Pular para o conteúdo principal

Choose Your Language - by Google

Filosofia - Dualidade e Antagonismo em Kundera

A leveza sustentável da filosofia

A Insustentável Leveza do Ser - Milan Kundera
A Insustentável Leveza do Ser - Milan Kundera
"Se cada segundo de nossa vida deve se repetir um número infinito de vezes, estamos pregados na eternidade como [um] Cristo na cruz. Que ideia atroz! No mundo do eterno retorno, cada gesto carrega o peso de uma insustentável leveza. Isso é o que fazia com que Nietzche dissesse que a ideia do eterno retorno é o mais pesado dos fardos (das schwerste Gewicht). Se o eterno retorno é o mais pesado dos fardos, nossas vidas, sobre esse pano de fundo, podem aparecer em toda a sua esplêndida leveza. Mas, na verdade, será atroz o peso e bela a leveza?"

**********************

Quase três décadas depois estou relendo Milan Kundera e me sinto angustiado. Eu nunca imaginei que seu livro, lido num momento conturbado de minha vida, pudesse ter influenciado tanto em meu caráter. Ou será que fantasio em minha releitura um ideal que eu jamais desejaria ter para mim, enquanto penso tê-lo? Espero, para o meu próprio bem, poder responder esta pergunta até o final desta aventura. Mas isto é matéria para uma conversa com meu terapeuta, se um dia eu me dispuser a contratar um.


Milan Kundera vai buscar na origem da filosofia, mais especificamente em Parmênides, o conceito da dualidade a que estamos sujeitos. A necessidade que temos de estabelecer o que é bom e o que é mau, no antagonismo do bem e do mal para que formemos parâmetros lógicos de julgamento.

Parmênides teria arbitrado filosoficamente que o universo estaria divididos em duplas de contrários, e Kundera concorda com o juízo que o filósofo grego faz quanto a existência de lados antagônicos que tendem a conduzir as decisões que tomaremos na vida, exceto em um ponto crucial: O que seria positivo: o peso ou a leveza?

Enquanto Parmênides afirma categoricamente que o leve seja positivo, Kundera reluta em aceitar a conclusão do mestre por entender esta contradição entre o peso e a leveza como a mais ambígua de todas.

E é a Beethoven que Kundera recorre para contraditoriamente se render ao filósofo grego. Ao concluir que "o peso, a necessidade e o valor são três noções íntima e profundamente ligadas: só é grave aquilo que é necessário, só tem valor aquilo que pesa. Posto que, para que a imaterialidade da "leveza do ser" venha a ter algum valor, ela terá de ter um peso que seja "insustentável" ao próprio ser.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Economia - Estaleiro Mauá, Ainda Não é o Fim

Crise do setor naval é mais caótica do que possa parecer
Como você se sentiria se pudesse abrir uma empresa onde não fosse obrigado a investir em novas tecnologias? Onde não fosse preciso buscar a diversificação ou novas metodologias de trabalho, nem buscar o aperfeiçoamento da gestão empresarial, nem nada disso de que depende a sobrevivência das grandes empresas? Se você pudesse continuar a cometer os mesmos equívocos que no passado levaram empresas no mesmo ramo a fechar as portas e mesmo assim continuasse contar com crédito ilimitado no mercado, não importando o quão primários fossem os erros empresarias cometidos? E mesmo assim continuasse a ter prioridade em contratos milionários com a maior empresa estatal brasileira, sem o risco de ser incomodado pela concorrência de empresas estrangeiras? Provavelmente você julgaria ter alcançado o paraíso comercial.
Pois é exatamente assim que se sentem os donos de estaleiros navais. Não importa o que eles façam de suas empresas ou quantos erro…

Opinião - Cleptomania Não É Crime

Comecemos pelo óbvio. Embora a cleptomania não seja um crime, pode levar as pessoas a cometer um crime tipificado no código penal. Dependerá de um juiz aceitar ou não a alegação do distúrbio como atenuante, mas o fato é que, uma vez que a pessoa roube, ela cometeu um crime. Então vamos repetir para não perder o fio da meada: cleptomania não é crime, mas o ato de roubar mesmo quando provocado pela compulsão é.

Jornalismo - O "X" do Triplex

"- Fala companheiro, Tudo tranquilo?
- Você falou de um esquema...
- Ah, tá. É o seguinte... Sabe a Cooperativa? Então. Eu vou mandar construir um prédio inteiro só pra gente... Isso... pra diretoria... Em Guarujá. Você vai ficar com a cobertura, claro."
...
"É... Ninguém precisa pagar nada. Vou cobrar cota extra dos bancários. Eu dou os papéis de 'cotas' pra vocês, assino uns recibos e, para todos os efeitos, vocês são cooperados. Mas tem que declarar, senão vai sujar... Vou passar as mais baratas, só para constar. Não tem erro."