Pular para o conteúdo principal

Choose Your Language - by Google

Filosofia - Destino, Casualidade e Fatalidade

Fatalidade na Ponte Rio-Niterói
Qual a probabilidade de ser atingido pela roda de um carro vindo no sentido contrário quando se está seguindo em direção ao Rio de Janeiro na ponte Rio-Niterói às cinco horas da madrugada, quando a ponte deveria estar praticamente deserta?

Pois o improvável aconteceu na madrugada desta segunda-feira, 28 de Maio.

Um Kadett seguia em direção a Niterói quando de repente uma das rodas traseiras se soltou, atravessou para a outra pista e atingiu em cheio uma Uno que vinha em sentido contrário, causando a morte instantânea do motorista.

Particularmente não acredito nas hipóteses sobre a predestinação que dão conta de que temos uma hora predeterminada para morrer e que não importa o que façamos esta hora seja impreterível. Eu acredito na fatalidade da morte que sobrevém inexoravelmente a todos nós.

Podemos morrer de várias maneiras, desde as maneiras mais estúpidas até as mais ridículas possíveis. Podemos morrer tomando um simples banho, no banheiro de casa, ou enquanto tomamos uma sopinha à tarde, ou apenas cumprindo nossas obrigações conjugais, como já ouvi casos, enfim. Existem muitas formas de morrermos, excluindo ainda os casos absurdos em que alguém pode decidir por provocar deliberadamente nossas mortes. Somem-se agora às estatísticas a possibilidade de morrermos atingidos pela roda de um carro quando todos considerariam isto improvável.

Contam que o motorista chegou a frear bruscamente, o que significa que ele deve ter vislumbrado num misto de surpresa e estupefação o que estava acontecendo segundos antes de morrer. Não consigo expurgar da mente a cena que minha imaginação fértil tratou de criar a partir dos relatos noticiosos.

Eu não vou mudar meu ponto de vista sobre a fatalidade da morte por causa deste episódio, afinal sei que acidentes acontecem, e que no mais das vezes a manutenção da vida nestes casos pode se apresentar mais improvável do que a própria morte. Mas confesso que a casualidade em que se deu a morte deste jovem senhor aos 32 anos de idade abalou a estrutura lógica sobre a qual tratei de racionalizar minha relação com a expectativa da morte.

Só me resta agora voltar-me para a dor dos familiares e amigos da vítima de mais esta fatalidade do trânsito, usando este espaço para manifestar-lhes minhas sinceras condolências pelo infortúnio.

Sem mais ...


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Economia - O Conto do Vigário

Ninguém sabe ao certo como começou nem a origem do nome. Mas quase todo mundo sabe como funciona o Conto do Vigário. Alguém aparece com a promessa de lucro mirabolante. E tudo o que se tem de fazer é um pequeno investimento para levar uma grande vantagem. O folclore popular conta a história de um vigarista que, há muito tempo, convenceu uma rica família carioca de que seria procurador dos herdeiros do francês que projetou o Cristo Redentor. E vendeu o para os ricaços, prometendo que eles passariam a ter os direitos sobre a visitação da estátua.

Jornalismo - O "X" do Triplex

"- Fala companheiro, Tudo tranquilo?
- Você falou de um esquema...
- Ah, tá. É o seguinte... Sabe a Cooperativa? Então. Eu vou mandar construir um prédio inteiro só pra gente... Isso... pra diretoria... Em Guarujá. Você vai ficar com a cobertura, claro."
...
"É... Ninguém precisa pagar nada. Vou cobrar cota extra dos bancários. Eu dou os papéis de 'cotas' pra vocês, assino uns recibos e, para todos os efeitos, vocês são cooperados. Mas tem que declarar, senão vai sujar... Vou passar as mais baratas, só para constar. Não tem erro."

Economia - O Brasil e a Construção Naval

Em setembro de 1997 o BNDS expediu um relatório que pretendia expor as razões da derrocada da atividade de Construção Naval no país que fez com que caíssemos da 2ª posição no ranking mundial, e 1ª na América Latina, deixando mesmo de figurar entre os 20 países melhor colocados. O conhecimento de tal relatório é de importância fundamental para os que querem entender em que pé nos encontramos agora que retornamos ao cenário mundial e levantamentos indicam que ocupamos a 6ª posição no ranking. 
Porque, apesar de ter sido elaborado há quase 20 anos, o relatório traz informações aplicáveis a atual conjuntura. Entre outras coisas ressalta-se a certeza de que não aprendemos nada com os erros do passado. Continuamos a apostar no protecionismo  e no comprometimento do Estado em prol da incapacidade administrativa dos donos de Estaleiros e Armadores nacionais. Com resultados bastante previsíveis.