Pular para o conteúdo principal

Choose Your Language - by Google

Opinião - "A Sociedade Despedaçada"

sociedade-despedacada
Desde que foi usada por Sartre, em sua defesa aos intelectuais, a sentença tem sido tomada em vários sentidos diferentes por diversos setores da sociedade. Mas talvez nunca tivesse sido tão apropriada quanto no uso recente por David Cameron, Primeiro Ministro da Grã Bretanha. Ele declarou em discurso oficial que "a sociedade despedaçada voltou ao topo da agenda [do governo]".

O Premier, que afirmara dias antes que "a cultura do medo não iria tomar conta das ruas" como tomou, assumiu um tom mais realista ao conclamar a sociedade organizada a buscar respostas para a recente onda de violência urbana que tem varrido  as principais cidades do Reino Unido. O próprio Primeiro Ministro se antecipou em apontar o que para ele seriam as principais causas da violência perpetrada na maioria dos casos por jovens das classes socialmente menos favorecidas. Mas, longe de assumir o mea culpa pela política econômica que tem promovido repetidos cortes nos gastos sociais de seu governo, Cameron optou por buscar os motivos em condições que, a primeira vista, estariam fora do âmbito estrito das políticas públicas adotadas, citando "a falta de disciplina nas escolas, crianças com pais ausentes e a cultura das "gangs" na Grã Bretanha" como causas prováveis.



As manifestações violentas devem ser rejeitadas em todas as instâncias em que se apresentem e em hipótese alguma podem ser justificadas seja por quais circunstâncias venham a se manifestar. Após o conclame da sociedade pela busca de soluções, o Ministro, pretendendo dar uma satisfação a seus cidadãos, anunciou que reunirá os Ministros de Estado para delinear os termos da "guerra" que pretende travar "contra os jovens que promoveram o caos no país".

Este talvez tenha sido apenas mais um equívoco a se somar a sucessão que tem se perpetrado desde o início das manifestações. Quem tem muito a perder não declara guerra contra quem já perdeu até a esperança. A história nos ensina que grandes potências bélicas já perderam guerras por conta do pedante desprezo da força encontrada no desespero de causa e na obstinação do oponente. As massas querem ser ouvidas e, embora tenham escolhido a maneira mais vil para se fazer notar, ainda não atingiram o objetivo a que se propuseram quando iniciaram sua caminhada destrutiva. A recusa em admitir as verdadeiras motivações dos motins na Grã Bretanha podem custar mais caro a já "despedaçada" sociedade britânica.

Curiosamente, há seis anos, quando rebeliões com as mesmas características explodiram em França, o renomado periódico The Times de Londres, comprovando o dito popular de que "pimenta nos olhos dos outros é refresco", apontava os erros o governo francês vaticinando que "a pressão [sobre as minorias] veio crescendo por trinta anos e teria que fatalmente explodir em algum momento". Poderiam ter usado as mesmas lições em casa.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Economia - Estaleiro Mauá, Ainda Não é o Fim

Crise do setor naval é mais caótica do que possa parecer
Como você se sentiria se pudesse abrir uma empresa onde não fosse obrigado a investir em novas tecnologias? Onde não fosse preciso buscar a diversificação ou novas metodologias de trabalho, nem buscar o aperfeiçoamento da gestão empresarial, nem nada disso de que depende a sobrevivência das grandes empresas? Se você pudesse continuar a cometer os mesmos equívocos que no passado levaram empresas no mesmo ramo a fechar as portas e mesmo assim continuasse contar com crédito ilimitado no mercado, não importando o quão primários fossem os erros empresarias cometidos? E mesmo assim continuasse a ter prioridade em contratos milionários com a maior empresa estatal brasileira, sem o risco de ser incomodado pela concorrência de empresas estrangeiras? Provavelmente você julgaria ter alcançado o paraíso comercial.
Pois é exatamente assim que se sentem os donos de estaleiros navais. Não importa o que eles façam de suas empresas ou quantos erro…

Opinião - Cleptomania Não É Crime

Comecemos pelo óbvio. Embora a cleptomania não seja um crime, pode levar as pessoas a cometer um crime tipificado no código penal. Dependerá de um juiz aceitar ou não a alegação do distúrbio como atenuante, mas o fato é que, uma vez que a pessoa roube, ela cometeu um crime. Então vamos repetir para não perder o fio da meada: cleptomania não é crime, mas o ato de roubar mesmo quando provocado pela compulsão é.

Jornalismo - O "X" do Triplex

"- Fala companheiro, Tudo tranquilo?
- Você falou de um esquema...
- Ah, tá. É o seguinte... Sabe a Cooperativa? Então. Eu vou mandar construir um prédio inteiro só pra gente... Isso... pra diretoria... Em Guarujá. Você vai ficar com a cobertura, claro."
...
"É... Ninguém precisa pagar nada. Vou cobrar cota extra dos bancários. Eu dou os papéis de 'cotas' pra vocês, assino uns recibos e, para todos os efeitos, vocês são cooperados. Mas tem que declarar, senão vai sujar... Vou passar as mais baratas, só para constar. Não tem erro."