Pular para o conteúdo principal

Choose Your Language - by Google

Jornalismo - Racismo, Até Quando?

Anders Breivik defende extinção dos inferioresVolta e meia se comenta o holocausto nazista como se falássemos de um horror há muito distante contra o qual fomos vacinados na experiência traumática onde Hitler confrontou o ser humano com suas piores virtudes. Nós não somos como ele. Jamais seríamos capazes de apoiar as ideias surgidas naquela mente doentia. No entanto, quando olhamos para a história sob esta perspectiva reducionista, esquecemos de observar que Hitler seria incapaz de fazer o que fez sozinho. A premissa da salvação da humanidade pela antecipação forçada e consciente da suposta seleção natural em favor de uma raça pura, mais habilitada a sobreviver num mundo em constante evolução, calou fundo na mente daqueles que seguiram e apoiaram incondicionalmente ao ideal de Hitler. Infelizmente um olhar agudo aos acontecimentos recentes nos mostra que aquele ideal não morreu quando seu fomentador suicidou.


Substituam apenas os judeus pelos mulçumanos no ideário propagado por Hitler e teremos em essência uma cópia do manifesto publicado por Anders Breivik, que executou o mais chocante chacina da história recente da Noruega. Está tudo lá. A mesma ideia de um um reino superior europeu sobre toda a humanidade orientado para a perpetuação da espécie através da seleção artificial dos mesmos arianos, os mais bonitos, os mais inteligentes, mais fortes e, claro, os únicos inteligentes do mundo,  tidos tanto por Hitler, como por Breivik, como o ápice da evolução da humanidade, A mesma crítica racista contra a tolerância européia à suposta corupção de seu valores morais causada pela miscigenação racial. Andres até cita Brasil como exemplo negativo do que pode suceder a Europa a continuar-se com esta aludida permissividade (sic).

Breivick justificou seu ato hediondo dizendo aos jornalistas que queria apenas chamar a atenção para "este perigo iminente". E conclamar a sociedade a frear por todos os meios a alegada degradação européia. Ao passo que tantos de nossos jovens com menos de trinta anos tem morrido aparentemente sem uma causa que dê sentido às suas vidas, outros tão jovens quanto tem abraçado causas equivocadas em seu cerne para se dispor a matar outros seres humanos. Uma disposição preocupante, quando observamos que as ideias seguidas e propagadas por Breivik tem encontrado respaldo entre vários seguimentos da juventude, muito em virtude de alegações pseudo científicas usadas para justificá-las.

 "A 'Lógica' e o pensamento racionalista devem ser o fundamento de nossas sociedades."
Andrei Breivik, no livro-manifesto "2083 - Uma Declaração de Independência Européia"

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Opinião - Cleptomania Não É Crime

Comecemos pelo óbvio. Embora a cleptomania não seja um crime, pode levar as pessoas a cometer um crime tipificado no código penal. Dependerá de um juiz aceitar ou não a alegação do distúrbio como atenuante, mas o fato é que, uma vez que a pessoa roube, ela cometeu um crime. Então vamos repetir para não perder o fio da meada: cleptomania não é crime, mas o ato de roubar mesmo quando provocado pela compulsão é.

Jornalismo - O "X" do Triplex

"- Fala companheiro, Tudo tranquilo?
- Você falou de um esquema...
- Ah, tá. É o seguinte... Sabe a Cooperativa? Então. Eu vou mandar construir um prédio inteiro só pra gente... Isso... pra diretoria... Em Guarujá. Você vai ficar com a cobertura, claro."
...
"É... Ninguém precisa pagar nada. Vou cobrar cota extra dos bancários. Eu dou os papéis de 'cotas' pra vocês, assino uns recibos e, para todos os efeitos, vocês são cooperados. Mas tem que declarar, senão vai sujar... Vou passar as mais baratas, só para constar. Não tem erro."

Artes - Cultura Nua

Se procurarem nas redes sociais encontrarão performances nudistas desde muito tempo. Na maioria dos casos, a reação dos que vêem as fotos é jocosa. Os nudistas performáticos em geral são motivo de risos e  de piadas para os usuários das redes sociais e, a rigor, não chocam a quase ninguém. Então porque insistem que a recente crítica ao evento do Museu de Arte Moderna se deve apenas a um preconceito?