Pular para o conteúdo principal

Choose Your Language - by Google

Religião - Laicismo Unilateral

Laicismo independência do Estado
Soube que o Ministério Público do Ceará entrou com uma ação contra a Sociedade Torre de Vigia de Bíblias e Tratados, que representa o grupo religioso das Testemunhas de Jeová no Brasil. Na ação o Ministério público acusa a entidade de promover a discriminação religiosa contra um de seus membros desassociados. Não quero entrar no mérito do inusitado que é ver uma entidade religiosa ser acusada de discriminação religiosa. Logo uma das mais preconceituosamente discriminadas que eu conheço. Nem vou abordar o teor do embasamento da ação legal que, na opinião de um leigo, qualquer advogado recém formado que seja simpatizante das Testemunhas de Jeová vai destruir em dois tempos.

O que me chamou a atenção neste episódio foi ver o Estado tentar interferir diretamente na orientação interna de uma entidade religiosa sem que os defensores do laicismo venham manifestar publicamente alguma contrariedade, como fazem quando ocorre o contrário.



Ora, a manifestação de culto é livre neste país, sendo facultado aos proponentes da religião arbitrar sobre as normas de culto a que todos os seus associados devam estar sujeitos, sem que o Estado opine. Desde que, é claro, não haja na orientação religiosa qualquer incitação a desobediência civil que contrarie a lei e a ordem da sociedade, o que não me parece ser o objeto da ação. Trata-se neste caso de uma ingerência do Estado nos regulamentos comportamentais estabelecidos como característicos de uma denominação religiosa. Imiscuidade indevida que, queiram ou não, fere o princípio da laicidade do Estado.

Porque a laicidade, diferente do que alguns parecem pensar, não é uma via de mão única. Para que os Estado exija o princípio da não interferência das igrejas em seus assuntos, deve dar o exemplo não tomando a iniciativa de fazer exatamente aquilo que não quer que lhe façam. O direito do Estado enquanto entidade autônoma vai até o ponto em que começam os direitos das demais entidades que o formam. Acatar a solicitação de interferência nos assuntos internos de uma entidade legalmente estabelecida ainda vai se mostrar um grande equívoco da parte do Ministério Público do Ceará, além de correr o risco de abrir precedentes com consequências imprevisíveis a partir de então.

-----------------------------------

Leia mais:

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Economia - O Conto do Vigário

Ninguém sabe ao certo como começou nem a origem do nome. Mas quase todo mundo sabe como funciona o Conto do Vigário. Alguém aparece com a promessa de lucro mirabolante. E tudo o que se tem de fazer é um pequeno investimento para levar uma grande vantagem. O folclore popular conta a história de um vigarista que, há muito tempo, convenceu uma rica família carioca de que seria procurador dos herdeiros do francês que projetou o Cristo Redentor. E vendeu o para os ricaços, prometendo que eles passariam a ter os direitos sobre a visitação da estátua.

Economia - O Brasil e a Construção Naval

Em setembro de 1997 o BNDS expediu um relatório que pretendia expor as razões da derrocada da atividade de Construção Naval no país que fez com que caíssemos da 2ª posição no ranking mundial, e 1ª na América Latina, deixando mesmo de figurar entre os 20 países melhor colocados. O conhecimento de tal relatório é de importância fundamental para os que querem entender em que pé nos encontramos agora que retornamos ao cenário mundial e levantamentos indicam que ocupamos a 6ª posição no ranking. 
Porque, apesar de ter sido elaborado há quase 20 anos, o relatório traz informações aplicáveis a atual conjuntura. Entre outras coisas ressalta-se a certeza de que não aprendemos nada com os erros do passado. Continuamos a apostar no protecionismo  e no comprometimento do Estado em prol da incapacidade administrativa dos donos de Estaleiros e Armadores nacionais. Com resultados bastante previsíveis.

Política - E Agora?

Com 61 votos a favor e 20 contra foi aprovado o afastamento definitivo da Sra. Dilma Rousseff na tarde de quarta-feira, dia 31 de agosto. Os que eram contrários ao processo contra a Ex-Presidente acordaram hoje, dia 1º de setembro, perguntando o que foi que mudou com o impeachment. Argumentam que ainda estamos na mesma situação de ontem, como se uma noite fosse suficiente para desfazer todos os equívocos perpetrados ao longo de 13 anos.

Mas o que realmente mudou a partir da efetivação definitiva de Michel Temer na cadeira da Presidência?