Pular para o conteúdo principal

Choose Your Language - by Google

Economia - Dinheiro de Mentirinha

"CONSTITUIÇÃO FEDERAL - CAPÍTULO II 
Das Finanças Públicas - SEÇÃO I - Normas Gerais 
 Art. 164.  A competência da União para emitir moeda será exercida exclusivamente pelo Banco Central."
Dinheiro FalsoO Real cada vez mais se destaca no cenário mundial como uma moeda forte, sendo usado até como opção de câmbio confiável na economia formal de vários países, notadamente na América Latina. Na contramão desta notável valorização de nossa moeda, governos estaduais e suas prefeituras tem estimulado uma equivocada política social que pretende substituir a circulação do Real pela de papéis sem nenhum valor monetário dentro de "comunidades" fechadas pelo arbítrio dos governantes, que aparentemente insistem em não reconhecer a inserção dos moradores de nichos específicos nas grandes comunidades que governam, que são seus Estados e cidades como um todo indistinto.

A iniciativa apoiada pelo Governo Federal tem o suporte moral do Banco Central, e se diz amparada pelo pretenso "princípio da economia social". Mas o próprio representante do Banco Central que manifestou o apoio da entidade aos bancos sociais, fez questão de esclarecer que as "moedas sociais" não tem valor. "A moeda social não substitui o dinheiro e não pode ser usada em obrigações pecuniárias, porque não têm curso forçado, nem poder liberatório assegurado por lei. Sua emissão não pode conter ou implicar promessa de pagamento em dinheiro ao portador" disse o representante do Banco Central ao portal do IG (Para ler a entrevista clique em "Banco Central"  acima).

Mas, a quem poderia interessar a troca de uma moeda reconhecidamente forte por um papel sem nenhum valor?


Esta troca não favorece a ninguém, senão a instituições financeiras sem nenhuma tradição no mercado, que se locupletam do incentivo de políticas públicas para captar recursos financeiros dentro das camadas menos assistidas da sociedade. A mecânica é muito simples: as associações de moradores entregam a estas instituições o dinheiro de verdade que conseguem arrecadar junto aos trabalhadores que moram em áreas pobres das cidades e recebem em troca um dinheiro de mentirinha, que será distribuído para ser usado  em estabelecimentos comerciais dentro de um território restrito pela atuação destas associações.


Enquanto isso as instituições que oferecem este desserviço à economia dispõem à vontade do dinheiro dos moradores para investir no que bem entenderem, à revelia da vontade daqueles que efetivamente trabalharam para ganhar este dinheiro, criando uma relação distorcida entre o trabalho e sua tradução na aquisição de bens e serviços nas áreas onde o dinheiro for substituído por este papel. Ao passo que os comerciantes não podem contabilizar oficialmente o papel recebido nas transações comerciais que usam estes papéis, senão mediante subterfúgios suspeitos, vemos o governo estimulando a economia informal em nichos mal assistidos da sociedade o que, na medida em que tem se proliferado, representaria um grande prejuízo ao sistema financeiro no futuro, uma vez que o papel não oficial pode ser usado para driblar os dispositivos de controle da circulação monetária implementados pelo próprio Banco Central e entidades fiscalizadoras da economia.


Com a troca do dinheiro de verdade pelas "moedas sociais" sem valor, a verdadeira atividade econômica do Estado, mensurável pelos padrões que regem a economia, corre o risco de ficar restrita aos que ficaram com o dinheiro de verdade, excluindo ainda mais das estatiticas oficiais os que optarem por usar esse dinheiro de mentirinha.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Economia - O Conto do Vigário

Ninguém sabe ao certo como começou nem a origem do nome. Mas quase todo mundo sabe como funciona o Conto do Vigário. Alguém aparece com a promessa de lucro mirabolante. E tudo o que se tem de fazer é um pequeno investimento para levar uma grande vantagem. O folclore popular conta a história de um vigarista que, há muito tempo, convenceu uma rica família carioca de que seria procurador dos herdeiros do francês que projetou o Cristo Redentor. E vendeu o para os ricaços, prometendo que eles passariam a ter os direitos sobre a visitação da estátua.

Jornalismo - O "X" do Triplex

"- Fala companheiro, Tudo tranquilo?
- Você falou de um esquema...
- Ah, tá. É o seguinte... Sabe a Cooperativa? Então. Eu vou mandar construir um prédio inteiro só pra gente... Isso... pra diretoria... Em Guarujá. Você vai ficar com a cobertura, claro."
...
"É... Ninguém precisa pagar nada. Vou cobrar cota extra dos bancários. Eu dou os papéis de 'cotas' pra vocês, assino uns recibos e, para todos os efeitos, vocês são cooperados. Mas tem que declarar, senão vai sujar... Vou passar as mais baratas, só para constar. Não tem erro."

Economia - O Brasil e a Construção Naval

Em setembro de 1997 o BNDS expediu um relatório que pretendia expor as razões da derrocada da atividade de Construção Naval no país que fez com que caíssemos da 2ª posição no ranking mundial, e 1ª na América Latina, deixando mesmo de figurar entre os 20 países melhor colocados. O conhecimento de tal relatório é de importância fundamental para os que querem entender em que pé nos encontramos agora que retornamos ao cenário mundial e levantamentos indicam que ocupamos a 6ª posição no ranking. 
Porque, apesar de ter sido elaborado há quase 20 anos, o relatório traz informações aplicáveis a atual conjuntura. Entre outras coisas ressalta-se a certeza de que não aprendemos nada com os erros do passado. Continuamos a apostar no protecionismo  e no comprometimento do Estado em prol da incapacidade administrativa dos donos de Estaleiros e Armadores nacionais. Com resultados bastante previsíveis.