Pular para o conteúdo principal

Choose Your Language - by Google

Filosofando

A filosofia a favor do conhecimento
Parece persistir no julgamento popular a ideia de que a finalidade da Filosofia seja a de destruir as crendices atacando seus alicerces ideológicos. No entanto, ao figurarmos que a crendice nada mais seria do que a manifesta predisposição do crédulo em crer, precisamos compreender que não podemos promover o fim da crendice sem propor, ainda que sub-repticiamente, a extinção daqueles que se apresentam naturalmente inclinados a crer. Não é ensejo da Filosofia promover uma inquisição nos moldes do proselitismo medieval, impondo um juízo universal ao pensamento e condenando os renitentes ao ostracismo da indigência intelectual, não. Os jovens filósofos que parecem assumir para si esta missão quixotesca nada mais fazem do dar vida aos dragões que, sem a importância que lhes dão, não passariam de moinhos de vento.


A Filosofia pretende quando muito causar um salutar desconforto á crendice, induzindo ao crédulo a repensar as bases de suas convicções. Ao desequilibrar as bases do conformismo, justificado ou não, o criticismo filosófico tira as crenças da área de conforto monolítico em que se encontram, ao tempo que disponibiliza métodos e técnicas criteriosas que tornem o repensar dos ideais produtivo para quem se predisponha a entender suas motivações.

Sempre haverá a possibilidade de que, ao reavaliar criticamente os alicerces de suas convicções, alguém encontre razão para reafirmá-las. Mesmo que depois da análise crítica dos preconceitos adquiridos alguém possa reiterar racionalmente aquilo em que acredita, a Filosofia terá cumprido seu objetivo. O fazer pensar e pensar criticamente.

Vemos então o caráter construtivo da Filosofia, que contrasta com o senso comum de uma suposta  necessidade da destruição dos valores acumulados ao longo do percurso da humanidade.

A Filosofia quando encarada como um fim em si mesma fica reduzida ao fim que lhe derem, não contribuindo para a construção de nada novo. Mas, se vista com um meio de compreensão do que nos cerca e de nós mesmos inseridos neste contexto, a Filosofia é uma poderosa ferramenta de desenvolvimento social.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Economia - O Conto do Vigário

Ninguém sabe ao certo como começou nem a origem do nome. Mas quase todo mundo sabe como funciona o Conto do Vigário. Alguém aparece com a promessa de lucro mirabolante. E tudo o que se tem de fazer é um pequeno investimento para levar uma grande vantagem. O folclore popular conta a história de um vigarista que, há muito tempo, convenceu uma rica família carioca de que seria procurador dos herdeiros do francês que projetou o Cristo Redentor. E vendeu o para os ricaços, prometendo que eles passariam a ter os direitos sobre a visitação da estátua.

Economia - O Brasil e a Construção Naval

Em setembro de 1997 o BNDS expediu um relatório que pretendia expor as razões da derrocada da atividade de Construção Naval no país que fez com que caíssemos da 2ª posição no ranking mundial, e 1ª na América Latina, deixando mesmo de figurar entre os 20 países melhor colocados. O conhecimento de tal relatório é de importância fundamental para os que querem entender em que pé nos encontramos agora que retornamos ao cenário mundial e levantamentos indicam que ocupamos a 6ª posição no ranking. 
Porque, apesar de ter sido elaborado há quase 20 anos, o relatório traz informações aplicáveis a atual conjuntura. Entre outras coisas ressalta-se a certeza de que não aprendemos nada com os erros do passado. Continuamos a apostar no protecionismo  e no comprometimento do Estado em prol da incapacidade administrativa dos donos de Estaleiros e Armadores nacionais. Com resultados bastante previsíveis.

Política - E Agora?

Com 61 votos a favor e 20 contra foi aprovado o afastamento definitivo da Sra. Dilma Rousseff na tarde de quarta-feira, dia 31 de agosto. Os que eram contrários ao processo contra a Ex-Presidente acordaram hoje, dia 1º de setembro, perguntando o que foi que mudou com o impeachment. Argumentam que ainda estamos na mesma situação de ontem, como se uma noite fosse suficiente para desfazer todos os equívocos perpetrados ao longo de 13 anos.

Mas o que realmente mudou a partir da efetivação definitiva de Michel Temer na cadeira da Presidência?