Pular para o conteúdo principal

Choose Your Language - by Google

Ciência - Complexidade em Cheque

Trevor Lithgow "explica" principal Base do design Inteligente
Prof. Trevor Lithgow
Pesquisa publicada mês passado no site da ScienceDaile (em fevereiro de 2.010) tem sido usada para desacreditar a teoria defendida por Michael Behe. Não que seja novidade o desmereciemnto acadêmico da complexidade irredutível. A teoria tem sido alvo de ataques os mais diversos, inclusive com acusações que vão desde o falseamento deliberado das informações coletadas ao abuso da desonestidade intelectual na sua proposição. A teoria no entanto tem resistido bravamente aos ataques. Até agora.



Os (quase) insondáveis meandros da ciência

"O líder da equipe [da School of Biomedical Sciences], Trevor Lithgow disse que a pesquisa explicou como mitocôndria - a casa do poder de células humanas e de outras células, que suprem às complexas células eucarióticas com energia e com as capacidades de reproduzir, dividir e movimentar-se - e que se pensava ter evoluído há cerca de 2.000 milhões anos a partir de bactérias primitivas. 'Agora temos como compreender os processos que conduziram à evolução da célula. Há já algum tempo o "X" da questão tem sido entender como os primeiros eucariontes vieram a existir. O passo crítico foi a transformação de pequenas bactérias, que traziam dentro de si como passageiros os primeiros antepassados destas células, em mitocôndria, dando [assim] início a evolução da vida de formas mais complexas', disse o professor Lithgow.
A equipe descobriu que a engenharia celular necessária para criar as mitocôndrias foi construída a partir de peças pré-existente nas bactérias. Estas peças que faziam outros trabalhos para a bactéria, foram reunidas pela evolução para fazer algo novo e mais emocionante."


Grosso modo, o que a pesquisa do Dr. Lithgow e companhia parece querer justificar, salvo melhor juízo, é o que já fora previsto pela teoria científica da Transferência Horizontal de Genes. A equipe de pesquisa identificou o que lhe pareceu ser o material necessário para formar uma mitocôndria, disperso no interior de várias bactérias diferentes, mas aparentadas de bactérias mais primitivas.


Em linhas gerais ele afirma que bactérias primitivas teriam trocado entre si material genético. O material genético que entraria na bactéria como material excedente e sem função definida, seria reunido dentro da bactéria receptora para formar as mitocôndrias.
-------------------------------------------------
Fonte:

http://www.sciencedaily.com/releases/2010/02/100205091829.htm

Comentários

  1. Essa é a tal da "Evolução das Lacunas": achando peças de ratoeira em diversas casas de uma cidade, postulo que as mesmas foram juntadas, por evolução, formando uma ratoeira. Pela explicação simplória do cientista, não me pareceu refutar a complexidade irredutível, apenas mostra de onde as peças poderiam ter se originado, mas a montagem...
    Abç
    Leo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Os defensores da TDI acreditam ter refutado devidamente mais este questionamento sobre o problema da redutibilidade mitocondrial aqui:

      http://www.evolutionnews.org/2009/09/pnas_knocks_down_straw_man024881.html

      Excluir

Postar um comentário

Seja bem vindo! Deixe um comentário e nós responderemos assim que possível.

Postagens mais visitadas deste blog

Economia - O Conto do Vigário

Ninguém sabe ao certo como começou nem a origem do nome. Mas quase todo mundo sabe como funciona o Conto do Vigário. Alguém aparece com a promessa de lucro mirabolante. E tudo o que se tem de fazer é um pequeno investimento para levar uma grande vantagem. O folclore popular conta a história de um vigarista que, há muito tempo, convenceu uma rica família carioca de que seria procurador dos herdeiros do francês que projetou o Cristo Redentor. E vendeu o para os ricaços, prometendo que eles passariam a ter os direitos sobre a visitação da estátua.

Economia - O Fundo do Poço

No final de 2015, até meados de 2016, muitos torciam para chegarmos logo ao fundo do poço, na esperança de que, não tendo mais para onde descer, começássemos a subir. Os mais pessimistas avisavam que seria bom não encontrarmos um lamaçal que nos prendesse no fundo por muito tempo.

Opinião - Cleptomania Não É Crime

Comecemos pelo óbvio. Embora a cleptomania não seja um crime, pode levar as pessoas a cometer um crime tipificado no código penal. Dependerá de um juiz aceitar ou não a alegação do distúrbio como atenuante, mas o fato é que, uma vez que a pessoa roube, ela cometeu um crime. Então vamos repetir para não perder o fio da meada: cleptomania não é crime, mas o ato de roubar mesmo quando provocado pela compulsão é.