Pular para o conteúdo principal

Choose Your Language - by Google

In Memoriam - Winehouse, Uma Última Nota

Amy Winehouse
Ontem, sabadão e estava eu trabalhando (afinal alguém precisa trabalhar neste país e eu sempre me pergunto por que logo eu). Mas enfim, tentava me concentrar na montagem de um complicado interfone, quando lufadas de vento me trouxeram de longe fragmentos de uma notícia:

Winehouse... apartamento... morta!

Estaquei de imediato e agucei os ouvidos, procurando captar alguma coisa que desfizesse minha primeira impressão, quando o toque de meu celular me trouxe de volta. Era uma amiga para me avisar que acabara de assistir no tantantan-tantantantan da Globo a triste notícia. Amy Winehouse acabara de ser encontrada morta em seu apartamento situado ao norte de Londres.

Confesso que a notícia me abalou. Amy era para mim a mais grata surpresa da música contemporânea. A notável influência "jazzistica" recebida de seus pais aliada a sua voz marcante que lembrava as grandes divas do passado, mas com uma personalidade ímpar, me faziam sonhar com a possível redenção da música moderna, vinda não da parte dos dinossauros sagrados, mas por parte de jovens verdadeiramente talentosos.

Cheguei em casa mais cedo para plantar-me em frente a TV que entre os flashs que nada acrencentavam ao que eu ainda não sabia, apresentava o programa do criativo comunicador Luciano Huck (quem disse que a MTV não nunca teve nada que prestasse?). Luciano anunciava a estréia de mais um de seus quadros, o "Olha minha Banda 2011, Especial Rock In Rio". Ele dizia que, de um universo de 40.000 candidatos, tentaria selecionar pelo menos três que merecessem se apresentar no palco do Rock In Rio em setembro.

Finalmente o juri composto pelo Luciano, a Roberta Medina, o Júnior irmão da Sandy, e o Lucas marido da Sandy conseguiram escolher as três bandas. A primeira a ser apresentada foi a banda gaúcha TRI.

Nada contra os garotos de Urugauaina, em quem reconheço um talento musical diferenciado. Mas enquanto eles se apresentavam, fiquei pensando que, se num universo de 40.000 participantes eles seriam o melhor que se poderia escolher, em que universo encontraríamos outra Amy Winehouse?

A estatistica me atingiu com um baque surdo. Talvez nunca mais tenhamos a oportunidade de resgatar o melhor que os grandes do passado nos legaram. Desliguei a TV, coloquei um CD da Billie Hollyday para tocar e voltei a sonhar.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Economia - O Conto do Vigário

Ninguém sabe ao certo como começou nem a origem do nome. Mas quase todo mundo sabe como funciona o Conto do Vigário. Alguém aparece com a promessa de lucro mirabolante. E tudo o que se tem de fazer é um pequeno investimento para levar uma grande vantagem. O folclore popular conta a história de um vigarista que, há muito tempo, convenceu uma rica família carioca de que seria procurador dos herdeiros do francês que projetou o Cristo Redentor. E vendeu o para os ricaços, prometendo que eles passariam a ter os direitos sobre a visitação da estátua.

Jornalismo - O "X" do Triplex

"- Fala companheiro, Tudo tranquilo?
- Você falou de um esquema...
- Ah, tá. É o seguinte... Sabe a Cooperativa? Então. Eu vou mandar construir um prédio inteiro só pra gente... Isso... pra diretoria... Em Guarujá. Você vai ficar com a cobertura, claro."
...
"É... Ninguém precisa pagar nada. Vou cobrar cota extra dos bancários. Eu dou os papéis de 'cotas' pra vocês, assino uns recibos e, para todos os efeitos, vocês são cooperados. Mas tem que declarar, senão vai sujar... Vou passar as mais baratas, só para constar. Não tem erro."

Economia - O Brasil e a Construção Naval

Em setembro de 1997 o BNDS expediu um relatório que pretendia expor as razões da derrocada da atividade de Construção Naval no país que fez com que caíssemos da 2ª posição no ranking mundial, e 1ª na América Latina, deixando mesmo de figurar entre os 20 países melhor colocados. O conhecimento de tal relatório é de importância fundamental para os que querem entender em que pé nos encontramos agora que retornamos ao cenário mundial e levantamentos indicam que ocupamos a 6ª posição no ranking. 
Porque, apesar de ter sido elaborado há quase 20 anos, o relatório traz informações aplicáveis a atual conjuntura. Entre outras coisas ressalta-se a certeza de que não aprendemos nada com os erros do passado. Continuamos a apostar no protecionismo  e no comprometimento do Estado em prol da incapacidade administrativa dos donos de Estaleiros e Armadores nacionais. Com resultados bastante previsíveis.