Pular para o conteúdo principal

Choose Your Language - by Google

Filosofia - Dualidade e Antagonismo em Kundera

A leveza sustentável da filosofia

A Insustentável Leveza do Ser - Milan Kundera
A Insustentável Leveza do Ser - Milan Kundera
"Se cada segundo de nossa vida deve se repetir um número infinito de vezes, estamos pregados na eternidade como [um] Cristo na cruz. Que ideia atroz! No mundo do eterno retorno, cada gesto carrega o peso de uma insustentável leveza. Isso é o que fazia com que Nietzche dissesse que a ideia do eterno retorno é o mais pesado dos fardos (das schwerste Gewicht). Se o eterno retorno é o mais pesado dos fardos, nossas vidas, sobre esse pano de fundo, podem aparecer em toda a sua esplêndida leveza. Mas, na verdade, será atroz o peso e bela a leveza?"

**********************

Quase três décadas depois estou relendo Milan Kundera e me sinto angustiado. Eu nunca imaginei que seu livro, lido num momento conturbado de minha vida, pudesse ter influenciado tanto em meu caráter. Ou será que fantasio em minha releitura um ideal que eu jamais desejaria ter para mim, enquanto penso tê-lo? Espero, para o meu próprio bem, poder responder esta pergunta até o final desta aventura. Mas isto é matéria para uma conversa com meu terapeuta, se um dia eu me dispuser a contratar um.


Milan Kundera vai buscar na origem da filosofia, mais especificamente em Parmênides, o conceito da dualidade a que estamos sujeitos. A necessidade que temos de estabelecer o que é bom e o que é mau, no antagonismo do bem e do mal para que formemos parâmetros lógicos de julgamento.

Parmênides teria arbitrado filosoficamente que o universo estaria divididos em duplas de contrários, e Kundera concorda com o juízo que o filósofo grego faz quanto a existência de lados antagônicos que tendem a conduzir as decisões que tomaremos na vida, exceto em um ponto crucial: O que seria positivo: o peso ou a leveza?

Enquanto Parmênides afirma categoricamente que o leve seja positivo, Kundera reluta em aceitar a conclusão do mestre por entender esta contradição entre o peso e a leveza como a mais ambígua de todas.

E é a Beethoven que Kundera recorre para contraditoriamente se render ao filósofo grego. Ao concluir que "o peso, a necessidade e o valor são três noções íntima e profundamente ligadas: só é grave aquilo que é necessário, só tem valor aquilo que pesa. Posto que, para que a imaterialidade da "leveza do ser" venha a ter algum valor, ela terá de ter um peso que seja "insustentável" ao próprio ser.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Economia - O Conto do Vigário

Ninguém sabe ao certo como começou nem a origem do nome. Mas quase todo mundo sabe como funciona o Conto do Vigário. Alguém aparece com a promessa de lucro mirabolante. E tudo o que se tem de fazer é um pequeno investimento para levar uma grande vantagem. O folclore popular conta a história de um vigarista que, há muito tempo, convenceu uma rica família carioca de que seria procurador dos herdeiros do francês que projetou o Cristo Redentor. E vendeu o para os ricaços, prometendo que eles passariam a ter os direitos sobre a visitação da estátua.

Jornalismo - O "X" do Triplex

"- Fala companheiro, Tudo tranquilo?
- Você falou de um esquema...
- Ah, tá. É o seguinte... Sabe a Cooperativa? Então. Eu vou mandar construir um prédio inteiro só pra gente... Isso... pra diretoria... Em Guarujá. Você vai ficar com a cobertura, claro."
...
"É... Ninguém precisa pagar nada. Vou cobrar cota extra dos bancários. Eu dou os papéis de 'cotas' pra vocês, assino uns recibos e, para todos os efeitos, vocês são cooperados. Mas tem que declarar, senão vai sujar... Vou passar as mais baratas, só para constar. Não tem erro."

Economia - O Brasil e a Construção Naval

Em setembro de 1997 o BNDS expediu um relatório que pretendia expor as razões da derrocada da atividade de Construção Naval no país que fez com que caíssemos da 2ª posição no ranking mundial, e 1ª na América Latina, deixando mesmo de figurar entre os 20 países melhor colocados. O conhecimento de tal relatório é de importância fundamental para os que querem entender em que pé nos encontramos agora que retornamos ao cenário mundial e levantamentos indicam que ocupamos a 6ª posição no ranking. 
Porque, apesar de ter sido elaborado há quase 20 anos, o relatório traz informações aplicáveis a atual conjuntura. Entre outras coisas ressalta-se a certeza de que não aprendemos nada com os erros do passado. Continuamos a apostar no protecionismo  e no comprometimento do Estado em prol da incapacidade administrativa dos donos de Estaleiros e Armadores nacionais. Com resultados bastante previsíveis.