Pular para o conteúdo principal

Choose Your Language - by Google

Jornalismo - Não Mexam com Pimenta

Tratamento diferenciado entre Pimenta Neves e Goleiro Bruno
O goleiro Bruno, em que lhe pesem as muitas suspeitas, jamais confessou o assassinato de Elisa Samúdio. No entanto permanece preso preventivamente enquanto o prazo para aquisição de novas provas do assassinato frio e cruel da modelo já se esgotou. Em outro caso, Pimenta Neves finalmente está preso após ter sido julgado e condenado com base em sua confissão pública de ter assassinado covardemente a jornalista Sandra Gomide. Mas, mesmo depois de confessar ter dirigido premeditadamente até o Haras Setti, em Ibiúna, para dar dois tiros nas costas da jornalista, Pimenta Neves ficou 11 anos livre, curtindo sua vida de nababo. Qual a grande difrença entre estes dois casos. Por que tratamentos desiguais aplicados pela mesma justiça?

Depois da natural comoção acompanhada freneticamente por ampla cobertura da imprensa que não poupou nem mesmo o cerco aos familiares do goleiro, seus milhões de fãs o abandonaram à própria sorte. Não poderia ser de outra forma. A galeria de fãs do goleiro seria composta por fanáticos torcedores de futebol, que na sua maioria é gente de bem, que não coaduna com a injustiça. Já Pimenta Neves angariou ao longo de sua carreira jornalistica a simpatia de bem menos fãs que o Bruno, no entanto tal lista seria formada por gente muito mais influente. Pimenta Neves era um ícone do jornalismo brasileiro, a quem muitos dos jornalistas que infernizaram a vida dos familiares do Bruno admiravam de maneira incondicional.

Os fãs de Pimenta Neves jamais o abandonaram. Mesmo no calor dos acontecimentos, há 11 anos, os amigos de Pimenta faziam questão de frisar a diferença de idade entre ele e Sandra Gomide, além do fato condenável de que ela namorava o próprio chefe. As declarações de Pimenta Neves de que ela o traia acintosamente tiveram um destaque tal que quase justificavam a forma hedionda com que ele planejou e executou seu crime. Também não seria de todo impossível que, na função de diretor de redação do jornal "O Estado de São Paulo", Pimenta Neves tivesse angariado a admiração de gente ainda mais importante fora do meio jornalistico.

No dia 30 de agosto de 2000 a juíza Eduarda Maria Corrêa, da 1ª Vara Criminal de Ibiúna, decreta a prisão de Pimenta Neves com base na confissão do réu. A decisão da juíza se deu depois da análise que constatou que Pimenta Neves não apresentava problemas psiquiátricos. No dia 4 de setembro de 2000 o jornalista foi transferido para o 77º Distrito Policial, no bairro de Santa Cecília. A justiça até então tratou de ser exemplar na condução do caso.

Mas inexplicavelmente no dia 23 de março de 2001 o ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal, concedeu habeas corpus revogando a prisão preventiva do jornalista, assassino confesso de Sandra Gomide. Finalmente no dia 5 de maio de 2006, Pimenta Neves foi condenado a apenas 19 anos pelo homicídio duplamente qualificado de sua ex-namorada Sandra Gomide. Entretanto, o juiz não decreta a prisão do jornalista, pois, de acordo com entendimento anterior do Supremo Tribunal Federal, ele teria o direito de recorrer da sentença em liberdade.

Agora quando finalmente a justiça está sendo feita como deveria há muito, os antigos colegas de Pimenta Neves acham mais importante frisar que o coitado, hoje com 74 anos, vai ser obrigado a tomar banho frio na cadeia. Tomara que não resolvam se cotizar para comprar um chuveiro elétrico para o pobre velinho. Senão as pessoas poderiam desconfiar de um favorecimento corporativo na condução das notícias dadas por parte daqueles que deveriam cuidar da informação imparcial a opinião pública, doesse a quem tivesse que doer.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Economia - Estaleiro Mauá, Ainda Não é o Fim

Crise do setor naval é mais caótica do que possa parecer
Como você se sentiria se pudesse abrir uma empresa onde não fosse obrigado a investir em novas tecnologias? Onde não fosse preciso buscar a diversificação ou novas metodologias de trabalho, nem buscar o aperfeiçoamento da gestão empresarial, nem nada disso de que depende a sobrevivência das grandes empresas? Se você pudesse continuar a cometer os mesmos equívocos que no passado levaram empresas no mesmo ramo a fechar as portas e mesmo assim continuasse contar com crédito ilimitado no mercado, não importando o quão primários fossem os erros empresarias cometidos? E mesmo assim continuasse a ter prioridade em contratos milionários com a maior empresa estatal brasileira, sem o risco de ser incomodado pela concorrência de empresas estrangeiras? Provavelmente você julgaria ter alcançado o paraíso comercial.
Pois é exatamente assim que se sentem os donos de estaleiros navais. Não importa o que eles façam de suas empresas ou quantos erro…

Opinião - Cleptomania Não É Crime

Comecemos pelo óbvio. Embora a cleptomania não seja um crime, pode levar as pessoas a cometer um crime tipificado no código penal. Dependerá de um juiz aceitar ou não a alegação do distúrbio como atenuante, mas o fato é que, uma vez que a pessoa roube, ela cometeu um crime. Então vamos repetir para não perder o fio da meada: cleptomania não é crime, mas o ato de roubar mesmo quando provocado pela compulsão é.

Jornalismo - O "X" do Triplex

"- Fala companheiro, Tudo tranquilo?
- Você falou de um esquema...
- Ah, tá. É o seguinte... Sabe a Cooperativa? Então. Eu vou mandar construir um prédio inteiro só pra gente... Isso... pra diretoria... Em Guarujá. Você vai ficar com a cobertura, claro."
...
"É... Ninguém precisa pagar nada. Vou cobrar cota extra dos bancários. Eu dou os papéis de 'cotas' pra vocês, assino uns recibos e, para todos os efeitos, vocês são cooperados. Mas tem que declarar, senão vai sujar... Vou passar as mais baratas, só para constar. Não tem erro."