Pular para o conteúdo principal

Choose Your Language - by Google

Propaganda - Censura à Gisele Bündchen


Está começando a ficar perigosa a ingerência do governo nos assuntos relacionados a livre expressão das empresas de marketing e propaganda. Se o caso da Gisele Bündchen fosse um fato isolado, seria apenas mais uma bola fora de um governo que não entende os limites de sua atuação. Mas, se juntarmos este caso à recente tentativa de tirar do ar aos "Pôneis Malditos" da Nissan, o caso toma contornos preocupantes.
 Ora, o fato é que, uma propaganda será tão bem sucedida quanto for capaz de angariar a aprovação de seu público alvo, neste caso as mulheres. E se a mensagem não agradar ao público, o produto será rejeitado pela população, remanescendo nas prateleiras.
O governo, mais do que preocupado com a reação de seus cidadãos diante desta ou daquela mensagem, está usando de sua autoridade para decidir o que eles podem ou não podem ver. Mas, quando o governo demonstra não confiar na capacidade de discernimento de seus cidadãos abre precendentes de proporções incalculáveis, na medida em que põe em dúvida as bases da democracia. Afinal é na capacidade de discernimento do cidadão que baseamos as eleições democráticas aos nossos mandatários. E se o governo se arvorar em decidir que os cidadãos não são capazes de discernir entre o aceitável e o reprovável, entre o certo e o errado, pode resolver vedar-lhe também este direito. Porque, em última instância, é isto que está acontecendo no caso das propagandas.
A aceitação ou a rejeição do público deveria ser entendida como a melhor forma de regulação da propaganda, salvo os casos em que haja flagrante desrespeito às leis vigentes. Mas o governo tem a pretensão de saber por antecipação qual será a reação da população em geral, impedindo com a proibição da veiculação da peça publicitaria, que o povo possa emitir sua opinião na forma da aquisição ou do desprezo à marca assim veiculada.
Em contrapartida, a Hope agradece a deferência. Pois é de conhecimento público que as vendas da Nissan aumentaram consideravelmente, desde que os órgãos de regulação passaram a implicar com a veiculação da peça sobre os Pôneis Malditos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Economia - O Conto do Vigário

Ninguém sabe ao certo como começou nem a origem do nome. Mas quase todo mundo sabe como funciona o Conto do Vigário. Alguém aparece com a promessa de lucro mirabolante. E tudo o que se tem de fazer é um pequeno investimento para levar uma grande vantagem. O folclore popular conta a história de um vigarista que, há muito tempo, convenceu uma rica família carioca de que seria procurador dos herdeiros do francês que projetou o Cristo Redentor. E vendeu o para os ricaços, prometendo que eles passariam a ter os direitos sobre a visitação da estátua.

Jornalismo - O "X" do Triplex

"- Fala companheiro, Tudo tranquilo?
- Você falou de um esquema...
- Ah, tá. É o seguinte... Sabe a Cooperativa? Então. Eu vou mandar construir um prédio inteiro só pra gente... Isso... pra diretoria... Em Guarujá. Você vai ficar com a cobertura, claro."
...
"É... Ninguém precisa pagar nada. Vou cobrar cota extra dos bancários. Eu dou os papéis de 'cotas' pra vocês, assino uns recibos e, para todos os efeitos, vocês são cooperados. Mas tem que declarar, senão vai sujar... Vou passar as mais baratas, só para constar. Não tem erro."

Economia - O Brasil e a Construção Naval

Em setembro de 1997 o BNDS expediu um relatório que pretendia expor as razões da derrocada da atividade de Construção Naval no país que fez com que caíssemos da 2ª posição no ranking mundial, e 1ª na América Latina, deixando mesmo de figurar entre os 20 países melhor colocados. O conhecimento de tal relatório é de importância fundamental para os que querem entender em que pé nos encontramos agora que retornamos ao cenário mundial e levantamentos indicam que ocupamos a 6ª posição no ranking. 
Porque, apesar de ter sido elaborado há quase 20 anos, o relatório traz informações aplicáveis a atual conjuntura. Entre outras coisas ressalta-se a certeza de que não aprendemos nada com os erros do passado. Continuamos a apostar no protecionismo  e no comprometimento do Estado em prol da incapacidade administrativa dos donos de Estaleiros e Armadores nacionais. Com resultados bastante previsíveis.