Pular para o conteúdo principal

Choose Your Language - by Google

Filosofia - 36 Argumentos Para a Existência de Deus

Capa do livro 36 Argumentos Para a Existência de Deus
Foto Divulgação 
Lançado no Brasil pela Companhia das Letras o livro da doutora em filosofia Rebecca Goldstein, "36 Argumentos Para a Existência de Deus". O livro, traduzido por George Schlsinger, tem 536 páginas nas quais a doutora Goldstein pretende lançar as bases para um debate franco sobre os principais argumentos usados para defender racionalmente ao Deus Abraâmico, como ela define.

Apesar de ser apresentada como ateia, uma "ateia em missão de paz" diriam, em entrevista a doutora parece dar vistas a se concluir que sua opinião possa refletir o ponto de vista de um deísta. Para quem não sabe o deísta rejeita a ideia de um Deus pessoal interagindo e interferindo na vida dos seres humanos como seria o creditado pelas religiões derivadas das crenças atribuídas ao Patriarca hebreu Abraão, mas acredita na possibilidade de uma força impessoal que rege a todo o universo, inclusive e à natureza terrena e a humanidade nela através das leis naturais supostamente observadas em ação. A doutora se diz aberta à concepção de Deus segundo sugerida pelo filósofo holandês Spinoza (1632 - 1677).


"Meu herói ateu (o psicólogo Cass Seltzer, personagem principal do livro) se mostra aberto a experiências transcendentais. É esse amor pelo universo que se expressa tão facilmente como religião. É aquela sensação grandiosa, magnífica, difícil de verbalizar, que às vezes nos toma completamente. É o combustível da grande arte, por assim dizer. É algo que o mundo secular não consegue traduzir ainda."


Aos que desejam se aprofundar mais um pouco no universo do pensamento da autora antes de se decidir se lerá ou não o livro, sugiro que acessem a entrevista que a doutora Goldstein deu com exclusividade ao site da revista Veja no link abaixo e boa leitura:

 Veja/Abril ciência

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Economia - O Conto do Vigário

Ninguém sabe ao certo como começou nem a origem do nome. Mas quase todo mundo sabe como funciona o Conto do Vigário. Alguém aparece com a promessa de lucro mirabolante. E tudo o que se tem de fazer é um pequeno investimento para levar uma grande vantagem. O folclore popular conta a história de um vigarista que, há muito tempo, convenceu uma rica família carioca de que seria procurador dos herdeiros do francês que projetou o Cristo Redentor. E vendeu o para os ricaços, prometendo que eles passariam a ter os direitos sobre a visitação da estátua.

Economia - O Fundo do Poço

No final de 2015, até meados de 2016, muitos torciam para chegarmos logo ao fundo do poço, na esperança de que, não tendo mais para onde descer, começássemos a subir. Os mais pessimistas avisavam que seria bom não encontrarmos um lamaçal que nos prendesse no fundo por muito tempo.

Opinião - Cleptomania Não É Crime

Comecemos pelo óbvio. Embora a cleptomania não seja um crime, pode levar as pessoas a cometer um crime tipificado no código penal. Dependerá de um juiz aceitar ou não a alegação do distúrbio como atenuante, mas o fato é que, uma vez que a pessoa roube, ela cometeu um crime. Então vamos repetir para não perder o fio da meada: cleptomania não é crime, mas o ato de roubar mesmo quando provocado pela compulsão é.