Pular para o conteúdo principal

Choose Your Language - by Google

Economia - O Calote Americano

Mais uma ameaça a nossa economia


No, we can't pay you
Os Estados Unidos ameaçam não pagar a quem devem e você se pergunta, o que eu tenho com isso? Uma pergunta pertinente uma vez que você tem certeza de que não emprestou nenhum dinheiro aos nossos irmãos do norte. Bem feito para quem emprestou. O que você não sabe é que indiretamente emprestou sim, e está correndo o risco de não receber de volta o dinheiro fruto do seu suor. 

Afinal onde você pensa que o nosso governo arruma dinheiro para suas peripécias financeiras?

O Brasil atingiu recentemente o recorde de suas reservas internacionais estimadas em mais de S$ 300,000,000,000,00 (trezentos bilhões de dólares). É muito dinheiro não é não? Acontece que quase dois terços desta reserva cambial, entre os investimentos (leia-se empréstimos a juros) feitos por empresas particulares e outras feitas diretamente pelo governo, está investido em títulos americanos que nossos governos esperam receber de volta em prazos predeterminados para que possam continuar suas farr..., eerr, quero dizer, suas políticas econômicas e sociais. Nossos congressistas quando determinam o orçamento a ser gasto durante todo o ano, consideram o dinheiro a receber como se ele estivesse disponível, tinindo nos cofres de nosso Banco Central. Afinal os EUA sempre foram bons pagadores, cumpridores de suas obrigações. Mas e se os americanos resolverem que não podem pagar pelo menos a parte desta dívida (que totaliza S$ 211.400.000.000,00), o que era dado como certo? Adivinha onde o governo e as empresas privadas vão buscar recursos para tapar o rombo que este iminente calote pode causar em seus orçamentos?

As empresas privadas evidentemente farão o que sabem melhor, quando o calo lhes aperta: vão aumentar os preços de seus produtos. E o governo vai intensificar o que já vem fazendo há algum tempo para manter esta vidinha de nababo aspirante a primeiro mundista. Vai aumentar os juros, arrochar nos impostos, cortar investimentos em saúde e educação, enfim, o de sempre. Sendo que, dado o volume da dinheirama que deixará de entrar em virtude do calote as consequências desses recursos óbvios poderão ser imprevisíveis para a estabilidade da nossa economia. Ou seja, o que você pensava que está ficando ruim ainda poderá ficar muito pior.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Economia - O Conto do Vigário

Ninguém sabe ao certo como começou nem a origem do nome. Mas quase todo mundo sabe como funciona o Conto do Vigário. Alguém aparece com a promessa de lucro mirabolante. E tudo o que se tem de fazer é um pequeno investimento para levar uma grande vantagem. O folclore popular conta a história de um vigarista que, há muito tempo, convenceu uma rica família carioca de que seria procurador dos herdeiros do francês que projetou o Cristo Redentor. E vendeu o para os ricaços, prometendo que eles passariam a ter os direitos sobre a visitação da estátua.

Jornalismo - O "X" do Triplex

"- Fala companheiro, Tudo tranquilo?
- Você falou de um esquema...
- Ah, tá. É o seguinte... Sabe a Cooperativa? Então. Eu vou mandar construir um prédio inteiro só pra gente... Isso... pra diretoria... Em Guarujá. Você vai ficar com a cobertura, claro."
...
"É... Ninguém precisa pagar nada. Vou cobrar cota extra dos bancários. Eu dou os papéis de 'cotas' pra vocês, assino uns recibos e, para todos os efeitos, vocês são cooperados. Mas tem que declarar, senão vai sujar... Vou passar as mais baratas, só para constar. Não tem erro."

Economia - O Brasil e a Construção Naval

Em setembro de 1997 o BNDS expediu um relatório que pretendia expor as razões da derrocada da atividade de Construção Naval no país que fez com que caíssemos da 2ª posição no ranking mundial, e 1ª na América Latina, deixando mesmo de figurar entre os 20 países melhor colocados. O conhecimento de tal relatório é de importância fundamental para os que querem entender em que pé nos encontramos agora que retornamos ao cenário mundial e levantamentos indicam que ocupamos a 6ª posição no ranking. 
Porque, apesar de ter sido elaborado há quase 20 anos, o relatório traz informações aplicáveis a atual conjuntura. Entre outras coisas ressalta-se a certeza de que não aprendemos nada com os erros do passado. Continuamos a apostar no protecionismo  e no comprometimento do Estado em prol da incapacidade administrativa dos donos de Estaleiros e Armadores nacionais. Com resultados bastante previsíveis.