Pular para o conteúdo principal

Choose Your Language - by Google

Propaganda - Censura à Gisele Bündchen


Está começando a ficar perigosa a ingerência do governo nos assuntos relacionados a livre expressão das empresas de marketing e propaganda. Se o caso da Gisele Bündchen fosse um fato isolado, seria apenas mais uma bola fora de um governo que não entende os limites de sua atuação. Mas, se juntarmos este caso à recente tentativa de tirar do ar aos "Pôneis Malditos" da Nissan, o caso toma contornos preocupantes.
 Ora, o fato é que, uma propaganda será tão bem sucedida quanto for capaz de angariar a aprovação de seu público alvo, neste caso as mulheres. E se a mensagem não agradar ao público, o produto será rejeitado pela população, remanescendo nas prateleiras.
O governo, mais do que preocupado com a reação de seus cidadãos diante desta ou daquela mensagem, está usando de sua autoridade para decidir o que eles podem ou não podem ver. Mas, quando o governo demonstra não confiar na capacidade de discernimento de seus cidadãos abre precendentes de proporções incalculáveis, na medida em que põe em dúvida as bases da democracia. Afinal é na capacidade de discernimento do cidadão que baseamos as eleições democráticas aos nossos mandatários. E se o governo se arvorar em decidir que os cidadãos não são capazes de discernir entre o aceitável e o reprovável, entre o certo e o errado, pode resolver vedar-lhe também este direito. Porque, em última instância, é isto que está acontecendo no caso das propagandas.
A aceitação ou a rejeição do público deveria ser entendida como a melhor forma de regulação da propaganda, salvo os casos em que haja flagrante desrespeito às leis vigentes. Mas o governo tem a pretensão de saber por antecipação qual será a reação da população em geral, impedindo com a proibição da veiculação da peça publicitaria, que o povo possa emitir sua opinião na forma da aquisição ou do desprezo à marca assim veiculada.
Em contrapartida, a Hope agradece a deferência. Pois é de conhecimento público que as vendas da Nissan aumentaram consideravelmente, desde que os órgãos de regulação passaram a implicar com a veiculação da peça sobre os Pôneis Malditos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Política - E Agora?

Com 61 votos a favor e 20 contra foi aprovado o afastamento definitivo da Sra. Dilma Rousseff na tarde de quarta-feira, dia 31 de agosto. Os que eram contrários ao processo contra a Ex-Presidente acordaram hoje, dia 1º de setembro, perguntando o que foi que mudou com o impeachment. Argumentam que ainda estamos na mesma situação de ontem, como se uma noite fosse suficiente para desfazer todos os equívocos perpetrados ao longo de 13 anos.

Mas o que realmente mudou a partir da efetivação definitiva de Michel Temer na cadeira da Presidência?

Economia - O Conto do Vigário

Ninguém sabe ao certo como começou nem a origem do nome. Mas quase todo mundo sabe como funciona o Conto do Vigário. Alguém aparece com a promessa de lucro mirabolante. E tudo o que se tem de fazer é um pequeno investimento para levar uma grande vantagem. O folclore popular conta a história de um vigarista que, há muito tempo, convenceu uma rica família carioca de que seria procurador dos herdeiros do francês que projetou o Cristo Redentor. E vendeu o para os ricaços, prometendo que eles passariam a ter os direitos sobre a visitação da estátua.

Opinião - Cleptomania Não É Crime

Comecemos pelo óbvio. Embora a cleptomania não seja um crime, pode levar as pessoas a cometer um crime tipificado no código penal. Dependerá de um juiz aceitar ou não a alegação do distúrbio como atenuante, mas o fato é que, uma vez que a pessoa roube, ela cometeu um crime. Então vamos repetir para não perder o fio da meada: cleptomania não é crime, mas o ato de roubar mesmo quando provocado pela compulsão é.