo prestado a Renato Russo para o qual foi convidado por ninguém menos do que os próprios Dado Villa-Lobos e Marcelo Bonfá. E sua performance deu o que falar, tanto a favor quanto contra.

Logo nas primeiras notas dissonantes os críticos se apressaram a manifestar sua contrariedade ao questionar a escolha de um ator para exercer a função que, na opinião deles caberia a um cantor tarimbado, ao ponto de especularem sobre os prováveis substitutos para Renato Russo. Nomes como os de Seu Jorge e Jerry Adriani foram bem lembrados.


À medida em que o público reagia positivamente, e quão positivamente reagiam ao espetáculo, os discursos outrora ácidos foram amenizando e lá pela metade do show já havia os que defendiam que Wagner Moura, a despeito de suas audíveis limitações vocais, estaria se superando em sua atuação no papel  de Renato Russo.

Quão equivocados estavam todos eles. Nem Wagner Moura teria a pretensão de ocupar o lugar de Renato Russo como cantor, tão pouco estaria ele atuando. Wagner Moura estava sendo autêntico. Tanto que não me lembro jamais ter visto um ator ser tão autêntico.

Quem estava ali era o cidadão Wagner Maniçoba de Moura, um jovem baiano que aos trinta e cinco anos de idade realizava o sonho de subir ao palco acompanhado pelos ícones de sua banda de rock preferida. A banda que, segundo  suas palavras, mudara seu modo de ver a vida. Wagner Moura era só um fã extasiado, arrebatado, emocionado.

Paradoxalmente, na autêntica emoção que o arrebatava, Wagner Moura estava representando, quase sem querer, o que um dia talvez seja reconhecido como o melhor papel de sua já brilhante carreira. Wagner Moura era eu, era você. Wagner Moura era todo aquele que um dia sonhou cantar com seus ídolos. Éramos nós no palco cantando Andrea Doria, Índios, Faroeste Caboclo, Angra dos Reis... a plenos pulmões. E se ele repetisse o que Caetano um dia gritara para a crítica, estaria coberto de razão.

"Vocês não estão entendendo nada, nada, nada, absolutamente nada. Vocês estão por fora." (*)

Wagner Moura já havia vencido.

Não posso terminar este ensaio sem me referir às verdadeiras paródias da noite. Danilo Gentili e Rafinha Bastos, que a unanimidade burra da mídia insiste em confundir com comediantes, mal conhecem o ofício que pretendem exercer se um dia o aprenderem, mas se meteram a críticos musicais no Twitter, no que foram devidamente rechaçados até por quem se dizia seus fãs. Outro que quis pegar carona no carisma alheio para se promover foi o Marcos Mion. Na pressa ele nem se deu ao trabalho de saber de quem estavam falando, e despejou seus impropérios sobre o pobre do Wagner Montes, que aquela hora poderia estar dormindo em casa, sem saber de nada do que estava acontecendo.

Fui dormir o sono dos justos com a alma lavada.

(*) Caetano Veloso ao ser vaiado no Festival Internacional da Canção (FIC), no auditório da PUC-RJ, em 1968, quando cantou “É proibido proibir“.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Economia - Estaleiro Mauá, Ainda Não é o Fim

Crise do setor naval é mais caótica do que possa parecer
Como você se sentiria se pudesse abrir uma empresa onde não fosse obrigado a investir em novas tecnologias? Onde não fosse preciso buscar a diversificação ou novas metodologias de trabalho, nem buscar o aperfeiçoamento da gestão empresarial, nem nada disso de que depende a sobrevivência das grandes empresas? Se você pudesse continuar a cometer os mesmos equívocos que no passado levaram empresas no mesmo ramo a fechar as portas e mesmo assim continuasse contar com crédito ilimitado no mercado, não importando o quão primários fossem os erros empresarias cometidos? E mesmo assim continuasse a ter prioridade em contratos milionários com a maior empresa estatal brasileira, sem o risco de ser incomodado pela concorrência de empresas estrangeiras? Provavelmente você julgaria ter alcançado o paraíso comercial.
Pois é exatamente assim que se sentem os donos de estaleiros navais. Não importa o que eles façam de suas empresas ou quantos erro…

Opinião - Cleptomania Não É Crime

Comecemos pelo óbvio. Embora a cleptomania não seja um crime, pode levar as pessoas a cometer um crime tipificado no código penal. Dependerá de um juiz aceitar ou não a alegação do distúrbio como atenuante, mas o fato é que, uma vez que a pessoa roube, ela cometeu um crime. Então vamos repetir para não perder o fio da meada: cleptomania não é crime, mas o ato de roubar mesmo quando provocado pela compulsão é.

Jornalismo - O "X" do Triplex

"- Fala companheiro, Tudo tranquilo?
- Você falou de um esquema...
- Ah, tá. É o seguinte... Sabe a Cooperativa? Então. Eu vou mandar construir um prédio inteiro só pra gente... Isso... pra diretoria... Em Guarujá. Você vai ficar com a cobertura, claro."
...
"É... Ninguém precisa pagar nada. Vou cobrar cota extra dos bancários. Eu dou os papéis de 'cotas' pra vocês, assino uns recibos e, para todos os efeitos, vocês são cooperados. Mas tem que declarar, senão vai sujar... Vou passar as mais baratas, só para constar. Não tem erro."