Pular para o conteúdo principal

Choose Your Language - by Google

Propaganda - Censura à Gisele Bündchen


Está começando a ficar perigosa a ingerência do governo nos assuntos relacionados a livre expressão das empresas de marketing e propaganda. Se o caso da Gisele Bündchen fosse um fato isolado, seria apenas mais uma bola fora de um governo que não entende os limites de sua atuação. Mas, se juntarmos este caso à recente tentativa de tirar do ar aos "Pôneis Malditos" da Nissan, o caso toma contornos preocupantes.
 Ora, o fato é que, uma propaganda será tão bem sucedida quanto for capaz de angariar a aprovação de seu público alvo, neste caso as mulheres. E se a mensagem não agradar ao público, o produto será rejeitado pela população, remanescendo nas prateleiras.
O governo, mais do que preocupado com a reação de seus cidadãos diante desta ou daquela mensagem, está usando de sua autoridade para decidir o que eles podem ou não podem ver. Mas, quando o governo demonstra não confiar na capacidade de discernimento de seus cidadãos abre precendentes de proporções incalculáveis, na medida em que põe em dúvida as bases da democracia. Afinal é na capacidade de discernimento do cidadão que baseamos as eleições democráticas aos nossos mandatários. E se o governo se arvorar em decidir que os cidadãos não são capazes de discernir entre o aceitável e o reprovável, entre o certo e o errado, pode resolver vedar-lhe também este direito. Porque, em última instância, é isto que está acontecendo no caso das propagandas.
A aceitação ou a rejeição do público deveria ser entendida como a melhor forma de regulação da propaganda, salvo os casos em que haja flagrante desrespeito às leis vigentes. Mas o governo tem a pretensão de saber por antecipação qual será a reação da população em geral, impedindo com a proibição da veiculação da peça publicitaria, que o povo possa emitir sua opinião na forma da aquisição ou do desprezo à marca assim veiculada.
Em contrapartida, a Hope agradece a deferência. Pois é de conhecimento público que as vendas da Nissan aumentaram consideravelmente, desde que os órgãos de regulação passaram a implicar com a veiculação da peça sobre os Pôneis Malditos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Economia - Estaleiro Mauá, Ainda Não é o Fim

Crise do setor naval é mais caótica do que possa parecer
Como você se sentiria se pudesse abrir uma empresa onde não fosse obrigado a investir em novas tecnologias? Onde não fosse preciso buscar a diversificação ou novas metodologias de trabalho, nem buscar o aperfeiçoamento da gestão empresarial, nem nada disso de que depende a sobrevivência das grandes empresas? Se você pudesse continuar a cometer os mesmos equívocos que no passado levaram empresas no mesmo ramo a fechar as portas e mesmo assim continuasse contar com crédito ilimitado no mercado, não importando o quão primários fossem os erros empresarias cometidos? E mesmo assim continuasse a ter prioridade em contratos milionários com a maior empresa estatal brasileira, sem o risco de ser incomodado pela concorrência de empresas estrangeiras? Provavelmente você julgaria ter alcançado o paraíso comercial.
Pois é exatamente assim que se sentem os donos de estaleiros navais. Não importa o que eles façam de suas empresas ou quantos erro…

Opinião - Cleptomania Não É Crime

Comecemos pelo óbvio. Embora a cleptomania não seja um crime, pode levar as pessoas a cometer um crime tipificado no código penal. Dependerá de um juiz aceitar ou não a alegação do distúrbio como atenuante, mas o fato é que, uma vez que a pessoa roube, ela cometeu um crime. Então vamos repetir para não perder o fio da meada: cleptomania não é crime, mas o ato de roubar mesmo quando provocado pela compulsão é.

Jornalismo - O "X" do Triplex

"- Fala companheiro, Tudo tranquilo?
- Você falou de um esquema...
- Ah, tá. É o seguinte... Sabe a Cooperativa? Então. Eu vou mandar construir um prédio inteiro só pra gente... Isso... pra diretoria... Em Guarujá. Você vai ficar com a cobertura, claro."
...
"É... Ninguém precisa pagar nada. Vou cobrar cota extra dos bancários. Eu dou os papéis de 'cotas' pra vocês, assino uns recibos e, para todos os efeitos, vocês são cooperados. Mas tem que declarar, senão vai sujar... Vou passar as mais baratas, só para constar. Não tem erro."