Pular para o conteúdo principal

Choose Your Language - by Google

Educação - O Desafio da Desmistificação do Conhecimento




Pela simplicidade na educação

Cena do Filme Pink Floyd The Wall
Cena do Filme The Wall - Pink Floyd
Já lhe ocorreu de você quase desistir de fazer alguma coisa por imaginar que poderia ser mais difícil do que realmente foi? Apesar da fama de ser propenso ao pessimismo entre os meus amigos, tendência que eu como todo pessimista chamo de realismo, trago comigo uma característica que mudaria o julgamento dos demais por ser inerentemente ligada ao otimista: eu sou um cara persistente. E foi sendo persistente que adquiri algum conhecimento geral, a despeito das dificuldades que os enfunados donos do conhecimento alegaram ao longo de minha busca.
Ao conhecer exatamente uma matéria qualquer passei a perceber que a maioria das dificuldades atribuídas a obtenção daquele conhecimento exato se devia a algum tipo de mistificação em torno do assunto. Esta mistificação pode se apresentar de diversas formas e em quase todas as áreas do conhecimento humano, o que torna a vida dos estudantes uma tarefa árdua ao ponto de relativamente poucos cheguem realmente a usufruir de alguma sabedoria decorrente de seu conhecimento. Entendendo que a sabedoria prática está intimamente ligada ao uso criativo e crítico do conhecimento adquirido.


Os sistemas educacionais no entanto são voltados para a formação de repetidores incontestes das verdades afirmadas por aqueles que julgam a si mesmos como guardiões do conhecimento. Os "intelectuais" do mundo em geral, e os brasileiros especialmente, tendem a usar de artifícios que pretendem proteger o conhecimento daqueles que são julgados de antemão como incapazes de compreendê-lo.

Um dos principais meios de mistificação do conhecimento é o uso profícuo e persistente de termos técnicos específicos ou de neologismos relativos numa determinada área do conhecimento ao ponto. Não saber o significado dos termos inventados a priori para definir uma matéria específica prejudica terrivelmente a compreensão de elementos simples. Pior ainda quando toma-se um termo conhecido e se lhe dá um significado totalmente diferente daquele encontrado nos dicionários.

Por exemplo, temos o caso de alguns que nos consideram ignorantes quando dizemos que um símio e um macaco são a mesma coisa. Quem ainda não ouviu um técnico explicando que não é verdade que a teoria da evolução afirme o homem descende de macacos mas sim de símios anteriores aos macacos? Isso faz algum sentido à luz da simples etimologia das palavras?

Ou ainda, há os que insistem que teoria e hipótese não são sinônimos, quando nós sabemos que são. Os mistificadores do conhecimento tentarão de todos os modos nos convencer que estamos errados, e que num determinado contexto tratam-se de coisas diferentes quando não são em nenhuma instância linguística.

Comecemos agora uma campanha educacional que não se mostrará fácil, mas que não seria impossível. Rejeitem a mistificação do conhecimento, qualquer que seja o assunto em pauta. Cobrem de seus educadores o porquê de afirmarem o contrário daquilo que nos parece ser óbvio, mas que no discurso deles torna-se algo quase incompreensível, fazendo nos sentir como tolos perante suas auto-inferidas autoridades.
Diga não à mistificação do conhecimento em nome da simplicidade do ensino. Lembremos Guilherme de Ockham: quando houver duas versões que expliquem um mesmo fato, a mais simples é a que mais se aproxima da realidade.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Economia - O Conto do Vigário

Ninguém sabe ao certo como começou nem a origem do nome. Mas quase todo mundo sabe como funciona o Conto do Vigário. Alguém aparece com a promessa de lucro mirabolante. E tudo o que se tem de fazer é um pequeno investimento para levar uma grande vantagem. O folclore popular conta a história de um vigarista que, há muito tempo, convenceu uma rica família carioca de que seria procurador dos herdeiros do francês que projetou o Cristo Redentor. E vendeu o para os ricaços, prometendo que eles passariam a ter os direitos sobre a visitação da estátua.

Jornalismo - O "X" do Triplex

"- Fala companheiro, Tudo tranquilo?
- Você falou de um esquema...
- Ah, tá. É o seguinte... Sabe a Cooperativa? Então. Eu vou mandar construir um prédio inteiro só pra gente... Isso... pra diretoria... Em Guarujá. Você vai ficar com a cobertura, claro."
...
"É... Ninguém precisa pagar nada. Vou cobrar cota extra dos bancários. Eu dou os papéis de 'cotas' pra vocês, assino uns recibos e, para todos os efeitos, vocês são cooperados. Mas tem que declarar, senão vai sujar... Vou passar as mais baratas, só para constar. Não tem erro."

Economia - O Brasil e a Construção Naval

Em setembro de 1997 o BNDS expediu um relatório que pretendia expor as razões da derrocada da atividade de Construção Naval no país que fez com que caíssemos da 2ª posição no ranking mundial, e 1ª na América Latina, deixando mesmo de figurar entre os 20 países melhor colocados. O conhecimento de tal relatório é de importância fundamental para os que querem entender em que pé nos encontramos agora que retornamos ao cenário mundial e levantamentos indicam que ocupamos a 6ª posição no ranking. 
Porque, apesar de ter sido elaborado há quase 20 anos, o relatório traz informações aplicáveis a atual conjuntura. Entre outras coisas ressalta-se a certeza de que não aprendemos nada com os erros do passado. Continuamos a apostar no protecionismo  e no comprometimento do Estado em prol da incapacidade administrativa dos donos de Estaleiros e Armadores nacionais. Com resultados bastante previsíveis.