Pular para o conteúdo principal

Choose Your Language - by Google

Opinião - A Diversidade no Twitter

Mudando de opinião

A expansão do Twitter
Finalmente me rendi à sedução do Twitter e alguém certamente dirá que já fui tarde. Mas confesso que nunca me senti atraído por esta ideia de postagens sucintas que tentem traduzir em poucas (mínimas) palavras a complexidade de minhas percepções. Eu gosto de aprofundar o tema abordado. De suscitar réplica. Enfim eu sou um chato. E o meu preconceito sempre me fez pensar que o Twitter dificilmente seria minha praia. Aos apaixonados pelo Twitter devo dizer que minha opinião está mudando.

Claro que existe um certo charme no desafio à capacidade de síntese do pensamento de forma a torná-lo claro a um primeiro olhar. Mas também é verdade que muitos mal-entendidos surgem da simplificação daquilo que quisemos dizer. Parece uma tendência natural simplificar o pensamento alheio transformando-o em arquivo que possa ser facilmente acessado por nossa memória. Algum conceito familiar nesta conclusão? Pois talvez esteja aí a razão do sucesso do Twitter. Na sugestão sub-reptícia que abstraimos de seu formato. Algo com "simplifique seu pensamento antes que alguém o faça por você". O sucesso dos "tuiteiros" dependeria de sua capacidade em eliminar os ruidos de comunicação, passando ao intelocutor uma mensagem clara. Coisa que falando, parece bem mais fácil do que fazendo.

Uma coisa tem me chamado a atenção no pouco tempo que estou no Twitter. E me confesso um tanto incomodado com isso. É que estou encontrando no Twitter pessoas que conheço há algum tempo no mundo virtual. E tem acontecido de eu quase não reconhecê-los neste novo formato. O que me fez pensar que, o que deveria ser uma celebração da diversidade possa estar saindo pela culatra. As pessoas querem ser seguidas, ter suas mensagens replicadas e comentadas no Twitter. E pode ser que, em função desta busca pela aceitação geral, acabem massificando o pensamento, tornando-o cada vez mais igual ao que os outros desejam ler, replicar e comentar.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Economia - O Conto do Vigário

Ninguém sabe ao certo como começou nem a origem do nome. Mas quase todo mundo sabe como funciona o Conto do Vigário. Alguém aparece com a promessa de lucro mirabolante. E tudo o que se tem de fazer é um pequeno investimento para levar uma grande vantagem. O folclore popular conta a história de um vigarista que, há muito tempo, convenceu uma rica família carioca de que seria procurador dos herdeiros do francês que projetou o Cristo Redentor. E vendeu o para os ricaços, prometendo que eles passariam a ter os direitos sobre a visitação da estátua.

Jornalismo - O "X" do Triplex

"- Fala companheiro, Tudo tranquilo?
- Você falou de um esquema...
- Ah, tá. É o seguinte... Sabe a Cooperativa? Então. Eu vou mandar construir um prédio inteiro só pra gente... Isso... pra diretoria... Em Guarujá. Você vai ficar com a cobertura, claro."
...
"É... Ninguém precisa pagar nada. Vou cobrar cota extra dos bancários. Eu dou os papéis de 'cotas' pra vocês, assino uns recibos e, para todos os efeitos, vocês são cooperados. Mas tem que declarar, senão vai sujar... Vou passar as mais baratas, só para constar. Não tem erro."

Economia - O Brasil e a Construção Naval

Em setembro de 1997 o BNDS expediu um relatório que pretendia expor as razões da derrocada da atividade de Construção Naval no país que fez com que caíssemos da 2ª posição no ranking mundial, e 1ª na América Latina, deixando mesmo de figurar entre os 20 países melhor colocados. O conhecimento de tal relatório é de importância fundamental para os que querem entender em que pé nos encontramos agora que retornamos ao cenário mundial e levantamentos indicam que ocupamos a 6ª posição no ranking. 
Porque, apesar de ter sido elaborado há quase 20 anos, o relatório traz informações aplicáveis a atual conjuntura. Entre outras coisas ressalta-se a certeza de que não aprendemos nada com os erros do passado. Continuamos a apostar no protecionismo  e no comprometimento do Estado em prol da incapacidade administrativa dos donos de Estaleiros e Armadores nacionais. Com resultados bastante previsíveis.