Pular para o conteúdo principal

Choose Your Language - by Google

Filosofando

A filosofia a favor do conhecimento
Parece persistir no julgamento popular a ideia de que a finalidade da Filosofia seja a de destruir as crendices atacando seus alicerces ideológicos. No entanto, ao figurarmos que a crendice nada mais seria do que a manifesta predisposição do crédulo em crer, precisamos compreender que não podemos promover o fim da crendice sem propor, ainda que sub-repticiamente, a extinção daqueles que se apresentam naturalmente inclinados a crer. Não é ensejo da Filosofia promover uma inquisição nos moldes do proselitismo medieval, impondo um juízo universal ao pensamento e condenando os renitentes ao ostracismo da indigência intelectual, não. Os jovens filósofos que parecem assumir para si esta missão quixotesca nada mais fazem do dar vida aos dragões que, sem a importância que lhes dão, não passariam de moinhos de vento.


A Filosofia pretende quando muito causar um salutar desconforto á crendice, induzindo ao crédulo a repensar as bases de suas convicções. Ao desequilibrar as bases do conformismo, justificado ou não, o criticismo filosófico tira as crenças da área de conforto monolítico em que se encontram, ao tempo que disponibiliza métodos e técnicas criteriosas que tornem o repensar dos ideais produtivo para quem se predisponha a entender suas motivações.

Sempre haverá a possibilidade de que, ao reavaliar criticamente os alicerces de suas convicções, alguém encontre razão para reafirmá-las. Mesmo que depois da análise crítica dos preconceitos adquiridos alguém possa reiterar racionalmente aquilo em que acredita, a Filosofia terá cumprido seu objetivo. O fazer pensar e pensar criticamente.

Vemos então o caráter construtivo da Filosofia, que contrasta com o senso comum de uma suposta  necessidade da destruição dos valores acumulados ao longo do percurso da humanidade.

A Filosofia quando encarada como um fim em si mesma fica reduzida ao fim que lhe derem, não contribuindo para a construção de nada novo. Mas, se vista com um meio de compreensão do que nos cerca e de nós mesmos inseridos neste contexto, a Filosofia é uma poderosa ferramenta de desenvolvimento social.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Economia - O Conto do Vigário

Ninguém sabe ao certo como começou nem a origem do nome. Mas quase todo mundo sabe como funciona o Conto do Vigário. Alguém aparece com a promessa de lucro mirabolante. E tudo o que se tem de fazer é um pequeno investimento para levar uma grande vantagem. O folclore popular conta a história de um vigarista que, há muito tempo, convenceu uma rica família carioca de que seria procurador dos herdeiros do francês que projetou o Cristo Redentor. E vendeu o para os ricaços, prometendo que eles passariam a ter os direitos sobre a visitação da estátua.

Jornalismo - O "X" do Triplex

"- Fala companheiro, Tudo tranquilo?
- Você falou de um esquema...
- Ah, tá. É o seguinte... Sabe a Cooperativa? Então. Eu vou mandar construir um prédio inteiro só pra gente... Isso... pra diretoria... Em Guarujá. Você vai ficar com a cobertura, claro."
...
"É... Ninguém precisa pagar nada. Vou cobrar cota extra dos bancários. Eu dou os papéis de 'cotas' pra vocês, assino uns recibos e, para todos os efeitos, vocês são cooperados. Mas tem que declarar, senão vai sujar... Vou passar as mais baratas, só para constar. Não tem erro."

Economia - O Brasil e a Construção Naval

Em setembro de 1997 o BNDS expediu um relatório que pretendia expor as razões da derrocada da atividade de Construção Naval no país que fez com que caíssemos da 2ª posição no ranking mundial, e 1ª na América Latina, deixando mesmo de figurar entre os 20 países melhor colocados. O conhecimento de tal relatório é de importância fundamental para os que querem entender em que pé nos encontramos agora que retornamos ao cenário mundial e levantamentos indicam que ocupamos a 6ª posição no ranking. 
Porque, apesar de ter sido elaborado há quase 20 anos, o relatório traz informações aplicáveis a atual conjuntura. Entre outras coisas ressalta-se a certeza de que não aprendemos nada com os erros do passado. Continuamos a apostar no protecionismo  e no comprometimento do Estado em prol da incapacidade administrativa dos donos de Estaleiros e Armadores nacionais. Com resultados bastante previsíveis.