Pular para o conteúdo principal

Choose Your Language - by Google

Religião - Laicismo Unilateral

Laicismo independência do Estado
Soube que o Ministério Público do Ceará entrou com uma ação contra a Sociedade Torre de Vigia de Bíblias e Tratados, que representa o grupo religioso das Testemunhas de Jeová no Brasil. Na ação o Ministério público acusa a entidade de promover a discriminação religiosa contra um de seus membros desassociados. Não quero entrar no mérito do inusitado que é ver uma entidade religiosa ser acusada de discriminação religiosa. Logo uma das mais preconceituosamente discriminadas que eu conheço. Nem vou abordar o teor do embasamento da ação legal que, na opinião de um leigo, qualquer advogado recém formado que seja simpatizante das Testemunhas de Jeová vai destruir em dois tempos.

O que me chamou a atenção neste episódio foi ver o Estado tentar interferir diretamente na orientação interna de uma entidade religiosa sem que os defensores do laicismo venham manifestar publicamente alguma contrariedade, como fazem quando ocorre o contrário.



Ora, a manifestação de culto é livre neste país, sendo facultado aos proponentes da religião arbitrar sobre as normas de culto a que todos os seus associados devam estar sujeitos, sem que o Estado opine. Desde que, é claro, não haja na orientação religiosa qualquer incitação a desobediência civil que contrarie a lei e a ordem da sociedade, o que não me parece ser o objeto da ação. Trata-se neste caso de uma ingerência do Estado nos regulamentos comportamentais estabelecidos como característicos de uma denominação religiosa. Imiscuidade indevida que, queiram ou não, fere o princípio da laicidade do Estado.

Porque a laicidade, diferente do que alguns parecem pensar, não é uma via de mão única. Para que os Estado exija o princípio da não interferência das igrejas em seus assuntos, deve dar o exemplo não tomando a iniciativa de fazer exatamente aquilo que não quer que lhe façam. O direito do Estado enquanto entidade autônoma vai até o ponto em que começam os direitos das demais entidades que o formam. Acatar a solicitação de interferência nos assuntos internos de uma entidade legalmente estabelecida ainda vai se mostrar um grande equívoco da parte do Ministério Público do Ceará, além de correr o risco de abrir precedentes com consequências imprevisíveis a partir de então.

-----------------------------------

Leia mais:

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Economia - O Conto do Vigário

Ninguém sabe ao certo como começou nem a origem do nome. Mas quase todo mundo sabe como funciona o Conto do Vigário. Alguém aparece com a promessa de lucro mirabolante. E tudo o que se tem de fazer é um pequeno investimento para levar uma grande vantagem. O folclore popular conta a história de um vigarista que, há muito tempo, convenceu uma rica família carioca de que seria procurador dos herdeiros do francês que projetou o Cristo Redentor. E vendeu o para os ricaços, prometendo que eles passariam a ter os direitos sobre a visitação da estátua.

Jornalismo - O "X" do Triplex

"- Fala companheiro, Tudo tranquilo?
- Você falou de um esquema...
- Ah, tá. É o seguinte... Sabe a Cooperativa? Então. Eu vou mandar construir um prédio inteiro só pra gente... Isso... pra diretoria... Em Guarujá. Você vai ficar com a cobertura, claro."
...
"É... Ninguém precisa pagar nada. Vou cobrar cota extra dos bancários. Eu dou os papéis de 'cotas' pra vocês, assino uns recibos e, para todos os efeitos, vocês são cooperados. Mas tem que declarar, senão vai sujar... Vou passar as mais baratas, só para constar. Não tem erro."

Economia - O Brasil e a Construção Naval

Em setembro de 1997 o BNDS expediu um relatório que pretendia expor as razões da derrocada da atividade de Construção Naval no país que fez com que caíssemos da 2ª posição no ranking mundial, e 1ª na América Latina, deixando mesmo de figurar entre os 20 países melhor colocados. O conhecimento de tal relatório é de importância fundamental para os que querem entender em que pé nos encontramos agora que retornamos ao cenário mundial e levantamentos indicam que ocupamos a 6ª posição no ranking. 
Porque, apesar de ter sido elaborado há quase 20 anos, o relatório traz informações aplicáveis a atual conjuntura. Entre outras coisas ressalta-se a certeza de que não aprendemos nada com os erros do passado. Continuamos a apostar no protecionismo  e no comprometimento do Estado em prol da incapacidade administrativa dos donos de Estaleiros e Armadores nacionais. Com resultados bastante previsíveis.