Pular para o conteúdo principal

Choose Your Language - by Google

CPI - Entre Sujos e Mal Lavados

sheherazade_sbt
A apresentadora paraibana Rachel Sheherazade, que ficou famosa por seus comentários ácidos sobre o carnaval enquanto trabalhava na TV Tambaú, continua a manifestar opiniões polêmicas, agora alçada ao cargo de âncora do SBT Brasil por ninguém menos que o próprio Sílvio Santos.

No último dia 19, ao final da reportagem que dava conta da oficialização da CPI que investigará o envolvimento do contraventor Carlinhos Cachoeira com políticos brasileiros, Rachel disse tratar-se dos "sujos investigando os mal lavados". Um comentário que se equilibra na débil linha que separa o corajoso do irresponsável. Corajosa ela foi sim, ao refletir a opinião da maioria das pessoas de bem neste país. Mas resvalou a irresponsabilidade ao atribuir irrestritamente o adjetivos a todos os participantes da CPI.

Os mal lavados nós sabemos de quem se tratam. Seriam os políticos que se deixaram flagrar em conversas  telefônicas que vão para além de suspeitas com um bicheiro conhecido e seus asseclas mais próximos. Difícil talvez fosse tentar identificar os sujos desta história. Estaria ela se referindo ao inteiro colegiado formado por dezesseis senadores e outros tantos deputados federais? Ou talvez ela quisesse ser mais específica fazendo referência à participação de Fernando Collor de Melo e Renan Calheiros que já foram alvo de investigações em CPIs anteriores. Ou ainda ao fato de José Dirceu, outro que já se viu enrolado numa CPI, estar sendo determinante na escolha do cargo mais importante na CPI depois de seu presidente. Ficou acertado que a relatoria da CPI, que tem poderes para apontar os rumos da investigação, ficaria com o PT.  E é aí que entra o poder de articulação que o caudilho ainda  mantém dentro do partido.

Aliás, sejamos francos, o mais difícil nesta CPI seria encontrar alguém que não tenha passado pelo constrangimento de ter seu nome citado em algum tipo de investigação. A nós, meros mortais, que assistimos impotentes o desenrolar dos fatos, resta torcer que na iminente guerra entre sujos e mal lavados a ser travada nos recônditos obscuros da vida política brasileira se levantem finalmente os pomposos tapetes que decoram os salões e possamos finalmente ver todo o lixo que se escondeu por lá na última década.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Economia - O Conto do Vigário

Ninguém sabe ao certo como começou nem a origem do nome. Mas quase todo mundo sabe como funciona o Conto do Vigário. Alguém aparece com a promessa de lucro mirabolante. E tudo o que se tem de fazer é um pequeno investimento para levar uma grande vantagem. O folclore popular conta a história de um vigarista que, há muito tempo, convenceu uma rica família carioca de que seria procurador dos herdeiros do francês que projetou o Cristo Redentor. E vendeu o para os ricaços, prometendo que eles passariam a ter os direitos sobre a visitação da estátua.

Jornalismo - O "X" do Triplex

"- Fala companheiro, Tudo tranquilo?
- Você falou de um esquema...
- Ah, tá. É o seguinte... Sabe a Cooperativa? Então. Eu vou mandar construir um prédio inteiro só pra gente... Isso... pra diretoria... Em Guarujá. Você vai ficar com a cobertura, claro."
...
"É... Ninguém precisa pagar nada. Vou cobrar cota extra dos bancários. Eu dou os papéis de 'cotas' pra vocês, assino uns recibos e, para todos os efeitos, vocês são cooperados. Mas tem que declarar, senão vai sujar... Vou passar as mais baratas, só para constar. Não tem erro."

Economia - O Brasil e a Construção Naval

Em setembro de 1997 o BNDS expediu um relatório que pretendia expor as razões da derrocada da atividade de Construção Naval no país que fez com que caíssemos da 2ª posição no ranking mundial, e 1ª na América Latina, deixando mesmo de figurar entre os 20 países melhor colocados. O conhecimento de tal relatório é de importância fundamental para os que querem entender em que pé nos encontramos agora que retornamos ao cenário mundial e levantamentos indicam que ocupamos a 6ª posição no ranking. 
Porque, apesar de ter sido elaborado há quase 20 anos, o relatório traz informações aplicáveis a atual conjuntura. Entre outras coisas ressalta-se a certeza de que não aprendemos nada com os erros do passado. Continuamos a apostar no protecionismo  e no comprometimento do Estado em prol da incapacidade administrativa dos donos de Estaleiros e Armadores nacionais. Com resultados bastante previsíveis.